Durante a germinação e a emergência, os cotilédones rompem a superfície do solo e inicia-se o crescimento das raízes primárias e laterais. Pelos radiculares funcionais se desenvolvem logo após a emergência, sendo essenciais para a absorção de nutrientes e água quando a planta está nesse estádio inicial.

Figura 1: Soja em estágio VE.

Fonte: IPNI.

A semente de soja inicia a germinação por meio da absorção de água em quantidades equivalentes a 50% de seu peso. Uma vez embebida a semente, evidencia-se a sua germinação com o crescimento da radícula, ou raiz primária, que se prolonga para baixo, fixando-se sozinha no solo.

 Logo após o crescimento inicial da raiz primária, o hipocótilo, isto é, a pequena seção do caule situada entre o nó cotiledonar e a raiz primária, inicia a elongação para a superfície do solo, levando consigo os cotilédones.

A fixação da raiz primária no solo junto com a elongação do hipocótilo estabelece uma alavanca que ergue os cotilédones à superfície do solo, caracterizando-se o estádio de emergência, ou VE (Figura 1).

Figura 1: Germinação e emergência da cultura da soja.

Fonte: IPNI.

O estádio VE ocorre uma a duas semanas após a semeadura, dependendo das condições de umidade e temperatura do solo e da profundidade de semeadura. As raízes laterais iniciam o seu crescimento a partir da raiz primária antes da emergência.



Práticas de manejo para o estádio VE

  • Avalie se a emergência está adequada;
  • Cheque o estande inicial e a uniformidade;
  • A profundidade ótima das sementes varia entre 2,5 e 5 cm;
  • Semeadura profunda (maior que 5 cm), elevada temperatura do solo, ataque de insetos e doenças prejudicam a emergência final. Se o estande for inadequado a ressemeadura poderá ser necessária.

Na maioria dos casos, a soja deveria ser semeada a uma profundidade de 2,5 a 4,0 cm e nunca em profundidade acima de 5,0 cm. A habilidade da plântula de soja em romper a crosta do solo durante a emergência diminui com semeaduras mais profundas. Alguns cultivares são especialmente sensíveis a semeaduras profundas. Além disso, as temperaturas mais amenas do solo, em maiores profundidades, causam crescimento mais lento e diminuição na disponibilidade de nutrientes.

Doses pequenas de fertilizantes, colocadas em uma faixa de 2,5 a 5,0 cm de profundidade ao lado e ligeiramente abaixo da semente, podem estimular o crescimento inicial da planta, caso as temperaturas do solo ainda estejam baixas. As raízes não são atraídas para essa faixa de colocação dos fertilizantes.

Assim, o adubo de semeadura deve ser colocado onde as raízes estarão. A colocação do fertilizante muito próximo ou junto à semente pode causar injúrias na planta jovem. As plantas daninhas competem com a soja por luz, água e nutrientes.

Operações de cultivo, uso de herbicidas, obtenção de estandes uniformes e rotação de culturas são métodos úteis para controlar as plantas daninhas. O cultivador rotativo é uma ferramenta excelente para o controle inicial da planta daninha antes e logo após a emergência da soja.

Quer saber sobre os demais estádios de desenvolvimento da cultura? Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (Site, Facebook, Instagram, LinkedIne fique por dentro dessa série que foi elaborada pensando em você!



Fonte das informações: IPNI.

Elaboração: Engenheira Agrônoma Andréia Procedi – Equipe Mais Soja.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.