Amplamente pesquisada nas lavouras de milho e algodão na safra de verão em andamento (2020-21), a associação entre baculovírus e inseticidas com ação de choque tem se mostrado favorável ao produtor no controle da lagarta Spodoptera frugiperda. Conforme um dos estudos, liderado pela companhia australo-americana AgBiTech, com a participação de pesquisadores independentes, esse tratamento reduziu entre 60% e 70% os danos foliares transferidos pela lagarta ao milho, por exemplo.

“Vírus favorecem o controle e contribuem na preservação da produtividade, mesmo diante de populações de Spodoptera frugiperda cada vez mais resistentes a inseticidas químicos. Vale lembrar também que, nos dias de hoje, há poucas alternativas economicamente viáveis para o agricultor controlar essa praga”, ressalta Suélen Moreira, entomologista da Fundação Chapadão (MS).

Suélen revela que em uma ‘área-testemunha’ de algodão, acompanhada pela Fundação Chapadão, a associação de baculovírus ao inseticida de choque metomil viabilizou produção da ordem de 5 toneladas da pluma por hectare.

Para o pesquisador da consultoria de Mato Grosso do Sul Desafios Agro, Germison Tomquelski, o manejo ancorado na associação de bioinsenticida a inseticida químico com ação de choque tem demonstrado resposta rápida sobre a Spodoptera frugiperda. “Observamos ainda um período de controle mais prolongado, entre sete dias e dez dias, em relação a outros métodos.”

Gerente de pesquisa e desenvolvimento da AgBiTech, o engenheiro agrônomo Marcelo Lima destaca que o método de controle da Spodoptera frugiperda recomendado pela empresa eleva a eficácia agronômica e favorece a relação custo-benefício do produtor de milho e algodãoConforme Lima, no algodão, por exemplo, o tratamento resultou na preservação do potencial produtivo da cultura, ao proteger, com eficiência, às estruturas reprodutivas das plantas.

Lima acrescenta que a Spodoptera frugiperda constitui hoje o principal desafio do produtor de milho e algodão para produzir mais e melhor. De acordo com o agrônomo, o produto que vem sendo empregado em associação aos inseticidas químicos de choque é o bioinseticida Cartugen®. “Trata-se de um defensivo agrícola cem por cento biológico, que funciona como um agente ‘protetor’, ao assegurar a eficácia do manejo de resistência de pragas a ingredientes ativos químicos.”

Para o agrônomo da AgBiTech, Cartugen® se converteu numa nova ferramenta estratégica do produtor para lagartas como a Spodoptera frugiperda, entre outras, “pois não há nos dias de hoje novas moléculas químicas disponíveis, nem mesmo no longo prazo, voltadas ao controle de lagartas, ao passo que aumentam, a cada safra, populações resistentes dessas pragas aos inseticidas tradicionais”, conclui Marcelo Lima.

Desde 2002, a AgBiTech fornece produtos consistentes, de alta tecnologia, que ajudam a tornar a agricultura mais rentável e sustentável. A empresa combina experiência a campo com inovação científica. Trabalha com agricultores, consultores e pesquisadores e desenvolve soluções altamente eficazes para manejo de pragas agrícolas. Controlada pelo fundo de Private Equity Paine Schwartz Partners (PSP), a AgBiTech fabrica toda a sua linha de produtos na mais moderna unidade produtora de baculovírus do mundo, em Dallas (Texas, EUA). www.agbitech.com.br 

Fonte: Assessoria de imprensa AgBiTech

Foto de capa: Divulgação AgBiTech

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.