InícioDestaqueCom relatórios do USDA sem grandes novidades, cotações do milho se mantiveram...

Com relatórios do USDA sem grandes novidades, cotações do milho se mantiveram estáveis em Chicago

As cotações do milho, em Chicago, se mantiveram relativamente estáveis, com o fechamento desta quinta-feira (13) ficando em US$ 4,58/bushel, para o primeiro mês cotado, contra US$ 4,53 uma semana antes.

O relatório do USDA, divulgado no dia 12/06, também aqui trouxe poucas novidades em relação ao anunciado em maio. Assim, para o novo ano comercial 2024/25, a produção estadunidense de milho ficou mantida em 377,5 milhões de toneladas, enquanto os estoques finais não se alteraram, permanecendo em 53,4 milhões de toneladas. Já a produção mundial de milho foi elevada em quase um milhão de toneladas, atingindo a 1,220 bilhão de toneladas. Por sua vez, os estoques finais globais, no novo ano, chegariam a 310,8 milhões, ou seja, um recuo de quase dois milhões sobre o indicado em maio passado. A produção do Brasil e da Argentina foram mantidas em 127 e 51 milhões de toneladas respectivamente, com o Brasil devendo exportar um volume total de 49 milhões de toneladas em 2024/25. Assim, o preço médio do cereal, aos produtores estadunidenses, no novo ano comercial, está estimado em US$ 4,40/bushel, repetindo o valor indicado em maio passado.

 Dito isso, a área semeada com milho, nos EUA, até o dia 09/06, chegava a 95% do total, contra 84% na média histórica para a data. Já as condições das lavouras semeadas mostravam-se com 74% entre boas a excelentes.

Por outro lado, os embarques estadunidenses de milho atingiram a 1,34 milhão de toneladas na semana encerrada em 06/06, ficando dentro do esperado pelo mercado. Com isso, o total já embarcado, no atual ano comercial, chega a 39,1 milhões de toneladas, ou seja, 26% acima do registrado no mesmo período do ano anterior.

E no Brasil, os preços do milho cederam um pouco nesta semana. A média gaúcha ficou em R$ 56,98/saco, enquanto as principais praças continuam praticando R$ 55,00. Nas demais regiões brasileiras, os preços oscilaram entre R$ 35,00 e R$ 58,00/saco. Já na B3, os contratos iniciais oscilaram entre R$ 58,74 e R$ 69,74/saco no fechamento do dia 12/06. O recuo nos preços do milho vem na esteira de uma aceleração na colheita da safrinha, mesmo que esta venha menor do que o inicialmente esperado. Ao mesmo tempo, a demanda está recebendo lotes negociados antecipadamente ou prioriza os estoques existentes, atuando pouco, neste momento, no mercado disponível da nova safra.

Neste sentido, a colheita da safrinha do Centro-Sul brasileiro atingia a 10,4% da área, contra 2,2% no mesmo período do ano passado, segundo a consultoria AgRural.

Todavia, a Conab informa uma área menor já colhida, apontando 7,5% da área total, contra 1,7% em igual momento de 2023. Segundo o órgão público, o Mato Grosso havia colhido 11,2%, o Paraná 7%, o Mato Grosso do Sul 5%, Tocantins 3% e Goiás 2,5% no final da semana anterior.

Registra-se uma redução das chuvas no Norte e Noroeste do Paraná, o que vem prejudicando as lavouras da safrinha local, assim como Mato Grosso do Sul e Minas Gerais também estão enfrentando clima seco e quente.

Ao mesmo tempo, ainda segundo a Conab, a colheita da primeira safra 2023/24 teria atingido a 85,2% do total previsto. Os Estados mais avançados na colheita são: São  Paulo, Paraná e Santa Catarina (100%), Minas Gerais e Goiás (99%), Rio Grande do Sul (95%), Bahia (81%), Piauí (48%) e Maranhão (30%).

Especificamente no Mato Grosso, a colheita da segunda safra, até o dia 07/06, atingia a 10,7% da área total, contra a média histórica de 9,2%. No ano passado, nesta época, a mesma atingia a apenas 3,6% da área semeada. O Mato Grosso espera colher um total de 45,8 milhões de toneladas de milho nesta safra 2023/24. Mesmo assim, 12,8% a menos do que o colhido no ano anterior, a partir de uma redução de 7,3% na área plantada e de 5,8% na produtividade média obtida. (cf. Imea)

Já no Paraná, segundo o Deral, 13% das lavouras da segunda safra estavam colhidas no final da semana anterior, sendo que das restantes, 66% estavam em maturação. Ao  mesmo tempo, das lavouras a serem colhidas, 52% estavam em boas condições, 31% regulares e 17% ruins, repetindo o quadro da semana anterior.

E no Rio Grande do Sul, 94% da safra de verão de milho estava colhida até o dia 06/06, ficando este percentual exatamente dentro da média histórica. (cf. Emater)

Enquanto isso, a Secex indicou que o Brasil exportou 175.306 toneladas de milho na primeira semana de junho, com tal volume representando 16,9% do total exportado em todo o mês de junho do ano passado. A média diária, dos primeiros cinco dias úteis de junho, registrou um recuo de 28,8% em relação a média de junho de 2023.

Por sua vez, a Anec estima que, neste mês de junho, o país deverá exportar 1,05 milhão de toneladas de milhoEnfim, o Imea apontou que a comercialização da safrinha mato-grossense de 2023/24/ teria chegado a 37,4% do total nesta semana, sendo que o preço médio atingiu a R$ 37,92/saco.

Autor/Fonte: CEEMA UNIJUÍ – Prof. Dr. Argemiro Luís Brum – Comentários referentes ao período entre 07/06/2024 e 13/06/2024

FONTE

Autor:CEEMA UNIJUÍ

Site: Prof. Dr. Argemiro Luís Brum

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares