Segundo o Ministério de Agricultura da França, a criação de valor em torno da agricultura sem glifosato é a condição para uma transformação duradoura e sustentável do sistema de produção e requer medidas ambiciosas e concretas.

É por isso que os senadores aprovaram no sábado, 05 de dezembro, a constituição de um crédito fiscal provisório no valor de 2.500 euros, cerca de R$ 15.000,00, para apoiar agricultores que que declarem em 2021 e / ou 2022 que deixaram de utilizar glifosato, além de outros créditos tributários para a agricultura orgânica. Este crédito destina-se aos setores mais impactados economicamente pelo uso do herbicida, como as culturas permanentes (viticultura, arboricultura) e de grãos.

Além deste crédito fiscal, o Estado vai investir mais 80 milhões de euros para complementar o prémio de conversão de equipamentos agrícolas previsto no plano de recuperação, agora dotado de 215 milhões de euros na sua totalidade.

O desafio é, de fato, implantar mecanismos para compensar os custos induzidos pelo não uso do glifosato para os agricultores, porque hoje, um agricultor que investe para eliminar o glifosato não se beneficia da criação de valor imediata: o preço as vendas da produção permanecem inalteradas, a menos que se converta para orgânico.

Para Julien Denormandie, Ministro da Agricultura e Alimentação, “a criação deste crédito fiscal e a liberação de uma verba adicional de 80 milhões de euros para a conversão de equipamentos agrícolas são fruto de uma vontade forte do Governo para apoiar os agricultores. Qualquer transição tem um custo e, portanto, deve ser financiada ” .



Fonte: Adaptado de Ministério Francês da Agricultura e Alimentação

Texto originalmente publicado em:
Ministério Francês da Agricultura e Alimentação
Autor: Ministério Francês da Agricultura e Alimentação

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.