Os percevejos representam uma das principais pragas da cultura da soja. O percevejo-marrom, Euschistus heros (Fabr., 1798), era considerado uma praga secundária na cultura, porém ao longo das safras vem aumentando sua ocorrência em relação às anteriores e atualmente é a espécie de maior predominância.

            Pertence à família Pentatomidae, são sugadores de grãos. Passam pelas fases de ovo, ninfa (cinco ínstares) e adulto (Figura 1). Esta espécie é uma das que produzem mais gerações por ano, chegando a alcançar até oito gerações em regiões quentes, sendo a espécie predominante nestas regiões e a que demanda maior monitoramento e intervenção por parte dos agricultores.

Figura 1. Ciclo de desenvolvimento Euschistus heros (Fabr., 1798). Fonte: CIVIDANES, 1992.

            As fêmeas, quando adultas, ovipositam massas de 5 a 7 ovos de coloração amarela, depositados geralmente nas folhas e vagens. Cada fêmea tem fecundidade média de 120-170 ovos. Os adultos são de cor marrom-escura e iniciam a cópula em 10 dias e as oviposições iniciam após 13 dias. A longevidade média é de 116 dias.

            A fase de ninfa é mais rápida em temperaturas médias de 22 a 28ºC, o inseto é mais suscetível ao mal desenvolvimento em temperaturas extremas, como de 19 à 34ºC.

            A colonização da praga na soja inicia no fim do período vegetativo e durante a floração, no aparecimento das vagens inicia a reprodução e o aumento das populações. As ninfas iniciam a causar dano a partir do 3º ínstar. No enchimento de grãos inicia o período crítico e é onde a soja é mais suscetível à praga. O pico populacional é alcançado no final do enchimento dos grãos e as populações diminuem, onde os percevejos se dispersam para hospedeiros existentes nas proximidades, logo entrando no período de diapausa sob a palhada. Pode se alimentar também de plantas daninhas como leiteiro (Euphorbia heterophylla L.) e em outras culturas como milho e algodão.

Figura 2. Fenologia da população de percevejo na cultura da soja.

Fonte: Corrêa-Ferreira e Panizzi (1999).

            Causam danos diretos na produtividade e qualidade dos grãos, em ataques iniciais as plantas podem abortar as vagens. Quando atacam as vagens as perdas chegam até 30%. Os grãos ficam menores e enrugados, pois causam murchamento das vagens, retardando a maturação e consequentemente a colheita. Grãos afetados podem apresentar teores de óleo e proteína alterados.

            Quando for atingido o nível de controle de 2 percevejos por pano de batida deve ser realizado o controle da praga em lavouras de produção de grãos, para produção de sementes o nível de controle é de 1 percevejo por pano-de-batida, seguindo as recomendações do Manejo Integrado de Pragas (MIP). Na utilização do controle químico, é necessário ter atenção em relação à aplicação de inseticidas quando alcançado o nível de controle da praga e também a rotação de modos de ação, diminuindo assim a seleção de populações resistentes.

            Os principais inseticidas recomendados pelo IRAC e Embrapa Soja para controle do Euschistus heros são dos grupos químicos carbamatos, organofosforados, piretroides e neonicotinoides. É necessário atenção à seletividade do produto a ser utilizado, onde os que apresentam menor efeito sobre parasitoides e predadores naturais devem ser priorizados.

         Em artigo publicado em 2017 pela Fundação Rio Verde de Lucas do Rio Verde – MT foi demonstrada a eficiência de inseticidas para o controle do percevejo marrom na cultura da soja. Engeo Pleno teve eficiência de 100% de controle de ninfas e adultos aos 03 dias após a primeira aplicação (DAA), no controle das ninfas Galil, Engeo Pleno e Acefato + Sal se destacaram apresentando maior eficiência em todas as avaliações.

Figura 3. População de percevejo marrom (adultos + ninfas) nas avaliações aos 03, 07, 10 e 14 dias após primeira aplicação (DAA) e aos 03 e 07 dias após segunda aplicação (DAB) em diferentes tratamentos na cultura da soja.

Fonte: Fundação Rio Verde, 2017.

Sobre a Autora: Evangeline Zwirtes, Acadêmica de Agronomia da URI (Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões) – Campus Santo Ângelo

Referências:

BORTOLOTTO, O. C. et al. Aspectos biológicos de Euschistus heros (Hemiptera: Pentatomidae) e Spodoptera eridania (lepidoptera: noctuidae) em diferentes temperaturas: possíveis impactos do aquecimento global. In: Embrapa Soja-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: WORKSHOP SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PROBLEMAS FITOSSANITÁRIOS, 2012, Jaguariúna. Anais… Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2012., 2012.

BUENO, A.F., PANIZZI, A.R.; CORRÊA-FERREIRA, B.S.; HOFFMANN-CAMPO, C.B.; SOSA-GÓMEZ, D.R.; GAZZONI, D.L.; HIROSE, E.; MOSCARDI, F.; CORSO, I.C.; OLIVEIRA, L.J.; ROGGIA, S. Histórico e evolução do manejo integrado de pragas da soja no Brasil. In: HOFFMANN-CAMPO, C.B.; CORRÊA-FERREIRA, B.S.; MOSCARDI, F. (Ed.). Soja: Manejo Integrado de Insetos e outros Artrópodes-Praga. Brasília: Embrapa, 2012. Cap 1, p. 37-74.

CIVIDANES, F.J. Determinação das exigências térmicas de Nezara viridula (L., 1758), Piezodorus guildinii (West., 1837) e Euschistus heros (Fabr., 1798) (Heteroptera: Pentatomidae) visando ao seu zoneamento ecológico. 1992. 100 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – USP, Piracicaba, 1992.

CIVIDANES, F.J.; FIGUEIREDO, J.G. Previsão de ocorrência de picos populacionais de percevejos pragas da soja em condições de campo. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, v. 26, p. 517-525, 1997.

CIVIDANES, F.J.; PARRA, J.R.P. Zoneamento ecológico de Nezara viridula (L.), Piezodorus guildinii (West.) e Euschistus heros (Fabr.) (Heteroptera: Pentatomidae) em quatro estados produtores de soja no Brasil. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, v. 23, p. 219-226, 1994.

CONTE, O.; et al. Resultados do manejo integrado de pragas da soja na safra 2016/17 no Paraná [recurso eletrônico] – Londrina: Embrapa Soja, 2017.

CORRÊA-FERREIRA, B.S.; PANIZZI, A.R. Percevejos da soja e seu manejo. Londrina: EMBRAPA-CNPSo, 1999. 45p. (EMBRAPA-CNPSo. Circular Técnica, 24).

CORSO, I.C. Uso de sal de cozinha na redução da dose de inseticida para controle de percevejos da soja. Londrina: EMBRAPA-CNPSo, 1990. 7 p. (EMBRAPA-CNPSo. Comunicado Técnico, 45).

DEGRANDE, P. E.; VIVAN, L. M. Pragas da Soja. Tecnologia e produção: soja e milho 2008/2009. Maracaju-MS: FUNDAÇÃO MS, 2008. p. 73- 108.

DI BELLO, M. M.; BELUFI, L. M. R.; PITTELKOW, F. K; PASQUALLI, R. M. Avaliação de eficiência de inseticidas para o controle de percevejo marrom (Euschistus heros) na cultura da soja em Lucas do Rio Verde – MT. Boletim Técnico Safra 2016/17 e Segunda Safra 2017. Fundação de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico Rio Verde, 2017.

PANIZZI, A.R. A biodiversidade vegetal no manejo de percevejos. In: CORRÊA-FERREIRA, B.S. (Org.). Soja orgânica: alternativas para o manejo dos insetos pragas. Londrina: Embrapa Soja, 2003. p. 47-55.

PANIZZI, A.R.; BUENO, A.F.; SILVA, F.A.C (2012) Insetos que atacam vagens e grãos. In: HOFFMANN-CAMPO, C.B.; CÔRREA-FERREIRA, B.S.; MOSCARDI, F. (eds). Soja: Manejo Integrado de Insetos e outros Artrópodes-Praga. Brasília: Embrapa, 2012. Cap 5, p.335-420.

SOSA-GÓMEZ, D. R.; OMOTO, C. Resistência a Inseticidas e outros agentes de controle em artrópodes associados à cultura da soja. In: HOFFMANN-CAMPO, C. B.; CORRÊA-FERREIRA, B. S.; MOSCARDI, F. Soja: Manejo Integrado de Insetos e outros Artrópodes-Praga. Brasília: Embrapa, 2012. Cap 10, p. 673-724.

SOSA-GOMEZ, D. R.; ROGGIA, S. Manejo da resistência do percevejo-marrom a inseticidas. Embrapa Soja-Fôlder/Folheto/Cartilha (INFOTECA-

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.