O texto de hoje é sobre o capim-amargoso (Digitaria insularis).

Capim-amargoso: saiba sobre sua biologia e como você pode controlar esta espécie.

Você já viu em outros informativos aqui no site o prejuízo que o capim-amargoso pode ocasionar na soja.

Segundo Gazziero et al. (2019), 6 plantas de capim-amargoso por metro quadrado, podem reduzir cerca de 40% a produtividade da soja.

A redução na produtividade e o aumento dos custos de controle são ainda maiores em áreas em que são encontradas plantas daninhas resistentes à herbicidas. 

Fonte: Adegas et al. (2017).
Fonte: Heap (2019).

Uma das grandes problemáticas sobre esta planta daninha, é que em 2008 foram encontrados biótipos de capim-amargoso resistente ao glifosato em lavouras de soja e milho no Estado do Paraná.

Já, em 2016, foram encontrados biótipos resistentes aos herbicidas  fenoxaprop e ao haloxyfop, ambos Inibidores da ACCase, os conhecidos graminicidas.

Vamos agora conhecer um pouco sobre a biologia desta espécie.

O capim-amargoso apresenta crescimento inicial lento até os 45 dias, após este período até os 105 dias torna-se acelerado e, após os 105 dias as folhas começam a morrer.

É uma gramínea de ciclo perene, podendo durar mais de dois anos. Possui como forma de reprodução sementes e rizomas e, durante o seu desenvolvimento forma touceiras. 

Fonte: Machado et al. (2006).

Por ser uma planta de metabolismo C4, em condições de baixas temperaturas e/ou sombreamento podem ter desvantagem em relação às outras plantas que tenham o desenvolvimento mais rápido.

Assim, segundo Machado et al. (2006), o ideal é que o controle seja realizado até os 35 dias após a emergência, pois neste momento os rizomas ainda não foram formados.

A emissão das inflorescências ocorre em torno de 63 a 70 dias após a emergência.

Fonte: Arquivo Pessoal

O capim-amargoso produz uma grande quantidade de sementes, que são facilmente disseminadas pelo vento.

Os rizomas possibilitam que as plantas de capim-amargoso se recuperem da ação dos herbicidas e de corte mecânico proporcionados, por exemplo pela roçada.

O capim-amargoso foi uma das plantas daninhas que foram beneficiadas pela adoção do sistema de plantio direto. Isso porque, antes as sementes desta espécie eram enterradas, o que dificultava a sua germinação e emergência.

Como controlar?

Atualmente, os método químico é o mais utilizado. Entretanto, excelentes resultados são observados quando utilizado o manejo integrado de plantas daninhas, principalmente na associação dos métodos mecânico e químico.

Segundo Soares e Ramiro López-Ovejero (2012), são mais de 12 ingredientes ativos, com pelo menos 7 mecanismos de ação diferentes. Além disso, outros fatores a serem observados são: a época de aplicação e o estádio fenológico do capim-amargoso.

Dentre os herbicidas registrados estão:

  • Herbicidas sistêmicos pertencentes aos Inibidores da ACCase (graminicidas): cletodim, setoxydim, haloxyfop, fluazifop, cletodim + fenoxafrop, tepraloxydim;
  • Herbicida sistêmico pertencente aos Inibidores da EPSPs: glifosato;
  • Herbicidas de contato: paraquat, diuron + paraquat e glufosinato;
  • Herbicidas aplicados em pré-emergência, com ação residual: alachlor e s-metolachlor.

O ideal é que as plantas de capim-amargoso sejam controladas no início do desenvolvimento, com no máximo 4 perfilhos, sendo o ideal até 2 perfilhos.

Para isso, a dessecação deve ser realizada antes da floração, durante a fase vegetativa, quando a planta está com 15 a 20 cm de altura.

Fonte: Arquivo Pessoal

Conclusão

O capim-amargoso está entre as principais plantas daninhas que causam prejuízos na cultura das soja. Seu controle é dificultado devido a elevada produção de sementes e rizomas, que conferem à planta alta capacidade de rebrota e alta taxa de dispersão. O ideal é que o controle seja realizado no início de desenvolvimento da planta daninha.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre o tema? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Girardeli, Sou Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar) e Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ). Atualmente, estou cursando MBA em Agronegócios.

 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.