Hoje vamos dar continuidade aos textos sobre métodos de controle de plantas daninhas.

Sabemos que o manejo integrado de plantas daninhas (MIPD) é muito mais do que somente rotacionar herbicidas e mecanismos de ação.

O MIPD deve envolver outros métodos para manejar as plantas daninhas presentes na sua área.

Fonte: Manejo integrado de plantas daninhas.

Hoje, são 6 os métodos de controle para plantas daninhas:

  • preventivo;
  • cultural;
  • mecânico;
  • físico;
  • biológico;
  • químico.

Já falamos sobre o manejo preventivo de plantas daninhas, no texto de hoje vamos falar sobre o método de controle cultural.

Manejo integrado de plantas daninhas em cana-de-açúcar.

Fonte: Basf.

O que é manejo cultural de plantas daninhas?

O controle cultural tem como objetivo fazer com que a cultura manifeste seu máximo potencial produtivo;

Todos os manejos que favoreçam a cultura em detrimento das plantas daninhas pode ser considerado um controle cultural.

Dentre os principais manejo deste tipo de controle temos:

  • preparo físico e químico do solo;
  • rotação de culturas;
  • consórcio de culturas;
  • cultivares adaptadas para a região de plantio;
  • época correta de semeadura;
  • cobertura da superfície do solo; 
  • irrigação;
  • manejo de pragas e doenças.

Manejo integrado de plantas daninhas. Fonte: Gazziero.

Plantar a cultura na época correta, na densidade e espaçamento corretos ajuda a cultura germinar e se estabelecer de forma mais rápida, o que reduz a competição com as plantas daninhas no início do desenvolvimento.

A rotação de culturas faz com que outros manejos sejam adotados de acordo com a cultura estabelecida. São outros manejos de pragas, doenças e plantas daninhas, o que auxilia na redução do banco de sementes.

A manutenção da cobertura do solo com palha pode reduz a emergência de plantas daninhas de sementes pequenas e que precisam de luz para germinar.

Para aqueles que não adotam o plantio direto, o revolvimento do solo que é feito no plantio convencional estimula a quebra de dormência das sementes, ou ainda expõe as sementes à superfície.

O preparo químico mantém o equilíbrio do solo, algumas plantas daninhas são favorecidas por solos ácidos e de baixa fertilidade.

Espécies como assa-peixe, capim-barba-de-bode, capim-favorito e guanxuma são favorecidas por solos ácidos.

Viu como é fácil fazer o manejo cultural de plantas daninhas? Muitas vezes nós fazemos e não nos damos conta. Mas agora que você conhece mais esta opção que tal dar mais atenção à este manejo?

Conclusão

No texto de hoje lembramos um pouco mais sobre os métodos de controle de plantas daninhas, vimos também como utilizar o método cultural.

O manejo integrado de plantas daninhas deve envolver vários métodos de controle, este é um meio de prevenir a seleção de biótipos de plantas daninhas resistentes à herbicidas.

Lembre-se sempre que temos os métodos preventivos, culturais, mecânicos, físicos, biológicos e químicos, quanto mais métodos utilizar mais fácil fica o manejo, mas para isso você precisa conhecer as plantas daninhas presentes na sua área, pois só assim você saberá quais os melhores métodos de controle.

Gostou das dicas? Tem mais dicas sobre limpeza de tanques de pulverização? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Girardeli é Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar) e Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ). Atualmente está cursando MBA em Agronegócios.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.