Considerados pragas iniciais da cultura do trigo, os corós podem causar significativa perda de produtividade, principalmente em decorrência da redução do estande de plantas. Dentre as principais espécies, podemos destacar o coró das pastagens (Diloboderus abderus) e o coró do trigo (Phyllophaga triticophaga).

De modo geral os sintomas da ocorrência dos corós são observados em reboleiras, podendo variar de um ano para outro, em função do ciclo da praga e espécies de plantas hospedeiras. Embora não apresente alta eficácia no controle da praga, a rotação de culturas com culturas não hospedeiras dos corós contribui para a redução populacional da praga.

O monitoramento durante os períodos de safra e entressafra é fundamental para determinar o momento de controle da praga, e deve seguir algumas orientações (tabela 1). Por se tratar de uma praga de solo, o controle químico por meio de pulverizações de inseticidas apresenta baixa eficiência. Uma alternativa com eficiência satisfatória é o tratamento de sementes de trigo com inseticidas recomendados para o controle de corós em trigo.

Tabela 1. Monitoramento e critérios para tomada de decisão no controle de corós em trigo.

Fonte: Fundação ABC & Biotrigo Genética (2022)

O tratamento de sementes de trigo com inseticidas colabora significativamente para o controle dos corós nos estádios iniciais do desenvolvimento do trigo, contribuindo para a manutenção do estande de plantas. Logo, além da adoção de boas práticas agrícolas e do monitoramento das áreas de produção, o tratamento de sementes constitui uma importante ferramenta para o manejo dos corós em trigo, sendo indispensável, especialmente se tratando de áreas com histórico de ocorrência da praga.



Confira abaixo os inseticidas registrados para o controle de corós no trigo (via tratamento de sementes).

Tabela 2. Inseticidas para o controle de corós em trigo (tratamento de sementes): coró das pastagens Diloboderus abderus e coró do trigo Phyllophaga triticophaga. Ingrediente ativo, grupo químico, marca comercial, formulação, concentração do ingrediente ativo e inseto-alvo.

Fonte: Fundação ABC & Biotrigo Genética (2022)

Tabela 2. Continuação.

(1) O uso dos inseticidas, além do registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), está sujeito à legislação de cada estado. Para maiores informações sobre os produtos agroquímicos e afins registrados no Mapa consulte http://agrofit.agricultura.gov.br/agrofit (2) FS – Suspensão Concentrada p/ Trat. Sementes; SC – Suspensão Concentrada. Fonte: Agrofit (2021), acesso em 10/09/21. Fonte: Fundação ABC & Biotrigo Genética (2022)

Veja mais: Coró-do-trigo – praga silenciosa de danos expressivos


Referências:

FUNDAÇÃO ABC; BIOTRIGO GENÉTICA. INFORMAÇÕES TÉCNICAS PARA TRIGO E TRITICALE: SAFRA 2022. 14° Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale, 2022. Disponível em: < https://www.conferencebr.com/conteudo/arquivo/informacoes-tecnicas-para-trigo-e-triticale–safra-2022-1649081250.pdf >, acesso em: 08/06/2022.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube)

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.