Sem dúvidas, o vigor de sementes é um dos parâmetros mais importantes e, juntamente a germinação são fundamentais para determinar a qualidade da semente.

Mas a final o que é o vigor de sementes?

A germinação de sementes é compreendida como a capacidade da semente em germinar, formando uma plântula normal em condições ótimas de ambiente. Já o vigor, está relacionado com a capacidade das sementes em germinar e produzir uma plântula normal em uma ampla faixa de condições, não necessariamente sendo as condições ideais para a germinação.

Segundo KRZYZANOWSKI & FRANÇA-NETO (2001), o vigor está relacionado com a deterioração das sementes, sendo que são inversamente proporcionais, a deterioração por sua vez pode ser entendida como a perda da capacidade da semente em produzir uma plântula normal, quanto maior o vigor da semente menor sua deterioração e vice-versa.

Mas para que serve o vigor é importante?

O vigor de sementes é um dos parâmetros avaliados para atestar a qualidade das sementes. Há vários conceitos para vigor de sementes, mas de modo geral, todos estão ligados a deterioração das sementes. Pode-se dizer, simplificadamente, que o vigor representa a velocidade de emergência e a uniformidade da emergência das plântulas.

Tendo em vista que o teste de germinação atesta a porcentagem de sementes de um lote com capacidade em germinar e produzir plântulas normais em condições ótimas para o processo germinativo, somente o teste de germinação não é o melhor parâmetro para determinar a escolha de um lote de sementes. Isso por que em condições de campo, nem sempre as condições ambientais ofertadas são as melhores condições para o processo de germinação e emergência de plântulas.

O processo de semeadura de uma lavoura é uma das principais práticas de manejo, o uso de sementes de qualidade assegura uma matéria-prima de qualidade na implantação da lavoura, garantindo o bom estabelecimento de plantas e com isso a uniformidade de estande. Segundo informações da EMBRAPA (2010), em estudo avaliando sementes de alto e médio vigor, de mesma cultivar de soja e utilizando a mesma população de plantas, as sementes que apresentaram alto vigor produziram 10,3%  a mais que as sementes de médio vigor, também foi verificado que para cada planta a menos por m² na população original da lavoura de soja, pode acarretar em uma perda de produtividade de 180 a 240 Kg.ha-1.


Veja também: Vigor de sementes x Produtividade de Soja 


Logo, conhecer o vigor de sementes pode auxiliar na escolha do lote a ser utilizado para semeadura, diminuindo perdas iniciais por desuniformidade de estande de plantas, auxiliar em estratégias de armazenamento bem como tempo de armazenagem, servir como parâmetro para avaliação da qualidade das sementes e como estratégia de venda (monitoramento da deterioração das sementes). É importante que a nível de campo, sempre tente-se optar por sementes com maiores valores de emergência e vigor, diminuindo perdas de produtividade decorrentes do mau estabelecimento de plantas, lembrando que o vigor de sementes é inversamente proporcional à deterioração das sementes, com isso, sementes com maior vigo apresentam menor deterioração e possivelmente maior velocidade e uniformidade de germinação.

Vale ressaltar que o maior valor de vigor que se pode obter em um lote de sementes é o valor correspondente à germinação das sementes (teste de germinação), sendo impossível uma semente apresentar maior vigor do que germinação. 

Como avaliar o vigor?

Ainda não há testes padronizados para a determinação do vigor de sementes em toda as culturas, vários testes são conhecidos, contudo alguns apresentam melhores resultados em comparação a outros para uma mesma cultura. Os testes de vigor podem ser realizados em ambientes internos (laboratórios) e ambientes Externos (a nível de campo).

Segundo OLIVEIRA et. al, (2009), os testes mais utilizados  para a avaliação do vigor de sementes a nível de laboratório são os testes de  velocidade de germinação, o qual pode ser realizado em conjunto com o teste de germinação ao realizar a primeira contagem de plântulas germinadas; o comprimento de plântula, onde avalia-se o comprimento das plântulas germinadas e as plantas que apresentarem valores superiores aos valores médios são consideradas  mais vigorosas (figura 1); e o teste de classificação do vigor de plantas, onde são avaliadas as plantas normais fortes, normais fracas e anormais  com base na classificação da Regra de Análise de Sementes (RAS) para a cultura desejada.

Figura 1. Classificação do vigor de sementes com base no comprimento das plântulas.

Foto: Prof. D.Sc. Rogério Luiz Backes.

Já com relação aos testes de vigor realizados a nível de campo, OLIVEIRA et. al, (2009) coloca os testes de porcentagem de emergência de plântulas e o teste de velocidade de emergência como os mais utilizados.


Veja Também: Produção de Sementes – enriquecimento nutricional


O teste de porcentagem de emergência de plântulas visa quantificar as plantas emergidas, sendo em conjunto com o teste de germinação, um dos testes mais indicados para embasar o calculo da quantidade de sementes a se utilizar no processo de semeadura. O teste de velocidade de emergência parte do mesmo princípio do teste de velocidade de germinação, contudo em condições de campo, sendo que quanto menor o tempo requerido para emergência das plântulas, maior o vigor das sementes.

O vigor é um parâmetro muito importante a ser avaliado na escolha de sementes, porém não é o único, devendo ser analisado de forma conjunta com os demais atributos fisiológicos, sanitários, físicos e genéticos a fim garantir a aquisição e utilização de sementes de qualidade.

Confira a qualidade das sementes Credenz®️ clicando aqui. 

Referências:

BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. REGRAS PARA ANÁLISE DE SEMENTES / MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Secretaria de Defesa Agropecuária, Brasília, 399p., 2009.

KRZYZANOWSKI, A. C.; FRANÇA-NETO, J. B., Vigor de Sementes. Informativo ABRATES, v.11, n.3, dez., 2001.

OLIVEIRA et. al, TESTE DE VIGOR EM SEMENTES BASEADOS NO DESEMPENHO DE PLÂNTULAS. Revista Científica Internacional, n.4, jan., 2009.

Redação: Maurício Siqueira dos Santos – Eng. Agrônomo.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.