Estado de resistência a herbicidas

Existem sete gramíneas de verão com resistência a herbicidas na Argentina (Confira aqui ). Nestas espécies, existem bióticos resistentes ao glifosato, mas também alguns com resistência ao inibidores de ACCase (FOP e / ou DIM), outros inibidores da ALS e outros com resistência múltipla a dois desses mecanismos de ação. Os mais abundantes são Eleusine indica RG (RG – resistente ao Glifosato) , Echinochloa colona RG e Soghum halepense RG, com 9, 8 e 6 milhões de hectares afetados, respectivamente.

No entanto, existem outras espécies que ainda não apresentam resistência, mas que, devido à tolerância a alguns herbicidas amplamente utilizados ou devido a algumas características de sua biologia, estão presentes em uma grande área e devem ser levadas em consideração nos esquemas de manejo.

Entre os mais importantes estão: Chlorideas (inclui várias espécies dos gêneros Chloris, Trichloris e Eustrachys), Digitaria sanguinalis (Quaresma), Urochloa platyphyla (ex Brachiaria, Pasto Bandera), Pappophorum spp., Leptochloa filiformis (Pasto moro), Eragrostis spp.


Curvas de Dinâmica de Emergência

Conhecer os momentos em que as ervas daninhas nascem é essencial para planejar uma estratégia de gerenciamento. Em termos gerais, as emergências começam com o aumento da temperatura no final do inverno, desde que haja disponibilidade de água para as sementes germinarem (Figura 1). Obviamente, há uma grande variação entre as zonas em relação a quando essas condições são atendidas, mas elas também influenciam a safra anterior, o nível de cobertura do lote, etc.

Figura 1: Dinâmica de emergência de diferentes gramíneas

Para as ervas daninhas perenes ( Sorghum halepense, Digitaria insularis, Trichloris, Cynodon hirsutus, Pappophorum, Eragrostis ), também deve ser considerada a data de início dos rebrotamentos de suas estruturas de reserva, o que geralmente ocorre antes do início das emergências o que obriga o produtor a fazer tratamentos com herbicidas que os controlam.

Controle cultural

A cobertura do solo é uma ajuda importante no adiamento das primeiras emergências de plantas daninhas. Isso pode ser obtido com:

  • Palhada abundante
  • Culturas de serviço ( na argentina culturas de cobertura são chamadas de cultura de serviços, pois prestam um serviço ao agricultor)
  • Cultivos de inverno

O cultivo das culturas de verão também deve ser planejado com a concorrência precoce que pode gerar nas ervas daninhas, a fim de intervir com menos frequência com os herbicidas. Isso é alcançado com:

  • Sementes de alto vigor
  • Híbridos / variedades de alta capacidade competitiva
  • População de plantas ajustada, que permite um rápido fechamento.

Um manejo mecânico, usado principalmente no norte do país em espécies perenes, é o rolo faca na primavera após os primeiros rebrotamentos para reduzir a biomassa, em grande parte seca, e alcançar um melhor controle com os herbicidas usados ​​posteriormente.

Banco de dispersão e sementes

Algo a considerar a esse respeito é a coloração das primeiras plantas daninhas vistas nos lotes. É uma prática muito eficaz e econômica e pode ser feita com enxada, pulverizador costal ou com aplicações específicas (Weed-it, Weed seeker) se você tiver essa tecnologia.

A limpeza de colheitadeiras ao entrar em lotes limpos é outra prática recomendada, em espécies que não possuem dispersão pelo vento, portanto não seria eficaz em Chlorideas, D. insularis ou Pappophorum spp.

Controle químico

Existem tantos identificadores possíveis quanto lotes, mas alguns esquemas básicos podem ser considerados. Podemos distinguir três momentos claros para o controle dessas espécies, o controle pós-emergente das ervas daninhas no pousio, o controle com herbicidas residuais no pousio e controle pré-emergente nas culturas de verão.

1 – Controle de plantas emergidas durante o pousio

A maior dificuldade surge na região norte, onde esse período é mais longo, desde o rebrotamento de agosto ou setembro até a semeadura de soja e milho entre dezembro e janeiro, há entre 3 e 4 meses.

Para o controle de plantas já nascidas, podemos citar: graminicidas “fop e dim”, glufosinato de amônio, Paraquat, MSMA e ALS como Nicosulfuron, Imazetapir, Imazapir, Imazapic e suas misturas.

 Há uma grande interação entre ativos e ervas daninhas, o que significa que para cada erva daninha existem alguns ativos mais eficazes que outros. Também é necessário considerar o tamanho da erva, existem ativos que toleram tamanhos maiores e outros que são muito exigentes em seu escasso desenvolvimento (Paraquat, Glufosinato de Amônio).

A qualidade da aplicação e o pacote de adjuvantes a serem utilizados são de grande importância nessas aplicações, onde, além disso, as condições ambientais geralmente não são ótimas.

Aqui é necessário fazer duas ressalvas: o período de falta de acordo com a cultura a ser semeada e a falta de registro de vários ativos nesse posicionamento.

2 – Controle residual em pousio e semeadura

O posicionamento que se decide dar a esses herbicidas dependerá principalmente da data da semeadura da safra. Em áreas de plantio tardio, como ocorre no norte, será necessário começar a usar herbicidas residuais muito antes da semeadura das culturas de verão, na zona central, pode não ser necessário e aplicado diretamente à pré-emergência ou pré-emergência.

Há uma gama importante de opções, incluindo diferentes sítios de ação (Tabela 1). Como mencionado acima, aqui também para cada erva daninha há alguns produtos mais ativos ativos que outros. A mistura de 2 ou mais ativos leva a maior eficiência por períodos mais longos de residualidade.

Tabela 1. Herbicidas com efeito residual para controle de gramíneas em soja e milho

3 – Controle em pós-emergência das culturas

O uso de herbicidas residuais no pré-plantio ou pré-emergência é fundamental para reduzir a probabilidade de necessidade de tratamentos pós-emergentes. Caso seja necessário, o uso de resíduos anteriormente fará com que as pós-emergências funcionem em populações menores de plantas daninhas e com plantas menores, o que garante maior eficiência de controle. Aqui as opções são mais limitadas (tabela 2).

Tabela 2. Herbicidas pós-emergentes de gramíneas em soja e milho 

A qualidade da aplicação é novamente a chave nesses tratamentos e também é preciso tomar cuidado para escolher os adjuvantes apropriados para não gerar fitotoxicidade na cultura.

Como mencionado anteriormente, o plantio de culturas em esquemas mais competitivos pode resultar em menor necessidade desses tratamentos pós-emergentes, onde os tratamentos residuais são suficientes para chegar limpo ao fechamento do sulco.

Controles outonais

Após a colheita das culturas de verão, novos brotos e nascimentos geralmente ocorrem. Claramente, isso não significa perda de rendimento, mas eles contribuem para aumentar os bancos de sementes de plantas daninhas.

Esse momento é ainda mais importante para o controle de ervas daninhas perenes. A aplicação de herbicidas sistêmicos nos arbustos, assimiladas às suas estruturas de reserva, produz uma redução acentuada delas, o que dificilmente pode ser alcançado na primavera. Além disso, as condições de aplicação são geralmente melhores no outono do que na primavera (umidade, temperatura, vento).

Aplicações seletivas estão sendo usadas com grande eficiência nessas posições, possibilitando o uso de herbicidas caros, mas com grande economia de produto, o que resulta em um baixo custo por hectare. Essa tecnologia também é muito útil em tratamentos de primavera, com os primeiros rebrotamentos.

Por fim, mencionamos que para retardar a evolução da resistência é essencial rotacionar e misturar herbicidas de diferentes locais de ação nos diferentes tratamentos realizados na campanha e entre as campanhas. Claramente, a rotação de culturas facilita essa rotação de ativos.



Bibliografia:

  • Acciaresi e Principiano, 2019. Controle químico de plantas daninhas resistentes ou tolerantes predominantes em culturas extensivas do NOE da província de Buenos Aires. Soja
  • Acciaresi e Principiano, 2019. Controle químico de plantas daninhas resistentes ou tolerantes predominantes em culturas extensivas do NOE da província de Buenos Aires. Milho
  • Leguizamón e Lovato Echeverría, 2014. Gerenciamento de plantas daninhas problemáticas. Digitaria sanguinalis e outras gramíneas anuais. REM-Aapresid.
  • Leguizamón, 2012. Gerenciamento de plantas daninhas problemáticas. Sorgo de Alepo. REM-Aapresid.
  • Oreja y de la Fuente, 2012. Grama emprestada: efeito do tipo de cobertura do solo e presença de cultivo de soja no surgimento de mudas. Revista Técnica Soya Aapresid
  • REM 2019. Alertas de resistência http://www.aapresid.org.ar/rem/alertas/
  • REM, 2019. ABC. http://www.aapresid.org.ar/rem/el-abc-de-rem/
  • REM, 2019. Dinâmica de emergência http://www.aapresid.org.ar/rem-malezas/emergencias

Transferências

Fonte: Aapresid
Texto originalmente publicado em:
Aapresid
Autor: Aapresid Rem

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.