Os percevejos são pragas sugadoras que atacam diretamente os grãos da soja, perfurando as vagens com seu estilete. Reduzem a qualidade do produto final, tornando os grãos pequenos, chochos e manchados.

Os percevejos incidem na cultura da soja, geralmente no final da fase vegetativa e início da reprodutiva. Neste momento mais crítico de formação do produto comercial, em que a planta está transportando seus fotoassimilados para o grão, os percevejos atacam de forma intensa.

Por isso, o controle de pragas que apresentam a capacidade de reduzir diretamente o potencial produtivo da planta, alterando a germinação e o vigor, deve possuir manejos com planejamento antecipado, bem como escolha de princípios ativos e o melhor custo benefício para cada produtor.

Neste texto vamos estudar como os percevejos reduzem a qualidade das sementes e comprometem o seu desenvolvimento.

Figura 1. Perdas em gramas/dia/percevejo das principais espécies de pentatomídeos na soja

Note na Figura 2, que uma parcela do estado de Minas Gerais apresenta sérios problemas com a incidência de percevejos, reduzindo o potencial de produtividade. Valores acima de 5% reduzem drasticamente o vigor, acarretando restrições na utilização das sementes.

Veja também: Quantos dias vive um percevejo? 

Figura 2. Danos em sementes de soja por percevejos nas lavouras do país.

Fonte: França-Neto et al. (2018)

O teste de tetrazólio realiza um exame detalhado das estruturas da semente e nos auxilia para identificar corretamente as causas que afetam a qualidade da mesma, como danos mecânicos, por percevejo, umidade ou secagem excessiva (Queiroz, 2016). Além disso, classifica as sementes de acordo com a viabilidade e vigor.



Na Figura 3, perceba a diferença de danos realizados por percevejos e por umidade, tornando as plântulas anormais.

Figura 3. Danos por percevejos (esquerda) e por umidade (direita).

Fotos: Pinto (2006)

Quando as lavouras são destinadas para a produção de sementes, o nível de ação (momento apropriado para entrarmos com manejo e evitarmos perdas econômicas) deve ser iniciado de forma imediata quando houver a constatação da praga (França-Neto et al. 2016).

Quando os percevejos sugam a seiva da planta, inoculam uma levedura chamada Nematospora coryli. Essa pode estar associada a diversos fungos, causando severas necroses e possibilidade de doenças.

O ataque dos percevejos as sementes afetam a germinação e o vigor. As injúrias vistas são lesões esbranquiçadas na região atacada e aspecto pulverulento. Podem ainda apresentar certo enrugamento e deformação, como visualizamos na Figura 4.

Figura 4. Danos em sementes de soja causados por percevejos definidos pelo teste de tetrazólio.

Foto: FRANÇA-NETO et al. (2009)

Os danos mais severos são vistos no interior do cotilédone (Borges, 2018). Quando realizado com intensa profundidade de picada ou pelo modo de inserção e retirada do estilete (como ocorre com percevejo-verde-pequeno, o mais danoso), bem como a localização da picada, afetam a viabilidade. Em lavouras destinadas à produção de sementes, ocorre comprometimento da qualidade do produto. Uma lesão no eixo radícula-hipocótilo, pode comprometer drasticamente o vigor.

A qualidade fisiológica da semente está relacionada com a sua germinação, vigor e longevidade. Quais são as vantagens em termos sementes de alta qualidade?

  • Maior altura de planta;
  • Maior diâmetro de caule;
  • Rendimento de grãos superior a 35% quando comparamos sementes de baixa qualidade (Kolchinski et al., 2005).

Em uma pesquisa Diniz Filho (2019), avaliou os danos das sementes quando atacadas por diversos percevejos.

Na Figura 5, observe que algumas cultivares apresentam próximas de 30% de danos. Costa et al. (2003), confirmaram que lotes com injúrias acima de 5% comprometem o vigor das sementes. Ou seja, todas as sementes avaliadas sofreram redução de vigor por conta do ataque dos sugadores. Além disso, atente que a grande maioria das sementes danificadas é superior as sem injúrias por sugadores.

Figura 5. Porcentagem de sementes sem danos e danificadas por percevejos (%).

Fonte: Diniz Filho (2019).

Em uma pesquisa de Sousa (2016), avaliou a viabilidade e vigor (%) das sementes prejudicadas por percevejos. Nota-se na Tabela 1, que as cultivares com maior porcentagem de sementes atacadas por percevejos, apresentam as maiores reduções de viabilidade e vigor.

Nota-se que a presença de percevejos influencia diretamente a boa germinação das sementes. Agora, vamos aprender alguns conceitos importantes:

  • Viabilidade (%) quer dizer as sementes vivas capazes de germinar;
  • Germinação (%) está relacionado com a emergência de plântulas em condições favoráveis ao desenvolvimento;
  • O vigor (%) em bora não há conceito definido, está relacionado com a velocidade e capacidade de emergência em condições não tão favoráveis

Em anos em que a planta sofre estresse hídrico, como foi nossa última safra agrícola (2019/2020), o vigor seria um dos fatores que poderiam ajudar, de forma parcial, a planta se estabelecer melhor. Alto vigor é um atributo importante para altos rendimentos.

Perdemos em viabilidade e vigor quando as sementes são mais lesionadas com as picadas dos sugadores.

Tabela 1. Viabilidade, vigor, sementes viáveis e inviáveis atacadas por percevejos (%).

Fonte: Sousa (2016).

Observe na próxima imagem (Figura 6), como as plantas de baixo vigor se comportam no campo. Elas apresentam tamanho menor e, consequentemente, comprometem a produtividade.

Figura 6. Plântula oriunda de semente de baixo vigor.

Foto: Roberto Kazuhiko Zito

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os danos por esses insetos são irreversíveis nas sementes. Através da introdução do estilete nos cotilédones, ocorre redução de germinação e vigor, afetando principalmente as lavouras destinadas para produção de sementes. Contudo, a produção de grãos também é alterada, pois tornam os grãos chochos, deformados e manchados, depreciando sua qualidade.

A germinação e o vigor apresentam funções importantes no que se refere a qualidade fisiológica das sementes de soja. Quanto maior seus valores, maior a possibilidade de ocorrer incremento de rentabilidade. No entanto, um se sobressai em condições ideais e outro em condições desfavoráveis de desenvolvimento. Por isso, a combinação dos dois atributos é imprescindível para gerar plantas de alto padrão.

O primeiro passo e o mais importante, é realizar o monitoramento frequente das lavouras, de forma regular e em todos os talhões. Em lavouras para produção de sementes, quando houver a presença de percevejos o controle deve ser realizado de forma imediata, pois o nível de controle dos sugadores é de apenas 1 percevejo/m2.

Referências

COSTA, N. P. da et al. Qualidade fisiológica, física e sanitária de sementes de soja produzidas no Brasil. Rev. bras. sementes, Pelotas, v. 25, n. 1, p. 128-132, July 2003

BORGES, Helton Dantas. Teste de tratrazólio para detectar a viabilidade e vigor em sementes de soja. 2018.

DINIZ FILHO, Jeferson Fernandes. Resistência de genótipos de soja-semente [Glycine max (L.) Merril] a pentatomídeos fitófagos. 2019.

FRANÇA-NETO, J. B. et al. Características fisiológicas da semente: vigor, viabilidade, germinação, danos mecânicos tetrazólio, deterioração por umidade tetrazólio, dano por percevejo tetrazólio e sementes verdes. Embrapa Soja-Capítulo em livro científico (ALICE), 2018.

KOLCHINSKI, E. M.; SCHUCH, L. O. B.; PESKE, S. T. Vigor de sementes e competição intra-específica em soja. Cienc. Rural, Santa Maria , v. 35, n. 6, p. 1248-1256, Dez. 2005 .

QUEIROZ, Octavio Augusto Melo de. Controle de Percevejos com inseticidas visando qualidade de sementes de soja. 2016. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pelotas.

SOUSA, Gustavo Cézar da Silva. Resistência de genótipos de soja-semente (Glycine max (L.) Merril) ao complexo de percevejos fitófagos. 2016.

Redação: Equipe Mais Soja. 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.