InícioDestaqueCropLife Brasil lança estudo sobre 25 anos de cultivo de transgênicos

CropLife Brasil lança estudo sobre 25 anos de cultivo de transgênicos

Para entender os avanços e benefícios da biotecnologia, a CropLife Brasil (CLB) realizou um estudo em parceria com a Agroconsult para analisar os efeitos do cultivo de sementes transgênicas nos últimos. Nesta semana, a CLB, em parceria com a Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja (ABRASS) e Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem), ofereceu uma confraternização em Brasília para lançar o estudo chamado “25 anos de transgênicos no campo”. Estavam presentes representantes da indústria e do poder público.

Este ano é muito especial, estamos completando 25 anos de biotecnologia aqui no Brasil. Há 25 anos nós aprovamos a primeira planta transgênica e isso trouxe uma revolução extremamente grande para a nossa agricultura, nosso meio ambiente. Como resultado disso, preparamos um estudo que mostra os resultados econômicos, sociais e ambientais dos trangênicos”, disse Eduardo Leão, presidente da CropLife Brasil, durante o evento.

Entre os presentes, estavam os senadores Zequinha Marinho, Tereza Cristina, Alan Rick e os deputados Alceu Moreira, Sérgio Souza e Pedro Lupion. “Eu fico pensando e lembrando como nós evoluímos, crescemos e embarcamos em tecnologia em tão pouco tempo. Nós começamos lá atrás a falar sobre transgênicos, fomos vencendo todos os desafios e hoje nós somos o que somos por conta da tecnologia”, disse a senadora Tereza Cristina.

O estudo tem como marco a safra de 2022/2023 de grãos, que marca os 25 anos da primeira aprovação de um cultivo de transgênicos no Brasil. Atualmente, o Brasil cultiva aproximadamente 56,9 milhões de hectares de lavouras transgênicas, considerando as culturas de soja, milho, algodão, feijão e cana-de-açúcar. Isso coloca o país na segunda posição no ranking de países que mais adotam organismos geneticamente modificados (OGM), ou transgênicos, nas lavouras.

O estudo observou que esse aumento de cultivo de transgênicos gerou um grande aumento de produção com a mínima expansão da área cultivada. No caso da soja, a partir da introdução da transgenia, enquanto a produção aumentou quase 300%, a área cresceu apenas 170%. Para o milho, a produção aumenta 75% e a área 18%. No algodão a produção é incrementada em 23% e a área somente em 7,5%.

Em relação aos ganhos de produtividade, as sementes transgênicas foram responsáveis por um volume de produção adicional de 112,3 milhões de toneladas de grãos, sendo 17,5 milhões de toneladas de soja, 93,5 milhões de toneladas de milho e 1,2 milhão de toneladas de algodão.

Esse ganho de produtividade e contenção da área cultivada provocou a economia de área plantada em 21,4 milhões de hectares entre 1998 e 2022/23. Isso equivale ao dobro do total da área de soja plantada no estado de Mato Grosso em 2020.

O aumento na produtividade também desencadeou em uma geração de receita adicional de R$ 143,5 bilhões para o setor agrícola ao longo dos últimos 25 anos. Pensando na economia nacional, a transgenia nessas culturas injetou um valor adicional de R$ 295,7 bilhões na economia e impactou o Produto Interno Bruto (PIB) em R$ 28,4 bilhões. Em receita de impostos, os resultados obtidos pelo uso da biotecnologia causaram um aumento de R$ 6,1 bilhões. Em exportações, estima-se que o volume produzido de soja, milho e algodão representou 39,6 milhões de toneladas a mais e gerou reservas próximas de US$ 20,6 bilhões. Além da criação de 196.853 postos de trabalho, o que correspondeu a R$ 14 bilhões pagos em salários

Outro fator da biotecnologia foi a produção de sementes mais resistentes a pragas e doenças, o que acarretou em uma diminuição no uso de defensivos químicos. Ao todo, o estudo apresentou que nos últimos 25 anos, houve redução na dosagem aplicada de defensivos (incluindo adjuvantes relacionados) de 35,0% para soja, de 16,2% para milho verão, de 16,4% para milho inverno e de 27,5% para algodão. No total, o cultivo de plantas transgênicas contribuiu para redução da utilização de 1.597 mil toneladas de defensivos, o que corresponde à exclusão do ambiente de 808 mil toneladas de princípios ativos distintos usados para o controle de pragas-alvo da tecnologia.

O cultivo de transgênicos também colaborou para uma menor utilização de recursos renováveis e não renováveis. A economia de combustível foi estimada em 565 milhões de litros e de 10,4 bilhões de litros de água nos cultivos transgênicos quando comparados aos convencionais, no período de apenas quatro anos.

Os fatores citados acima ajudaram na redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE) chega a 70,4 milhões de toneladas de CO2, o que equivale ao plantio de 504 milhões de árvores nativas.

Parlamentares presentes

Estavam presentes no evento os deputados João Medeiros, Diego Garcia, Sérgio Souza, Pedro Lupion, Coronel Fernanda, Abílio Santana, Alceu Moreira e Sérgio Souza, e os senadores Zequinha Marinho, Tereza Cristina, Margareth Buzzeti e Alan Rick. O Secretário de Defesa Agropecuária, Carlos Gourlat, também participou da confraternização.
Fonte: CropLife Brasil
Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares