O experimento foi conduzido na unidade de pesquisa e tecnologia da CCGL – Cooperativa Central Gaúcha Ltda., no município de Cruz Alta, RS. Para o estudo, foram selecionadas 70 amostras de sementes, as quais foram previamente submetidas a análise de germinação e vigor (envelhecimento acelerado), seguindo metodologia oficial (RAS – Regras para Análise de sementes 2009). As amostras selecionadas apresentaram variação de 56 a 96% para germinação e de 19 a 92% para o vigor (Figura 1). Para uma mesma amostra, as diferenças entre germinação e vigor variaram de 0 até 38% (Figura 1).

Figura 1. Resultados das análises de germinação e vigor nas 70 amostras de sementes de soja utilizadas no estudo. Lado a lado e para uma mesma amostra, barras pretas representam a germinação e barras vermelhas representam o vigor. CCGL – Cooperativa
Central Gaúcha Ltda. Cruz Alta, RS.

Antecedendo a semeadura, realizada em 04 de  dezembro de 2018, as sementes de todas as amostras foram tratadas com fungicida + inseticida e inoculadas com Bradyrhizobium japonicum. Cerca de 10 dias após a semeadura, foram contabilizados 90mm de chuva na área experimental, resultando em uma condição adversa para o estabelecimento inicial da cultura.

Esta condição foi similar às observadas durante a 2ª quinzena de outubro e a 1ª quinzena de novembro de 2018 em diversas regiões do RS e que resultou em prejuízos ao estabelecimento das lavouras. Por outro lado, a condição adversa colaborou para que fossem evidenciados os contrastes relacionados à qualidade das sementes – especialmente quanto ao vigor. Mesmo que este fator já venha sendo considerado por alguns produtores, pouco se sabe sobre a sua relação com a produtividade final da cultura, especialmente quando são enfrentadas condições adversas para o estabelecimento das lavouras.

Ao longo do ciclo da cultura, foram realizadas avaliações quanto à população de plantas e à taxa de cobertura do solo. Acolheita foi realizada entre 10 e 15 de abril de 2019 e a produtividade (kg haˉ¹) ajustada para 13% de umidade.



Resultados

Na figura 2, são apresentados os resultados obtidos em 6 das 70 amostras cultivadas. Estas amostras selecionadas representam uma visão geral do experimento, uma vez que são contempladas amostras com qualidade ótima, regular e insatisfatória, quanto à germinação e vigor.

Os resultados evidenciaram que mesmo enfrentando condições adversas (elevada precipitação após a semeadura), sementes de qualidade superior resultaram em um estande de plantas adequado. Por outro lado, amostras com percentual de germinação satisfatório, porém com baixo percentual de vigor, resultaram em perdas significativas de estande (Figura 2).

Amostras com 57, 48 e 19% de vigor, por exemplo, resultaram em uma população de plantas de 75, 60 e 30 mil plantas haˉ¹, quando o objetivo inicial era de um estande superior a 300 mil plantas haˉ¹ (Figura 2). Uma constatação importante evidenciada é que o teste de vigor deve passar a merecer maior atenção, uma vez que sob condições adversas, expressou com maior fidedignidade os resultados posteriormente observados a campo.

Figura 2. População de plantas e taxa de cobertura do solo observados entre os estádios V3 e V4 (segunda e terceira folha trifoliolada completamente desenvolvida, respectivamente) obtidas em amostras com contrastantes percentuais de germinação e vigor.

No que diz respeito à produtividade final, nas condições em que estudo foi conduzido, os resultados evidenciaram que para cada percentual de vigor reduzido, deixaram de ser acrescidos cerca de 24 kg haˉ¹ sobre a produtividade final, ou seja, cerca de um saco de soja (60kg) para cada 2,5% de vigor (Figura 3). Em resumo, entre uma lavoura cultivada com sementes com 90% de vigor e outra com 70% de vigor poderão ser deixados de colher, apenas em virtude da qualidade das sementes, aproximadamente 480 kg haˉ¹ ou 8 sacos de soja por hectare (Figura 3).

Figura 3. Relação entre a produtividade de grãos na cultura da soja (kg haˉ¹) e o vigor de sementes (%) obtida a partir de 70 amostras cultivadas na safra 2018/2019. CCGL – Cooperativa Central Gaúcha Ltda, Cruz Alta, RS.

Considerações finais 

Conhecer a semente que está sendo depositada no solo é essencial para uma lavoura de sucesso. As constatações deste estudo reforçam que a análise das sementes é peça chave no processo produtivo. Da mesma forma, o tipo e qualidade da análise também são importantes.

Os resultados revelaram a necessidade de um olhar mais criterioso para o vigor das sementes, uma vez que o teste é capaz de fornecer informações mais precisas sobre o resultado que será entregue pela semente a campo. Nas condições onde o estudo foi conduzido, para cada 10% de redução no vigor, deixaram de ser acrescidos 240 kg haˉ¹ de soja (4 sacos haˉ¹) sobre a produtividade final.

Autores: 

Geomar Mateus Corassa – Engº Agrº, Doutor em Engenharia Agrícola Coordenador de pesquisas da CCGL 

Gilmar Seidel – Téc. em Agropecuária Encarregado de pesquisa e lavoura da CCGL

Fonte: CCGL Tec

Texto originalmente publicado em:
CCGL Tec
Autor: CCGL Tec

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.