Fungicidas multissítios são aliados do produtor

O conceito de multissítios relaciona-se com o mecanismo de ação dos fungicidas. Por conseguinte, o mecanismo de ação tem relação com a forma pela qual o fungicida consegue matar o fungo. Nesse sentido, temos dois grandes grupos de fungicidas, de um lado aqueles que possuem ação em sítios-específicos, e de outro, aqueles com ação em multissítios.

Confira o texto na íntegra clicando aqui.


Impactos da compactação, descompactação e rotação de culturas no Sistema de Plantio Direto

O aumento do nível de compactação dos solos, acima de limites tolerados pelas plantas, tem sido considerado uma das principais causas de perdas de produtividades agrícolas. Em termos de limitações físicas ao crescimento radicular, o estresse hídrico (pouca disponibilidade de água), a hipóxia ou anoxia (pouca quantidade ou ausência de oxigênio) e o impedimento mecânico (solo muito duro para penetração radicular) são considerados as principais causas de limitações dos solos ao crescimento e ao desenvolvimento radicular.

Confira o texto na íntegra clicando aqui.



Matéria orgânica no solo: importância, manejo e construção

Sua participação no sistema produtivo vai mais além, a matéria orgânica do solo atua como agente cimentante na formação de agregados do solo, no controle da temperatura do solo, na evaporação de água  nas camadas superficiais e fertilidade do solo,  sendo parâmetro base para a recomendação da adubação nitrogenada em culturas que não realizam a fixação biológica de nitrogênio.

Confira o texto na íntegra clicando aqui.


Controle de plantas daninhas na cultura do feijoeiro

A cultura do feijão não tolera plantas daninhas no início do desenvolvimento da cultura, até os 30 dias após a sua emergência (30 DAE). Assim, geralmente apenas uma intervenção na pós-emergência da cultura, já é suficiente para não reduzir a produtividade. Isso vale, se, a cultura foi semeada no limpo, após uma boa dessecação.

Confira o texto na íntegra clicando aqui.


Formulação de herbicidas: calda x veículo

A calda que preparamos para aplicação é composta pelo nosso ingrediente ativo, ou seja, o produto que vamos aplicar, e pelo agente que vai levar este produto até o alvo (planta ou solo), este agente geralmente é a água.

Primeiramente vamos entender o que são os termos calda e veículo.

Veículo é o material inerte em que foi inserido o princípio ativo do herbicida.

A calda é a mistura do herbicida (ingrediente ativo + veículo), com um diluente, que no geral é água, óleo ou algum fertilizante líquido.

A água é o diluente mais utilizado, pois é o mais barato e a na maior parte das vezes os herbicidas são diluídos em água.

Confira o texto na íntegra clicando aqui.


Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.