As precipitações ocorridas na semana, apesar de volumes e intensidades variadas nas regiões do Estado, favoreceram o desenvolvimento dos cultivos e os avanços no plantio, que alcança 93%.

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Ijuí, a semeadura foi finalizada. Os cultivos se encontram com desenvolvimento adequado. Nos municípios onde a semeadura foi mais tardia, as lavouras apresentam estádios iniciais de desenvolvimento, com aspecto de atraso. Nas demais, o crescimento das plantas foi rápido, com emissão de folhas novas e de tamanho normal. Há áreas pontuais que apresentam enrugamento das folhas, provocado por temperatura mais baixas durante a noite em locais nos quais os solos apresentam elevado teor de manganês. A semana foi de trabalhos intensos na aplicação de herbicidas para o controle de ervas daninhas. Observa-se aumento de áreas com rebrote de buva remanescente das falhas da dessecação e/ou da resistência aos herbicidas utilizados. Em relação ao aspecto fitossanitário, foi constatada a incidência de lagartas do cartucho do milho (Spodoptera frugiperda) atacando plantas recém-emergidas e a falsa-medideira (Pseudoplusia includens) nas cultivares convencionais desprovidas de melhoria genética para o controle – tecnologia Intacta. Produtores se preparam para o controle de doenças com a aquisição de fungicidas e regulagem dos pulverizadores.

Na de Bagé, a semeadura se intensificou durante a semana e se aproxima do final. Estima-se que já tenham sido plantados 95% dos cultivos, do total de 836.550 hectares. A sequência de dias com precipitações acarretou excesso de umidade do solo em determinadas áreas, que serão finalizadas assim que as condições forem ideais. Lavouras plantadas em dezembro apresentam muito bom estabelecimento, com estande de plantas adequado e uniforme. Na Campanha, a maior parte das lavouras semeadas em novembro apresentam estande de plantas desuniforme; o nascimento ocorre a intervalos de até 30 dias, porém com população suficiente de plantas. O ganho de porte das plantas ao longo das últimas semanas é significativo, situação desejável especialmente para as cultivares precoces plantadas em novembro, cuja fase de floração iniciará até o final de dezembro. O uso de fertilizantes foliares é estratégia adotada por alguns produtores para estimular o crescimento nas lavouras de menor porte. Em Hulha Negra, produtores relatam a falta de herbicidas para controle de buva em pós-emergência da soja, situação que pode gerar prejuízos ao potencial produtivo nas lavouras com alta infestação da invasora.

Nas regionais de Erechim e Passo Fundo, as chuvas ocorridas no final de semana (19 e 20) foram boas. Na de Erechim, chegaram a 50 milímetros, proporcionando melhorias nas condições de umidade dos solos e facilitando o plantio que já chega a 95% dos 235 mil hectares previstos para a safra. Na de Passo Fundo, os volumes chegaram em média a 47 milímetros, umidade suficiente para os produtores finalizarem os plantios na região, que totalizam 648 mil hectares. Das lavouras, 10% se encontram em germinação e 90% em desenvolvimento vegetativo.

Na de Frederico Westphalen, a presença de chuvas nas últimas semanas contribui para o avanço do plantio que se encaminha para finalização – 98% da intenção de plantio prevista de 419 mil hectares. Em algumas áreas é observada a presença de tripes e doenças de solo que provocam tombamento de plantas. As lavouras implantadas em novembro apresentaram boa germinação; porém, a irregularidade das chuvas está afetando o desenvolvimento vegetativo, com tendência de as plantas apresentarem tamanho inferior. Produtores realizam o manejo de invasoras nas lavouras de soja já emergidas e monitoram a presença de pragas e doenças, de modo a maximizar a eficiência das pulverizações.

Na de Soledade, a semeadura está sendo finalizada, e as lavouras apresentam germinação/emergência, crescimento e desenvolvimento vegetativo normais. Os bons níveis de umidade do solo proporcionados pelas chuvas periódicas, associados à alta taxa de radiação solar e às temperaturas normais da época, aceleraram o crescimento das lavouras; por conta disso, muitas lavouras estão fechando as entrelinhas, e 5% dos cultivos entraram na fase de florescimento. Produtores realizam tratos culturais de controle de invasoras com herbicidas pós-emergentes e adubação em cobertura com cloreto de potássio. Não há registro de ocorrência de pragas e doenças.

Na regional da Emater/RS-Ascar de Pelotas, produtores aproveitam a umidade do solo para avançar na semeadura, que já chega a 94% da intenção de plantio de 421 mil hectares. Nas áreas semeadas, 92% das lavouras estão em desenvolvimento vegetativo, com bom estande de plantas, e 8% entram em florescimento. Produtores seguem realizando controle de invasoras e aplicações de inseticidas fisiológicos para manejo das lagartas desfolhadoras.

Na de Caxias do Sul, a semeadura foi concluída. As condições favoráveis do tempo – com chuvas frequentes, temperatura moderada e alta taxa de luminosidade – contribuíram para o bom desenvolvimento da cultura, que se encontra em desenvolvimento vegetativo. Não há relatos de ocorrência de pragas. Produtores assistidos pelas equipes técnicas da Emater/RS-Ascar que fazem o manejo integrado de pragas estão iniciando a prática de batidas de pano para o monitoramento de pragas e dos insetos benéficos.

Na de Santa Maria, se aproxima da conclusão a semeadura da área de intenção de plantio de 993.840 hectares. A sequência de dias com chuva tem propiciado a continuidade do plantio, favorecido o desenvolvimento das lavouras já estabelecidas e assegurado boa germinação das semeaduras recentes. As lavouras apresentam bom estande e uniformidade.

Na regional de Porto Alegre, a semeadura chega a 97% da área prevista de 144 mil hectares. A cultura está predominantemente na fase de germinação e desenvolvimento vegetativo, com bom estande de plantas e uniformidade favorecidos pelas condições do tempo. Em 16/12, ocorreu chuva de granizo atingindo parte do município de Mostardas, provocando desfolha das lavouras na região.

Na de Santa Rosa, o plantio já chega a 94% do total previsto de 719 mil hectares. Há expectativa de que em torno de três por cento da área total será semeada em janeiro próximo como safrinha ou cultivo de segunda safra, em especial nos municípios localizados no entorno do microclima do rio Uruguai, como Dr. Mauricio Cardoso, Horizontina, Novo Machado, Porto Mauá e Porto Lucena. Em geral, os cultivos estão em desenvolvimento vegetativo e com boa população de plantas devido às boas condições de umidade do solo nessas últimas semanas. O plantio deve ser finalizado até o Natal. As chuvas ocorridas no sábado (19) proporcionaram condições adequadas para a germinação e ao estabelecimento das lavouras semeadas mais recentemente. Ocorreu tombamento de plântulas em locais mal drenados. Em alguns municípios, há ataque de lagartas, principalmente dos gêneros Spodoptera e Chrysodeixis, com a recomendação da equipe técnica da Emater/RS-Ascar para monitoramento e avaliação do período propício ao controle. Em algumas áreas, foram necessárias pulverizações antecipadas de inseticidas, em especial para controle de cascudinho e tripes. Com as boas condições de umidade do solo e do ar, os produtores também realizaram as pulverizações com herbicida para controle de ervas daninhas.

Mercado (saca de 60 quilos)

No levantamento semanal realizado pela Emater/RS-Ascar no Estado, o preço médio da soja chegou a R$ 133,15, com aumento de 0,14% em relação ao da semana anterior.

Na regional de Ijuí, os preços variaram entre R$ 130,00 e R$ 132,00/sc. de 60 quilos. Produto disponível em Cruz Alta, a R$ 140,00. Na de Erechim, o preço médio é de R$ 140,00; na de Porto Alegre, R$ 138,00; Passo Fundo, R$ 131,00; na de Soledade, a cotação se manteve estável em R$ 133,25; Santa Rosa, o preço da soja chegou em R$ 128,40. Em Caxias do Sul, R$ 132,00; em Pelotas, o preço é de R$ 150,00. Em Frederico Westphalen, varia entre R$ 131,00 e R$ 133,00. Na de Bagé, os preços oscilam entre R$ 125,00 e R$ 159,00. Na regional da Emater/RS-Ascar de Santa Maria, o preço se manteve estável em R$ 131,60/sc.

Fonte: Emater/RS-Ascar – Informativo Conjuntural – nº 1638

Texto originalmente publicado em:
Emater/RS-Ascar
Autor: Informativo Conjuntural - nº 1638

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.