Invasões biológicas ocorrem quando uma espécie é transportada para outras áreas, ocupando um espaço fora da sua região de origem. As invasões biológicas de insetos-praga na agricultura ocorrem principalmente devido às mudanças climáticas, com ou sem intermédio humano. Identificar os locais onde uma possível invasão biológica possa ocorrer é de grande importância, principalmente para definir estratégias de manejo eficazes. Um exemplo característico de invasão na agricultura é a Helicoverpa armigera (Lepidoptera: Noctuidae), uma espécie altamente destrutiva que causou enorme prejuízo econômico. A espécie foi detectada pela primeira vez no Brasil no ano de 2013, e seu impacto naquela safra foi estimado em 0,8 bilhões de dólares (BUENO; SOSA-GOMÉZ, 2014).

Em 2015, insetos morfologicamente semelhantes à espécie Helicoverpa punctigera (Lepidoptera: Noctuidae) foram encontrados no Ceará, gerando grande preocupação aos agricultores e deixando o país em alerta quanto ao risco do estabelecimento de H. punctigera no Brasil. Trata-se de uma lagarta altamente polífaga, atacando mais de 100 espécies de plantas de 24 famílias diferentes, inclusive diversas culturas de interesse econômico na Austrália. Em culturas como algodão e feijão mungu, o inseto infesta as estruturas reprodutivas assim que eclode. Atualmente a espécie está geograficamente restrita à Oceania; porém, o cenário futuro tende a mudar com o aumento do comércio global e mudanças climáticas.

Ausência de manchas claras nas asas inferiores é uma das características diferenciadoras de H. punctigera

Ausência de manchas claras nas asas inferiores é uma das características diferenciadoras de H. punctigera (Fonte: Pastori e Oliveira  – disponível na Revista Cultivar)

Através do software CLIMEX, Oliveira et al. (2021) calcularam a distribuição potencial de H. punctigera sob clima atual e futuro. Em escala global, as condições climáticas são favoráveis para H. punctigera em grande parte dos trópicos e subtrópicos, com exceção de áreas desérticas. Com a agricultura irrigada, partes da América do Sul, África Subsaariana, sudeste dos Estados Unidos, Madagascar, Índia e maior parte das ilhas do Pacífico apresentam condições adequadas para que H. punctigera se estabeleça e migre para outras regiões (Figura 1).

Na América do Sul, as áreas ideais para H. punctigera no clima atual estão restritas aos locais fora da Bacia Amazônica, principalmente ao longo da costa leste do continente, nordeste do Brasil, nordeste da Argentina e interior do Paraguai. Pode-se observar na figura as áreas em vermelho, altamente favoráveis ao desenvolvimento do inseto. O índice de crescimento anual de H. punctigera mostra que a maioria dos países da América do Sul possui condições climáticas altamente adequadas para o inseto se estabelecer, pelo menos sazonalmente.

A distribuição de H. punctigera em outras regiões estará relacionada à presença de plantas hospedeiras alternativas e curto período de geração, que caracteriza uma notável habilidade migratória.

Figura 1: Adequação climática para Helicoverpa punctigera.

Fonte: OLIVEIRA et al. 2021. O índice ecoclimático (EI) mostra as áreas favoráveis ao desenvolvimento do inseto (variando do amarelo ao vermelho), enquanto o índice de crescimento (GI) indica regiões com potencial para sustentar um crescimento populacional da espécie. As pontuações representam a ocorrência natural do inseto.

Os autores sugerem que as possíveis vias de introdução do inseto em diferentes países incluem comércio internacional, entrada de material infestado com ovos e/ou larvas ou até mesmo pela migração dos insetos adultos, que podem voar por longas distâncias. Caso ocorra a introdução do inseto na América do Sul, é provável que este se estabeleça com sucesso de forma semelhante à H. armigera, já que a biologia de ambas as espécies é semelhante.

Elaboração do texto: Lucas Boeni, Mestrando PPGAgro – UFSM

Revisão: Henrique Pozebon, Doutorando PPGAgro – UFSM e Prof. Jonas Arnemann, PhD. e Coordenador do Grupo de Manejo e Genética de Pragas – UFSM



REFERÊNCIAS:

BUENO A. F.; SOSA-GOMÉZ, D. R. The Old World bollworm in the Neotropical region: the experience of Brazilian growers with Helicoverpa armigera. Outlooks Pest Manag., n. 25, p. 1–4, 2014.

OLIVEIRA, Ruan C. de M. et al. Current and future potential distributions of Helicoverpa punctigera (Lepidoptera: Noctuidae): is this the next FAW?. Bulletin of Entomological Research, p. 1-12, 2021.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.