O trabalho é dos pesquisadores da Universidade Federal de Santa Maria Nilson Matheus Mattioni, Caroline Huth, Samantha Rigo Segalin, Liliane Márcia Mertz e Ubirajara Russi Nunes. Confira na íntegra acessando aqui.

Dentre as inúmeras pragas que assolam os plantios de soja, os insetos sugadores conhecidos como percevejos certamente respondem por uma infinidade de danos a cultura. Tanto em produção de semente quanto grãos, os danos decorrentes do ataque destes insetos acarretam em prejuízo no bolso do produtor.

As espécies de percevejos mais comuns encontradas são Nezara viridulaPiezodorus guildinii, Edessa meditabunda, Euchistus heros e Dichelops furcatus. Estas espéciestem seu dano potencializado dependendo de fatores como fase do ciclo da cultura e densidade de percevejos. Outros fatores que tornam preocupante o ataque de percevejo em soja são: capacidade de sobrevivência entre-safra, polifagia de alimentação, dinâmica populacional e reprodutiva, bem como comportamento dos indivíduos frente a cultura.

Para tal buscando determinar a distribuição espacial dos danos de percevejos em sementes de soja nos campos de produção de sementes e o seu efeito na qualidade fisiológica das sementes produzidas, é que o trabalho dos pesquisadores da UFSM foi feito.

Quatro áreas experimentais, cada área de produção de semente recebeu uma cultivar para análise e, para cada área foi estabelecida uma malha de amostragem. Confira essas informações na Tabela 1.



Os resultados obtidos dos quatro campos experimentais analisados mostram que:

  • O campo 2 foi o mais produtivo, porém o campo 3 produziu as sementes de maior qualidade fisiológica comparativamente aos demais campos.
  • As sementes produzidas nos campos 1 e 4 apresentaram desempenhos semelhantes, não diferindo significativamente no teste de emergência de plântulas. Porém, no teste de germinação, as sementes produzidas no campo 1 mostraram-se superiores às sementes produzidas no campo 4.
  • As sementes produzidas no campo 2 apresentaram qualidade fisiológica significativamente inferior às sementes produzidas nos demais campos, mesmo sendo o de maior produtividade.
  • Quanto aos danos causados por percevejos, as sementes do campo 2 foram as que apresentaram maiores danos do inseto-praga, onde, na média, 40% das sementes produzidas no campo apresentaram sintomas de ataque de percevejo no teste de tetrazólio.

Os mapas produzidos com os dados de danos mostraram que os danos causados por percevejos em sementes de soja apresentam variabilidade espacial nos campos de produção e os dados são correlacionados a uma distância mínima de 200m.

É importante lembrar que informações como estas nos sugerem bons planejamentos de amostragem, o que nos levam a ser mais criteriosos e monitorar a lavoura precocemente. O monitoramento da praga e a atenção durante os manejos de colheita da cultura de inverno, manejo entre safra e dessecação para semeadura da soja, são medidas importantes para identificar a presença da praga e em que proporções a população da mesma se encontra, para posicionamento de produto para o controle. Medidas como estas são importantes quando se pensa em produção de semente, onde os critérios qualitativos são extremamente presados.


Confira mais sobre percevejos, na série Ciência em Prática:

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.