A rotação de culturas associada a cobertura permanente e o mínimo revolvimento do solo compõe os princípios básicos do sistema plantio direto (SPD) (Franchini; Costa; Debiasi, 2011). Visando a sustentabilidade e rentabilidade dos cultivos, a produção agrícola deve ser vista como um sistema de produção, onde ações em conjunto devem ser realizadas a fim de proporcionar melhor lucratividade e sustentabilidade da produção.

Embora o foco das propriedades rurais possa variar de acordo com o objetivo e aptidão, a visualização da propriedade como um sistema de produção auxilia na definição de práticas de manejo, as quais devem compor o planejamento de atividades visando dado objetivo. Em grande parte das propriedades produtoras de grãos, culturas de verão como a soja, são o “carro chefe” da propriedade.

Em situações como essa, visando a melhor produtividade das culturas de verão, o estabelecimento de manejos, tais como a rotação de culturas, exerce importante papel  na manutenção do sistema plantio direto, macro, meso e microfauna do solo. Quando bem inseridas no sistema de produção, respeitando a rotação de culturas, plantas de cobertura ou culturas de inverno contribuem significativamente para a melhoria de atributos do solo, além de possibilitar a cobertura do solo por meio da palhada residual.

Segundo Tiecher (2016), culturas como a aveia preta, podem produzir quantidade de matéria seca da parte aérea superior a 7.000 kg.-1, produção similar a Crotalaria spectabilis, que além de exercer importante papel na rotação de culturas, possui a capacidade de atuar na redução populacional de algumas espécies de nematóides fitopatogênicos.


Veja mais: Soja após Crotalária – aumento da produtividade e controle de nematoides


Tabela 1. Produção de matéria seca (MS) e acúmulo de carbono (C) e nitrogênio (N) da parte aérea das principais espécies de plantas de cobertura de solo utilizadas em sistemas de culturas na Região Sul do Brasil.

Fonte: Redin (2008, 2010, 2014a, 2014b), Apud. Tiecher (2016)

As plantas de cobertura possibilitam o aumento da intensidade de uso do solo e da diversificação de cultivos, com maior quantidade de espécies com diferentes características morfofisiológicas, cultivadas no sistema de rotação e sucessão da propriedade (Bogiani & Ferreira, 2017).

Figura 1. Esquema das diferentes plantas e seus sistemas radiculares.

Fonte: Bogiani & Ferreira (2017)

O planejamento do sistema de produção exerce influência direta no sucesso produtivo, sendo necessário para a produção de grãos, estabelecer condições adequadas para que a cultivar possa expressar seu potencial produtivo. A rotação de culturas é uma das principais ferramentas para viabilizar o sistema plantio direto, reduzindo a pressão de pragas e patógenos sobre as culturas de interesse econômico.



Assim como para a produção de grãos, para as demais atividades agropecuárias a definição do sistema de produção e sua condução é de suma importância para o sucesso produtivo e rentabilidade da atividade, sendo necessário pensar no sistema produtivo e não só em atividades singulares de forma isolada.

Confira abaixo o que o pesquisador da CCGl Tiago Hörbe tem a dizer sobre o Sistema de Produção.


Inscreva-se agora no Canal Rede Técnica Cooperativa – RTC clicando aqui!



Referências:

BOGIANI, J. C.; FERREIRA, A. C. B. PLANTAS DE COBERTURA NO SISTEMA SOJA-MILHO-ALGODÃO NO CERRADO. IPNI, Informações Agronômicas, n. 160, 2017. Disponível em: < http://www.ipni.net/publication/IA-BRASIL.NSF/0/35C19FD1CEF13F5483258210003BD848/$FILE/Page1-15-160.pdf >, acesso em: 07/10/2021.

FRANCHINI, J. C.; COSTA, J. M.; DEBIASI, H. ROTAÇÃO DE CULTURAS: PRÁTICA QUE CONFERE MAIOR SUSTENTABILIDADE À PRODUÇÃO AGRÍCOLA NO PARANÁ. IPNI, Informações Agronômicas, n. 134, 2011. Disponível em: < http://www.ipni.net/publication/ia-brasil.nsf/0/d88eb80e259ba11e83257a8f005e67e3/$file/page1-13-134.pdf >, acesso em: 07/10/2021.

TIECHER, T. MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL: PRÁTICAS ALTERNATIVAS DE MANEJO VISANDO A CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA. UFRGS, 2016. Disponível em: < http://www.agrisus.org.br/arquivos/livro_RGS.pdf >, acesso em: 07/10/2021.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.