A Buva (Conyza sumatrensis) é uma das principais ervas daninhas do país, espalhando-se por quase toda a área agrícola. A resistência ao glifosato – confirmada há mais de 5 anos – é amplamente distribuída, enquanto a resistência aos inibidores da ALS – confirmada no ano passado em um biótipo do sul de Santa Fé – está em expansão. Há suspeitas dessa resistência em outras áreas, como o sudeste de Santiago del Estero, o sul de Córdoba, Entre Ríos e Buenos Aires.

A resistência aos inibidores da ALS foi confirmada em 2019 por pesquisadores da UNR, que trabalharam com as três famílias de herbicidas pertencentes a este grupo (imidazolinonas, triazolpirimidinas e sulfonilureias) no pós-emergência, ou seja, com ervas daninhas no estado da roseta.

Agora, a equipe formada pelos consultores Alejandro Bagnolo, Eduardo Cortés e Marcos Mitelsky e o pesquisador Ignacio Dellaferrera (CONICET e FCA UNL), trabalham com um biótipo do norte de Buenos Aires e que reconfirmou essa resistência, mas em pré-emergência. A resistência nesta fase é muito preocupante, pois essa prática é amplamente usada para o controle da buva em pousios de inverno, em culturas como trigo e cevada e em soja.

A equipe foi além e, dadas as fugas visualizadas em campo, eles estão trabalhando com outros herbicidas pós-emergentes amplamente utilizados na buva, como o Glifosato , os hormônios 2,4D e Dicamba e o inibidor da PPO, Saflufenacil. Nesses casos, avaliaram que as doses necessárias para controlar 80% da biomassa estavam acima da dose recomendada, encontrando esses ativos à beira da perda de eficácia. Assim, somos confrontados com um novo alerta amarelo de suspeita de resistência para a Rede de Manejo de Pragas (REM). Esses herbicidas são amplamente utilizados para controlar a buva em pousios e – no caso dos hormônios mencionados – mesmo nos cereais de inverno.

Embora ainda seja registrado um bom controle com flumioxazina e terbutilazina (como herbicidas pré-emergentes para uso em trigo) e atrazina (pousio em milho), a possível perda desses valiosos ingredientes ativos reduz bastante as alternativas de controle químico. Outra estratégia possível é a incorporação do golpe duplo (DKD).

Por outro lado, recomenda-se monitorar os lotes com mais frequência após a aplicação desses ativos suspeitos para detectar falhas no controle e poder agir em conformidade, ainda mais naqueles que serão plantados com safras de inverno. No perfilhamento de trigo, o monitoramento deve ser mais ativo e preciso, devido à janela de ação que nos permite controlar fugas ou nascimentos. Se houver suspeita de resistência à ALS e já tiver sido aplicado um resíduo do mesmo mecanismo de ação, não seria recomendável reaplicar um herbicida ALS.

A buva causou muitos problemas aos produtores há alguns anos atrás, mas ao mudar o gerenciamento, foi possível conviver com ela e mantê-la afastada. Com o surgimento da resistência à ALS e a confirmação dessas novas suspeitas, tudo sugere que ela voltará a se posicionar como uma das mais difíceis nos próximos anos.

Fonte: Aapresid

Texto originalmente publicado em:
Aapresid
Autor: Aapresid

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.