As fortes chuvas registradas nas últimas semanas provocaram inundações que colocam em risco as principais atividades produtivas do Chaco. Os técnicos do INTA Las Breñas fornecem diretrizes para reconhecer os sintomas do estresse hídrico nas lavouras.

De acordo com o último relatório do Instituto do Clima e da Água do INTA Castelar, a região da NEA apresentava reservas de água excessivas e as chuvas intensas registradas nas últimas semanas causaram alagamentos e inundações. As chuvas dos últimos meses foram superiores ao normal e colocam em risco as principais atividades produtivas na área.

Neste contexto de excesso de água com perspectivas climáticas de continuidade de chuvas abundantes no nordeste da Argentina, os técnicos do INTA explicam o efeito do evento climático nas plantações de algodão e soja e dão padrões de reconhecimento dos sintomas do estresse hídrico.

De acordo com Gerardo Quintana – Técnico do INTA Las Breñas, Chaco – “As chuvas de janeiro causaram inundações e enchentes de várias áreas da soja, por isso, nesta fase inicial, deve-se estar ciente dos sintomas em plantas eles podem nos informar sobre o estresse causado pelo excesso de água, como o amarelamento das folhas e uma redução ou total eliminação dos nódulos formados nesse primeiro estágio”.



Enquanto isso, José Tarragó – Técnico do INTA Las Breñas, Chaco – disse que “as condições de excesso de água no algodão causa a diminuição do crescimento das plantas e um envelhecimento prematuro das culturas que se repercutirá no rendimento e também na  qualidade de fibra”.

Nesse sentido, o especialista reconheceu que “já é possível notar uma grande diferença no crescimento de plantas em áreas baixas com encharcamento temporário ao longo de 7 dias e plantas que cresceram em áreas altas sem encharcamento”.

É que, segundo os registros, em março havia 258 mm de chuva na região, 132 mm mais que o normal. Esses números submeteram as lavouras de algodão e soja que estão em estágio avançado a outro período de enchentes com perdas nas áreas baixas e um novo ciclo de estresse nas colinas e coxilhas.

Por essa razão, Tarragó disse que “embora o impacto dependa da magnitude e continuidade do evento climático, as perdas de rendimento no algodão podem variar entre 10 e 50%, já que essa cultura não resiste à falta de oxigênio no raízes.

Foto: Argentina – INTA Informa – Soja em área alagada

De qualquer forma, o técnico assegurou que existem possibilidades de que as culturas se recuperem e compensem, dependendo da data de plantio, fertilidade e manejo adequado. “Isso foi observado nos lotes da associação cooperativa do INTA Las Breñas que evitaram as inundações causadas pelas chuvas de dezembro, janeiro e março, com um ótimo estado para a colheita em 15 de abril, antes das chuvas de 20 de abril.”

É que, segundo Tarragó, o encharcamento e a falta de radiação solar são dois fatores que condicionam a fixação de carboidratos que servem para sustentar os frutos, o que gera um amarelamento nas plantas que implica perda de rendimento.

Para o caso da soja inundada, “pode ​​haver uma redução no crescimento das mudas com uma possível redução no rendimento. O grau de impacto dependerá da continuidade e duração do encharcamento ou inundação dos lotes, como algodão”, especificou Quintana.

Ele também confirmou que “as condições climáticas que levaram a muitos lotes de soja não foram implementadas ou foram completamente perdidas no plantio”.



Ele sublinhou que “embora o potencial de rendimento das plantações de soja ultra-tardias caia devido à redução no crescimento, a boa fertilidade e a umidade podem ajudar a atingir rendimentos adequados em torno da média da província”.

Ambos os especialistas INTA concordaram com a importância de um acompanhamento constante de pragas em lotes e controle para evitar a perda de frutas e área foliar reduzida, o efeito de doenças e lagartas desfolhantes, o que afetará negativamente o período de enchimento dos frutos.

Embora as lavouras possam render sob condições de inundação, as últimas precipitações, ocorridas no último final de semana, colocam em risco essa possibilidade. “Tanto a cultura da soja quanto o algodão, que poderiam ter perdas totais devido à magnitude das chuvas e previsões de possíveis chuvas nos últimos dias”, disseram os técnicos.

No caso em que pode ser colhida, teremos que esperar por uma diminuição significativa na qualidade das fibras e grãos, então o futuro desta safra 2018-2019 não é muito encorajador para a área de Las Breñas e as culturas de soja e algodão.

Foto: Argentina – O algodão sofre uma diminuição do crescimento da planta e um envelhecimento prematuro da cultura que repercutem no desempenho e na qualidade da fibra.

Fonte: Adaptado de INTA Informa

Texto originalmente publicado em:
INTA Informa
Autor: INTA

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.