Autores: Diego Eduardo Romero Gonzaga1; Ariane Narumi Koga2; Evandro Ribeiro Machado Filho3; Geovana Gentilin Martins1, Fabiano Aparecido Rios4; Wanderley Dantas dos Santos5

Introdução

A cultura da soja no Brasil possui grande importância para o cenário econômico mundial. Além de abastecer o mercado interno para a produção de óleo, biodiesel e farelo, a soja é o principal produto de exportação (Embrapa, 2018).

Um dos principais interesses do melhoramento é a busca por variedades que apresentam hábito de crescimento indeterminado e baixas estaturas para evitar o acamamento, pois as maiores produtividade de soja são provenientes de cultivares que apresentam arquitetura compacta (Carniel et. al., 2004; Bruin & Pedersen 2008).

Um dos componentes responsável por conferir resistência ao arqueamento das plantas é o conteúdo de lignina depositado nas paredes celulares do caule. Além de atuar na resistência do caule, a lignina controla o crescimento das plantas, pois a diferenciação celular é finalizada pela lignificação e morte da célula (Zheng et al. 2017, Li et al. 2016, Liu et al. 2018; Zimmermann & Brown, 1971; Kawamura & Higuchi, 1964; Plomion et al., 2001).

A lignina encontrada no tegumento do grão de soja garante maior resistência e menor velocidade de hidratação das sementes. Os programas de melhoramento genéticos buscam desenvolver cultivares de soja com mais de 5% de teor de lignina no tegumento para garantir a produção de sementes mais resistentes (Alvarez et al., 1997; Costa et al., 2001; França Neto et al., 2007; Obando-Flor et al., 2004; Santos et al., 2007).

A mancha-alvo, doença foliar causada pelo fungo Corynespora cassicola, é responsável por apresentar evolução rápida e acometer a produtividade de soja (Ribeiro et al., 2017; Belufi; Pittelkow; Pasqualli, 2015). Os tecidos mais lignificados restringem a passagem de nutrientes e água para o hospedeiro. Além disso, os compostos fenólicos, como a lignina, são conhecidos como agentes fungitóxicos (Lo & Nicholson, 2008).

A lignina, originada através da via dos fenilpropanoides, pode ser induzida na cultura da soja pela aplicação foliar de indutores atóxicos de lignificação. Dependendo da dose e época de aplicação, as plantas de soja tratadas podem apresentar aumento de 33% de lignina em caules (Gonzaga et al., 2019a) e 31% em tegumentos dos grãos (Gonzaga et al., 2019b).

Considerando a importância em aumentar o conteúdo de lignina em plantas de soja para regular o crescimento vegetal, agir na resistência a danos mecânicos de grãos e caules e ao ataque de patógenos sem diminuir a produtividade; o objetivo desse trabalho foi avaliar a influência do indutor de lignificação na produtividade da soja após a aplicação foliar no estádio de desenvolvimento R2.

Material e Métodos 

O ensaio foi conduzido durante a safra 2019/2020 no Sítio Gonzaga, localizado no município de Mandaguaçu/PR. A semeadura da soja, variedade TMG 7062, foi realizada com espaçamento entrelinhas de 0,50 m e a densidade de semeadura foi composta de12 sementes por metro. Na ocasião de semeadura da soja, utilizou-se 250 kg ha-1 do formulado 02-20-18. O controle de doenças e pragas foi realizado de acordo com as recomendações da cultivar.

O experimento foi instalado em blocos inteiramente casualizados em seis repetições, constituído da seguinte forma: testemunha sem aplicação e plantas de soja com aplicação de 677,08 g ha-1 de indutor de lignificação (Propriedade Intelectual). O tratamento químico foi aplicado no estádio de desenvolvimento R2, com o auxílio de um pulverizador costal pressurizado por CO2 a 38 lb pol-2, na velocidade de 1ms-1, o que propiciou um volume de calda equivalente a 200 L ha-1. Para melhor espalhamento do indutor sobre as folhas, foi utilizado o adjuvante Aureo® (0,5% V/V).

Na colheita da soja, realizada em 13 de fevereiro de 2020, no estádio R9, foram coletadas 10 plantas em cada parcela, totalizando 60 plantas testemunhas e 60 plantas tratadas. Após a colheita, foi realizado o cálculo de produtividade em sacas por hectare através da quantidade de plantas por metro, espaçamento entrelinhas, número de vagens por planta, número de grãos por vagem e peso de mil grãos.

Os resultados obtidos foram submetidos à análise para determinar a significância das diferenças entre as amostras. Para isso, utilizou-se o teste t de student, todos a 10% de probabilidade, através da utilização do programa GraphPad Prism® e os valores foram expressos como a média dos experimentos independentes ± erro padrão da média.

Resultados e Discussão 

A produtividade da soja (Figura 1) foi influenciada pelo tratamento empregado de maneira consistente, obtendo-se 31,13% de aumento na quantidade de sacas de soja por hectare. O peso de mil grãos não foi influenciado pelo tratamento químico de maneira significativa (Figura 2). A quantidade de grãos por planta (Figura 3) e a quantidade de vagens por planta (Figura 4) apresentaram aumentos significativos de 32,70% e 25,26%, respectivamente.

Conclusão 

De acordo com os resultados pode-se inferir que o método de aplicação foliar de indutor de lignificação em plantas de soja, nessa dose e época de aplicação, pode ser um novo artifício para contribuir com o aumento de produtividade da soja.

Referências 

ALVAREZ, P. J. C.; KRZYZANOWSKI, F. C.; MANDARINO, J. M. G.; FRANÇA NETO, J. B. Relationship between soybean seed coat lignin content and resistance to mechanical damage. Seed Science and Technology, Zurich, v. 25, n. 2, p. 209-214, 1997

BELUFI, L. M. DE R.; PITTELKOW, F. K.; PASQUALLI, R. M. Avaliação da eficiência de fungicidas aplicados no vegetativo para o controle de mancha alvo (Corynespora cassiicola) na cultura da soja no Mato Grosso: Boletim técnico. Lucas do Rio Verde.

BRUIN, J.L.; PEDERSEN, P. Growth, yield, and yield component changes among old and new soybean cultivars. Agronomy Journal, v.101, n.1, p.124-130, 2009.

CARNIEL, L.A.; MENOSSO, R.; BALBINOT JUNIOR, A.A. Reação de cultivares de soja às doenças de final de ciclo com e sem aplicação de fungicidas. Unoesc & Ciência – ACET, v.5, n.1, p.83-90, 2014.

COSTA, N. P. da; MESQUITA, C. M. de; MAURINA, A. C.; FRANÇA NETO, J. B. de; PEREIRA, J. E.; BORDINGNON, J. R.; KRZYZANOWSKI, F. C.; HENNING, A. A. Efeito da colheita mecânica da soja nas características físicas, fisiológicas e químicas das sementes em três estados do Brasil. Revista Brasileira de Sementes, v. 23, p.140-145, 2001.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. EMBRAPA/PR. Brasília, 2018.

FRANÇA NETO, J. B.; KRZYZANOWSKI, F. C.; PÁDUA, G. P.; COSTA, N. P.; HENNING, A. A. Tecnologia da produção de sementes de soja de alta qualidade. Londrina: EMBRAPA, CNPSo, 12 p. 2007.

GONZAGA, D. E. R; MARTINS, G. G; ALMEIDA, A. M; KOGA, A. N; RIOS, F. A; SANTOS, W. D. Indução na via dos fenilpropanoides promove aumento de lignina em caule de plantas de soja. Anais 37 Reunião de Pesquisa de Soja. Anais Embrapa, Londrina, v. 1, p. 35-37, 26 27 jun. 2019a.

GONZAGA, D. E. R; RIOS, F. A; MARCHIOSI, R; FERRARESE-FILHO, O; SANTOS, W. D. Aplicação foliar de indutor de lignificação promove aumento de lignina em tegumento de grão de soja. Anais do II Congresso online para aumento de produtividade do milho e soja (COMSOJA), Anais. Santa Maria (RS). Portal Mais Soja, 2019b

KAWAMURA, I.; HIGUCHI, T. Comparative studies of milled wood lignins from different taxonomical origins by IR spectrometry. Chimie Biochimie de la Lignin, Cellulose, Hemicelluloses. Actes du Symp Int de Grenoble Juilet. Les Imprimeries Reúnies de Chambéry,France, p. 439-456, 1964.

LI H., YANG Y., WANG Z., GUO X.,LIU F., JIANG J.LIU G. BpMADS12 gene role in lignin biosynthesis of Betula platyphylla Suk by transcriptome analysis. Journal of Forest Ressearch, 27(5):1111–1120, 2016.

LIU Q., LUO L., ZHENG L. Lignins: Biosynthesis and Biological Functions in Plants International Journal of Molecular Sciences, 19, 335, 2018.

ZIMMERMANN, M. H.; BROWN, C. L. Trees Structure and function. Springer, Berlin Heidelberg New York, 336p.,1971.

LO, C. S. C.; NICHOLSON, R. L. Phenolic compounds and their importance in plant disease, In: LEITE, B. Physiology, biochemistry, and molecular biology of plant- pathogen interactions. Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz – FEALQ, p. 285-303, 2008.

OBANDO-FLOR, E. P.; CICERO, S. M.; FRANÇA NETO, J. B.; KRZYZANOWSKI, F. C. Avaliação de danos mecânicos em sementes de soja por meio da analise de imagem. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 26, n. 1, p. 68-76, 2004.

PLOMION, C.; LEPROVOST, G.; STOKES, A. Update on wood formation in trees: wood formation in trees. Plant Physiology, v. 127, p. 1513-1523, 2001.

RIBEIRO, F. D. C. et al. Controle químico da mancha-alvo da soja (Corynespora cassiicola) no cerrado tocantinense- Brasil Chemical control of the soybean target spot (Corynespora cassiicola ) in the cerrado of tocantins – Brazil. J. Bioen. Food Sci, v. 4, n. 1, p. 26–36, 2017.

SANTOS, E. L.; PÓLA, J. N.; BARROS, A. S. R.; PRETE, C. E. C. Qualidade fisiológica e composição química das sementes de soja com variação na cor do tegumento. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 29, n. 1, p. 20-26, 2007.

ZHENG, M.; JIN, C.; SHI, Y.; LI, Y.; YIN, Y.; YANG, D.; LUO, Y.; PANG, D.; XU, X.; LI, W. Manipulation of ligninmetabolism by plant densities and its relationship with lodging resistance in wheat. Scientific Reports, 7, 41805 2017.

Informações sobre os autores: 

1 Mestrando em Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Maringá. E-mail: diegoerg@hotmail.com
2 Acadêmica do Curso de Bioquímica, Universidade Estadual de Maringá.
3 Mestrando em Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Maringá.
4 Doutor em Agronomia, Universidade Estadual de Maringá.
5 Doutor em Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Maringá

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.