InícioDestaqueBOLETIM AGRO30. Primeiras Estimativas Apontam Grande Produção de Soja em 24/25. Por...

BOLETIM AGRO30. Primeiras Estimativas Apontam Grande Produção de Soja em 24/25. Por Marcos Fava Neves

Na economia mundial e brasileira

Em mais uma atualização dos principais indicadores que impactam a economia nacional, o Boletim Focus do Banco Central publicado no dia 24 de maio constatou que: o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) deve fechar o ano atual em 3,86% e em 3,75% no subsequente (ambos com alta mensal). Enquanto isso, o PIB (Produto Interno Bruto) pode encerrar 2024 com crescimento de 2,05% (queda mensal) e de 2,0% em 2025 (manutenção). A previsão para o câmbio é de R$ 5,05 ao final deste ano (alta mensal) e de R$ 5,05 no próximo (manutenção). A taxa Selic é projetada para fechar 2024 em 10,0% (alta mensal) e em 9,0% ao término de 2025 (manutenção).

Professor Marcos Fava Neves, Diretor Técnico da SNA

No agro mundial e brasileiro

A FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) divulgou o índice de preços dos alimentos em abril e este subiu ligeiramente pelo segundo mês seguido, ficando em 119,1 pontos, 0,3 pontos ou 0,3% em relação ao registrado em março. A valorização se atribui principalmente à carne, óleos vegetais e cereais. Apesar do crescimento, o valor foi 9,6 pontos ou 7,4% menor do que no mesmo período do ano passado.

As carnes (+1,6%) valorizaram: enquanto a carne de aves subiu devido a maior demanda do Médio Oriente decorrente de surtos de gripe aviária, a carne bovina aumentou pela maior demanda dos principais importadores. Em contrapartida, os preços da carne de porco retraíram, reflexo da baixa procura por parte, principalmente, da China e Europa. O ligeiro aumento dos óleos vegetais (+0,3%) se deve a valorização da colza e girassol. Já os cereais (+0,3%), aumentaram em função do milho por conta da preocupação logística diante de danos na infraestrutura ucraniana e retração da produção no Brasil.

Em seu 8º levantamento sobre a safra brasileira de grãos 2023/24, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) elevou ligeiramente sua estimativa de produção para 295,4 mi de t (ante 294,1 mi de t em abril). Se confirmada, a oferta será 7,6% inferior à do ciclo passado. Além disso, o relatório destaca a dificuldade de quantificar as perdas ocorridas no Rio Grande do Sul, devido às inundações, e não descarta a possibilidade de novas revisões a medida em que a situação for avaliada. Para a área, a Conab estima 79,1 mi de ha, sendo 0,7% acima do total plantado em 2022/23.

Milho

No relatório de maio/2024, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) lançou as primeiras estimativas para a safra 2024/25 de milho, estimada em 1,219 bilhão de t, praticamente o mesmo valor de 2023/24 e 5,4% superior a 2022/23. A estimativa para o novo ciclo é a seguinte: Estados Unidos devem produzir 377,5 mi de t (- 3,1%); China, 292,0 mi de t (+ 1,0%); Brasil, 117 mi de t (+ 4,0%); União Europeia, 64,8 mi de t (+ 6,2%); e Argentina 51,0 mi de t (- 3,8%). Do lado do comércio global, a expectativa é de queda nas transações: de 195,0 mi de t (2023/24) para 192,6 mi de t (2024/25). Brasil deve manter o volume embarcado de 51,0 mi de t, 26,5% de participação global. Os estoques finais do milho devem fechar 2024/25 em 312,3 mi de t, apenas 0,2% inferior.

Já a Conab, referente a safra 2023/24 no Brasil, estimou a produção de milho em 111,6 mi de t em maio (era 111,0 mi de t em abril), sendo 15,4% menor ou 20,3 mi de t a menos do que o ciclo passado. Do total previsto: 23,5 mi de t são de 1ª safra (-14,2%), 86,1 de 2ª safra (-15,8%) e 2,0 mi de t (-7,6%) de 3ª safra. Em área, a projeção aponta para 20,6 mi de ha plantados com milho na safra 2023/24 (contra 20,4 mi de ha na estimativa de abril), o que representa 1,6 mi de ha a menos ou 7,4% inferior ao que foi registrado na temporada anterior.

Nos campos pelo Brasil, a colheita do milho 1ª safra alcançou 78,4% de progresso até 26 de maio, contra 81,8% no mesmo período do ano passado. O estado de Goiás é o que apresenta um dos maiores atrasos, com 70,0% da área colhida, contra 92,6% no ciclo anterior. Já as lavouras de 2ª safra encontram-se: 6,8% em floração; 56,4% em enchimento de grãos; 35,4% em maturação e apenas 1,1% colhido.

Nos Estados Unidos, até o dia 19 de maio, 70% das áreas de milho haviam sido semeadas, contra 76% no mesmo período do ano passado e 71,0% na média dos últimos 5 ciclos. Apesar do atraso na comparação com o último ano, o plantio segue na média histórica, sem grandes preocupações até o momento.

Em Chicago, os preços do contrato de jul/24 de milho estavam negociados em US$ 4,679/bushel na data de fechamento da nossa coluna, 4,0% superior aos preços registrados há um mês.

Soja

A 1ª estimativa do USDA para 2024/25 chamou atenção. O órgão norte-americano estimou uma produção global de 422,3 milhões de t, simplesmente 25,3 mi de t adicionais ou 6,4% maior que o ciclo passado (2023/24) e 11,7% maior do que 2022/23; a situação da oferta já era de superávit e, agora, pode trazer mais impactos negativos aos preços.

Nos principais países, a estimativa de produção é a seguinte: Brasil com 169,0 mi de t (+ 9,7%); Estados Unidos, 121,1 mi de t (+ 6,8%); Argentina, 51,0 mi de t (+ 2,0%); e China, 20,7 mi de t (igual). As transações globais de soja devem saltar de 172,5 (2023/24) para 180,2 mi de t (2024/25), sendo que Brasil irá embarcar 105,0 mi de t (+ 3,0%) e os Estados Unidos, nosso principal concorrente, deve ficar com 49,7 mi de t (+ 7,3%). Do lado os estoques finais, a estimativa atual é de 128,5 mi de t, 14,9% superior ou 16,7 mi de t adicionais na comparação com 2023/24.

Enquanto isso, na safra 2023/24 no Brasil, a Conab apontou a produção de soja no Brasil em 147,7 mi de t em maio (era 146,5 em abril). O volume é 4,5% menor ou 6,9 mi de t do que o alcançado em 2022/23.

O relatório explica a queda ressaltando as perdas de produtividade e necessidade de replantios em algumas regiões do Centro-Oeste, Sudeste e Matopiba por conta de adversidades climáticas (baixos índices de chuva e altas temperaturas), bem como a colheita prejudicada no Rio Grande do Sul por conta das inundações ocorridas no estado, o qual estava com 75,0% da área colhida até o início deste mês (se essa condição não tivesse ocorrido, a produção estimada no levantamento seria superior a 148,4 mi de t).

Por fim, a área para a oleaginosa foi projetada em 45,7 mi de ha: 3,8% maior ou 1,6 mi de ha adicionais frente ao último ciclo.

A colheita de soja está praticamente concluída no país, com 98,1% das áreas contra 99,2% no mesmo período do ciclo passado. O único estado que ainda está com a situação um pouco mais crítica é o Rio Grande do Sul, que teve as operações adiadas por conta das fortes chuvas e inundações que acompanhamos; por lá, o progresso está em 90,0% contra 96,0% na mesma data de 2023.

EUA

Já nos Estados Unidos, 52,0% da soja da safra 2024/25 já havia sido plantada até 19 de maio, 9 pontos percentuais abaixo do registro na mesma data de 2023 (61,0%), mas ainda superior à média dos últimos 5 ciclos (49%). Diferente do milho, a soja merece uma atenção especial nesse momento.

O contrato da soja com entrega para jul/2024 estava negociado na Bolsa de Chicago em US$ 12,433/bushel no fechamento da nossa coluna, uma alta mensal de 5,6% que reflete a preocupação com a oferta de soja no curto prazo (menor reação quanto ao volume de 2024/25), por conta das incertezas no volume do Rio Grande do Sul, um dos principais estados produtores no Brasil.

Os cinco fatos do agro para acompanhar em junho são:

  1. Plantio da mega safra americana 2024/25. Pelo que acompanhamos, mesmo com relativo atraso na soja, o progresso segue na média dos últimos ciclos, o que traz mais segurança em relação a oferta. Esse próximo mês deve significar a conclusão das operações de plantio, fazendo-nos olhar mais, desde então, para o clima e as condições das lavouras. Acompanhamento semanal desse item!
  2. Seguir observando o andamento da 2ª safra de milho no Brasil. As condições são positivas e não há, até o momento, grandes indicações de riscos climáticos como os que tivemos em 2022/23, com geadas e secas prolongadas. Mas vale recordar a transição de El Niño para La Niña, que pode mudar a regra do jogo.
  3. Os impactos da situação do clima no Rio Grande do Sul e as estimativas de perdas de grãos, não apenas na colheita que ainda segue (em atraso na comparação com o Brasil), mas também das áreas de armazenagem que acabaram sendo impactadas pelas inundações.
  4. Na bovinocultura de corte, as exportações foram recordes nesse 1º trimestre, mas o volume elevado de abate tem impactado negativamente os preços. Essencial acompanharmos o desempenho exportador e de abate nesse próximo mês, esperando alguma reação na arroba, que segue em queda no preço mensal médio desde janeiro de 2024.
  5. Por fim, acompanhar as oscilações do câmbio que têm sido intensas. Nesse último mês, tivemos variações que foram de R$ 5,07 a R$ 5,20, uma grande diferença pensando nos momentos de compras de insumos (safra 2024/25) e venda da produção da soja verão (2023/24) ou do milho safrinha que começa a ser colhido nos próximos meses.

Marcos Fava Neves é professor Titular das Faculdades de Administração da USP (Ribeirão Preto – SP) da FGV (São Paulo – SP) e da Harven Agribusiness School (Ribeirão Preto – SP). É especialista em Planejamento Estratégico do Agronegócio e Diretor Técnico da SNA . Confira textos e outros materiais em DoutorAgro.com e veja os vídeos no Youtube (Marcos Fava Neves).
Vinícius Cambaúva é associado na MarkestratGroup e professor na Harven Agribusiness School, em Ribeirão Preto – SP. Engenheiro Agrônomo pela FCAV/UNESP e mestre em Administração pela FEA-RP/USP. É especialista em comunicação estratégica no agro.
Beatriz Papa Casagrande é consultora na MarkestratGroup, aluna de mestrado em Administração de Organizações na FEA-RP/USP e especialista em inteligência de mercado para o agronegócio.
FONTE

Autor: Por Marcos Fava Neves

Site: SNA AGRO

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares