Os agricultores sabem que perdem nas colheitas para pragas e doenças de plantas, mas cientistas descobriram que em escala global as perdas ocorrentes estão reduzindo as safras em 10% a 40%, segundo um relatório de um cientista da UC Agriculture and Natural Resources, onde as culturas mais afetadas são trigo, arroz, milho, soja e batata.

Em escala global, patógenos e pragas estão causando perdas: arroz de 25 a 41 %, milho perdas de 20 a 41 %, batata perdas de 8 a 21 % e perdas de soja 11 a 32 %, de acordo com o estudo , publicado na revista Nature, Ecology & Evolution .

Vírus e viróides, bactérias, fungos e oomicetos, nematóides, artrópodes, moluscos, vertebrados e plantas daninhas estão entre os fatores que atuam contra os agricultores.

Perda de alimentos

“Estamos perdendo uma quantidade significativa de alimentos em escala global para pragas e doenças, em um momento em que devemos aumentar a produção de alimentos para alimentar uma população crescente”, disse o co-autor Neil McRoberts, co-líder da Sustainable Food Systems Strategic Systems da UC ANR. Iniciativa e pesquisador da Estação Experimental Agrícola e professor do Departamento de Fitopatologia da UC Davis.

Embora as doenças e pragas de plantas sejam amplamente consideradas uma importante causa de perdas de colheitas e, às vezes, uma ameaça ao suprimento de alimentos, é difícil produzir números precisos sobre essas perdas de safra.



“Uma razão é porque os patógenos e as pragas co-evoluíram com as culturas ao longo de milênios nos sistemas agrícolas criados pelo homem”, escrevem os autores no site globalcrophealth.org . “Como resultado, seus efeitos na agricultura são muito difíceis de separar da complexa teia de interações dentro dos sistemas de cultivo. Além disso, o grande número e diversidade de doenças de plantas e pragas faz a quantificação de perdas em uma base individual de patógeno ou praga, para cada uma das muitas culturas cultivadas, uma tarefa assustadora ”.

“Realizamos uma pesquisa global de especialistas em proteção de cultivos sobre os impactos de pragas e doenças de plantas nos rendimentos de cinco das culturas básicas de carboidratos mais importantes do mundo e estamos relatando os resultados”, disse McRoberts. “Esta é uma grande conquista e um verdadeiro passo em frente para poder avaliar com precisão o impacto de pragas e doenças de plantas na produção agrícola”.

Os pesquisadores entrevistaram milhares de especialistas em saúde de culturas em cinco principais culturas de alimentos – trigo, arroz, milho, soja e batata – em 67 países.

“Escolhemos essas cinco culturas, já que juntas elas fornecem cerca de 50% da ingestão global de calorias humanas”, escreveram os autores no site. Os 67 países crescem 84% da produção global de trigo, arroz, milho, soja e batata.

Principais pragas e doenças

O estudo identificou 137 patógenos e pragas individuais que atacam as plantações, com uma variação muito grande na quantidade de perda de safra que causaram. Para o trigo, a ferrugem da folha, a ferrugem de Fusarium, a ferrugem da listra, a mancha parda, o pulgão e o oídio causaram perdas superiores a 1% globalmente. No arroz, a queima da bainha, a broca-do-colmo, a brusone, a mancha marrom, a ferrugem bacteriana causaram o maior dano. No milho, a podridão de Fusarium e Gibberella, lagarta-do-cartucho, ferrugem-do-norte, podridão de antracnose causaram a maior perda global. Nas batatas, a requeima tardia, a podridão parda, a queima precoce e o nematoide dos cistos causaram o maior dano. Em soja, nematoide, mofo branco, ferrugem da soja e Cercospora.

“Pontos de acesso” à segurança alimentar

O estudo estima perdas para doenças de plantas individuais e pragas para essas culturas em todo o mundo, bem como em vários “locais específicos” globais de segurança alimentar. Esses locais específicos são fontes críticas no sistema alimentar global: Noroeste da Europa, planícies do Meio-Oeste dos EUA e O sul do Canadá, o sul do Brasil e a Argentina, as planícies indo-gangéticas do sul da Ásia, as planícies da China, o sudeste da Ásia e a África subsaariana.

“Nossos resultados destacam as diferenças nos impactos entre patógenos e pragas de culturas e entre os pontos críticos de segurança alimentar”, disse McRoberts. “Mas também mostramos que as maiores perdas parecem estar associadas a regiões com déficit alimentar com populações em rápido crescimento e, freqüentemente, com pragas e doenças emergentes ou reemergentes”.

“Para patógenos crônicos e pragas, precisamos redobrar nossos esforços para fornecer ferramentas de gestão mais eficientes e sustentáveis, como variedades resistentes”, disse McRoberts. Para patógenos e pragas emergentes ou reemergentes, ações urgentes são necessárias para contê-las e gerar soluções de longo prazo ”.

O site globalcrophealth.org apresenta mapas mostrando quantas pessoas responderam à pesquisa em diferentes regiões do mundo.

Além de McRoberts, a equipe de pesquisa incluiu o autor Serge Savary, presidente do Comitê ISPP sobre Crop Loss, os epidemiologistas Paul Esker, da Pennsylvania State University, e Sarah Pethybridge, da Cornell University, Laetitia Willocquet, do Instituto Nacional Francês de Pesquisa Agropecuária de Toulouse. França e Andy Nelson na Universidade de Twente, na Holanda.


O texto é de autoria de Pamela Kan-Rice  (Autor – Diretor Assistente, Notícias e Divulgação de Informações) e foi originalmente publicado em University of California, confira na íntegra aqui.


Esta publicação foi traduzida e adaptada à língua portuguesa.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.