Os parâmetros sobre doses de calcário agrícola precisam de revisão. Estudos realizados por pesquisadores apontam que parte das ações envolve quantidades menores do que as realmente necessárias para a correção da acidez do solo.

A conclusão vem de parcerias realizadas pelo Sindicato das Indústrias de Extração do Calcário de Mato Grosso (Sinecal-MT) com grupos de pesquisa. Kassiano Riedi, presidente do sindicato, cita a ampliação dos resultados de produtividade a partir das novas recomendações.

O estado consome perto de 10 milhões anuais do corretivo. Durante entrevista, Riedi lembrou dos excelentes números vindos de propriedades agrícolas onde a aplicação do calcário já faz parte das práticas básicas.

Clique aqui e veja a entrevista.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abracal

Texto originalmente publicado em:
Abracal
Autor: Abracal

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.