Diante de uma demanda por produções resilientes, de baixa emissão e rastreáveis, a captura e o armazenamento de carbono se tornam um elemento de negociação global. A partir do INTA, as vantagens competitivas da Argentina na agricultura de conservação se destacam e fornecem diretrizes para aprofundá-la. 

Taboada: “Os solos agrícolas têm um papel central como base para a segurança alimentar e dizem respeito à sua degradação em escala global”.

Na última década, inúmeras investigações alertam sobre o impacto da mudança climática na segurança alimentar e, nesse sentido, especialistas ponderam o papel da agricultura para mitigar os danos. A partir do INTA eles enfatizam a importância de capturar e armazenar carbono nos solos, o que eles consideram que se tornará um elemento de negociação global no futuro próximo. Uma prévia do evento será apresentada no 30º Congresso Aapresid, que será realizado de 7 a 9 de agosto no Centro Metropolitano de Convenções, Rosário, Santa Fé.

Para Miguel Taboada – diretor do Instituto de Pesquisas de Solos do INTA Castelar, Buenos Aires – “capturar carbono atmosférico para armazená-lo em terras agrícolas é uma oportunidade que se abre para o futuro, com uma projeção interessante para o mundo da agronomia”.

Nesse sentido, ele reconheceu que “o carbono ganhou uma importância que vai além de seu papel fundamental na matéria orgânica do solo e sua fertilidade” e, nessa linha, considerou uma “chave mestra” para fazer uma agricultura resiliente ao clima, um elemento que podemos defender contra os mercados mundiais.

“O mundo exige que a produção agrícola seja resiliente ao clima, baixa em emissões de carbono e rastreável em termos de métodos de produção”, explicou Taboada. Nesse contexto, o sequestro e o armazenamento de carbono tornam-se uma moeda nas negociações globais para produtos agrícolas. “É uma oportunidade interessante que pode até se tornar um negócio rentável para o país”, disse ele. 

É que, com o menor aumento no armazenamento de carbono em solos de uso agrícola – através da inclusão de pastagens, campos e florestas – um impacto considerável é alcançado na melhoria da fertilidade do solo e da produção agrícola. Além disso, ajuda a limitar o aumento da temperatura do planeta a + 1.5-2 ° C, um máximo que não deve ser alcançado para evitar conseqüências de magnitude muito significativas. 

Para promover a melhoria do teor de matéria orgânica e do sequestro de carbono nos solos, o pesquisador ressaltou a importância de “considerar práticas agrícolas adaptadas às condições locais, ambientais, sociais e econômicas, como as propostas pela gestão agroecológica, agricultura -silvo-pastoril, agricultura de conservação e gestão paisagística”.

A esse respeito, ele não hesitou em garantir que “a Argentina esteja posicionada de maneira muito favorável em relação a outros países, com base no grande progresso que tem em questões de agricultura de conservação, como a semeadura direta”.

De qualquer forma, ele reconheceu que nosso país deve “mudar sua política de terras para um compromisso maior com o monitoramento de recursos e a preocupação com o uso e manejo sustentável baseado na melhoria da biodiversidade e na minimização do uso de agroquímicos”.

Para o pesquisador, “os solos agrícolas têm um papel central como base para a segurança alimentar e estão preocupados com a situação de risco que existe devido ao progresso da degradação do solo a nível global”.

Nesse sentido, ele considerou “uma oportunidade” que a Argentina subscreveu à “Iniciativa 4 x 1000” proposta pela França, que destaca a necessidade de manter e / ou recuperar os níveis de carbono armazenados nos solos como forma de melhorar a sua fertilidade e resiliência face às alterações climáticas, bem como na mitigação das emissões de gases com efeito de estufa.

Esta iniciativa propõe alcançar uma taxa de crescimento anual de 4% nas reservas de carbono do solo, ao mesmo tempo que impede o aumento da concentração de CO2 na atmosfera.

“Desde o INTA, estamos promovendo três iniciativas alinhadas à Iniciativa, que são o Sistema Nacional de Informações sobre Solos (SisINTA), a Rede Nacional de Informações Agropecuárias (RIAN) e a plataforma de acesso GeoINTA ” , explicou Taboada, que reconheceu a necessidade de A agência fortalece seus sistemas de monitoramento e a investigação de mecanismos de sequestro de carbono no nível regional.



Aapresid: uma reunião de referência tecnológica 

Reunidos no Centro de Convenções Metropolitanas de Rosário, em Santa Fe, de 7 a 9 de agosto, os principais especialistas farão parte do 30º Congresso Aapresid . Neste espaço de encontro, eles discutirão e apresentarão os avanços tecnológicos e os diferentes cenários de inovação. 

Entre as principais linhas destacam-se o agronegócio, a bioeconomia, a agricultura digital AgTech, a água, a biotecnologia e a nanotecnologia. Além disso, falaremos sobre comunicação, culturas de inverno, pecuária, girassol, legislação agroalimentar, milho e sorgo. Ao mesmo tempo, as novidades serão exibidas em termos de maquinário, sistema agrícola, soja, solos e fertilidade. 

Ao longo de quase três décadas, este evento de conhecimento e conhecimento tecnológico de renome mundial é apresentado à comunidade como uma rede de atualização, compartilhamento e conhecimento de tecnologias avançadas ligadas à produção sustentável de alimentos, fibras e energia.

Fonte: INTA Informa

Texto originalmente publicado em:
INTA Informa
Autor: INTA

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.