InícioDestaquePreços dos subprodutos do algodão em MT apresentaram alta pela segunda semana...

Preços dos subprodutos do algodão em MT apresentaram alta pela segunda semana consecutiva

Os preços dos subprodutos do algodão em MT apresentaram alta pela segunda semana consecutiva no mês de mai-22. Deste modo, no comparativo semanal as cotações do caroço e da torta exibiram incremento de 0,58% e 0,11%, cotados a R$ 1.631,05/t e R$ 1.613,58/t, respectivamente.

Essa valorização nos preços dos subprodutos é reflexo da menor oferta dos produtos no mercado, devido ao período de entressafra. Além disso, a procura pelos subprodutos aumentou em mai-22, uma vez que os pecuaristas que utilizam os derivados como fonte de alimentação animal estão adquirindo os produtos para intensificarem o confinamento do seu rebanho.

Cabe destacar que, além do aumento na demanda, estima-se que resta menos de 1,00% da produção total do caroço disponível no estado. Assim, para as próximas semanas a expectativa é que os preços continuem em movimento altista.

Confira agora os principais destaques do boletim:

  • Queda: devido à desvalorização nas cotações da pluma na bolsa de NY, o preço Cepea apresentou declínio de 0,91% no comparativo semanal, precificado na média de ¢ R$ 807,51/lp.
  • Redução: reflexo das incertezas quanto a economia global, o contrato de dez/22 exibiu baixa de 4,05% ante a semana passada, cotado a ¢ US$ 124,33/lp.
  • Baixa: quando comparado com a semana passada, o indicador de paridade de exportação demonstrou redução de 6,01% em Mato Grosso, cotado a R$ 212,27/@.

Segundo o USDA 31,00% do solo estadunidense está com a umidade abaixo das condições consideradas ideais para a cultura do algodão.

De acordo com os dados do USDA, os Estados Unidos são considerados o terceiro maior produtor mundial de algodão e o principal exportador do produto.

Em relação a safra 22/23, o país já semeou 54,00% da área projetada para a temporada. Entretanto, fatores climáticos que afetam o país, como o intenso período de seca que atinge o Texas – maior produtor estadunidense – está sendo um ponto de atenção para a safra 22/23, uma vez que o estado texano plantou 44,00% de sua área estimada sob o solo com um índice de 87,00% de umidade abaixo ou muito abaixo do adequado, o que pode comprometer a produtividade da lavoura.

Cabe destacar que há previsões de chuvas na região, contudo o volume de precipitações pode não ser o suficiente para recuperar a umidade do solo, o que mantém as preocupações quanto ao impacto na produtividade aguardada para o ciclo.

Fonte: IMEA

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares