A semana foi marcada por tempo chuvoso, impossibilitando a implantação da cultura. Nas regiões do Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, foi retomada a dessecação de algumas lavouras no final de semana, sendo necessário o uso sequencial de herbicida, devido à germinação de azevém e aveia nas áreas destinadas ao cultivo do trigo.

Nas áreas anteriormente implantadas, há boa emergência; as plantas melhoram o aspecto visual com a diminuição das precipitações e com a melhor luminosidade ocorridas no final de semana.

Nas regiões da Fronteira Noroeste e Missões, aumentou em 1% a área plantada, chegando a 9% do total estimado de área para esta safra. No entanto, nessas áreas a cultura apresenta dificuldade de germinação e emergência em função da pouca luminosidade. As condições ambientais até o momento já têm prejudicado o desenvolvimento da cultura.

Mesmo assim, está sendo esperada uma produtividade de cerca de três mil toneladas por hectare. Produtores das Missões aguardam a presença de sol para fazer a dessecação das lavouras e entrar com a semeadura da cultura.

As lavouras implantadas apresentam pouco crescimento em função da baixa luminosidade e do encharcamento do solo, principalmente em áreas de encostas e baixadas com maior acúmulo de água, onde já é observado o amarelecimento severo das plantas.

Nas regiões da Fronteira Oeste e Campanha, a área de trigo prevista para esta safra é de 37.544 hectares. Em São Gabriel, as primeiras lavouras semeadas estão em desenvolvimento vegetativo.

Em Maçambará, em torno de 15% da área foi plantada; em Itaqui, 30%; em São Borja, a semeadura da cultura foi iniciada, mas continua lenta em função da manutenção da umidade elevada. Em Santana do  Livramento, a semeadura ainda não foi iniciada; há intenção de plantio de aproximadamente 500 hectares no município.

Na região Central do Estado, a perspectiva de área de plantio para esta safra de trigo é de aproximadamente 40 mil hectares, em torno de 10% maior do que a anterior. Foram plantados menos de 5% do total. Os municípios de Tupanciretã, Júlio de Castilhos, Santiago, Capão do Cipó e Jari são responsáveis por 71% da área de trigo da região. No entanto, caso o tempo não seja favorável, poderá ocorrer um impacto negativo na implantação das lavouras, pois o longo período de chuva atrasou o plantio e, com isto, alguns produtores podem desistir de implantar a cultura nesta safra.

Nas regiões do Médio Alto Uruguai e Rio da Várzea, os produtores pretendem intensificar a semeadura do trigo nessa semana, em função da previsão climática sem precipitações, o que possibilita a entrada das máquinas para o plantio, com umidade do solo favorável para a operação. O zoneamento agroclimático iniciou em 21 de maio para a maioria dos municípios dessas regiões.

No Alto Uruguai e no Alto da Serra do Botucaraí, os produtores preparam a área para posterior plantio. Na região da Serra e Campos de Cima da Serra, a alta umidade e as chuvas frequentes impediram as operações de dessecação e preparo das áreas para a semeadura, que deverá iniciar assim que a umidade do solo diminuir e permitir a entrada das máquinas.

ANÁLISE DOS FUNDAMENTOS-ARGENTINA:

Argentina já plantou 19,7% dos 6,4 Mha previstos No decorrer desta semana, os esforços de implementação do trigo avançaram consideravelmente, cobrindo 19,7% da área projetada para esta safra, concentrando os maiores progressos principalmente na NOA, na província de Córdoba e no núcleo norte.

Nestas regiões, as condições climáticas melhoraram significativamente devido à cessação das chuvas, permitindo assim a recuperação do piso em lotes e estradas. No entanto, apesar de ter passado mais uma semana sem chuvas, o NEA ainda tem problemas de excessos de água e a atividade é limitada à implantação de áreas onde é viável a passagem das máquinas, localizadas principalmente no nordeste da província de Santiago del Estero.



Já o centro e sul da área agrícola tem registrado alguns progressos na semeadura de cereais, mas espera-se que o trabalho ganhe mais impulso nas próximas semanas.

Fonte: T&F Consultoria Agroêconomica

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.