InícioDestaqueEmater/RS: Semeadura do milho avança lentamente durante a semana

Emater/RS: Semeadura do milho avança lentamente durante a semana

O aumento de horas de sol foi altamente benéfico para as lavouras em todas as fases de desenvolvimento. De maneira geral, as noites amenas e o calor moderado durante o dia também se mostram mais propícios. Destaca-se que houve melhoria no aspecto visual das lavouras e na coloração das plantas, indicando a redução do estresse, provocado pelo excesso de umidade em áreas de relevo plano.

A semeadura prossegue, mas a área semeada evoluiu pouco em função da priorização da operação na cultura da soja. A área total plantada evoluiu significativamente apenas no Nordeste, e no Estado alcançou 85% implantados.

Em termos fitossanitários, há preocupação com controle da cigarrinha e com o aumento na incidência de bacterioses e enfezamento do milho. Nas lavouras mais afetadas, as plantas estão morrendo antes do completo enchimento dos grãos, resultando em prejuízos na produtividade. As espigas, ainda verdes, não se mantêm eretas como o habitual e gradualmente se curvam, interrompendo a circulação de seiva entre os colmos e os grãos. A incidência de doenças e pragas enfraquece o colmo, levando à queda das plantas.

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Bagé, na Fronteira Oeste, em São Gabriel, os produtores aproveitaram as condições climáticas favoráveis para avançar no plantio, atingindo 50% da área total planejada. Porém, algumas lavouras apresentam significativa desuniformidade, resultando em potencial produtivo limitado. Nas áreas com população de plantas mais baixa, os produtores optaram pelo replantio. As lavouras em estágios iniciais receberam aplicações de nitrogênio e potássio em cobertura, além da aplicação de herbicidas. Nessas áreas, o monitoramento da cigarrinha está sendo realizado, e são efetuadas aplicações preventivas de inseticidas, pois os ataques do inseto devem ser evitados até as plantas atingirem estágio de oito folhas completamente desenvolvidas, além de a praga ser um vetor de patógenos que causam o enfezamento do milho.

Na de Caxias do Sul, houve melhoria das condições de umidade do solo, já que choveu em apenas um dia no período. Assim, foi possível avançar a semeadura significativamente. A boa insolação e as temperaturas mais elevadas durante o dia proporcionaram boa recuperação das plantas e crescimento mais acelerado. As condições ambientais favoráveis permitiram a realização das práticas culturais, como adubação nitrogenada em cobertura e o controle de pragas e plantas invasoras.

Na de Erechim, as lavouras foram completamente implantadas; 20% estão em fase vegetativa e 80% na reprodutiva, já em formação de espigas. O período mais seco e com boa insolação favoreceu a polinização. No entanto, a cultura enfrentará perdas em áreas afetadas por granizo. O excesso de chuvas acarretou aumento de palha nas espigas em formação. Há ocorrência de bacteriose em algumas áreas. As espigas apresentam grãos pequenos e palhados, tornando difícil a estimativa das perdas. A produtividade possivelmente não alcançará a estimativa inicial de 9.000 kg/ha.

Na de Frederico Westphalen, 10% da área encontra-se na fase de germinação e desenvolvimento vegetativo; 35%, na fase de florescimento; 45%, em formação de grãos; e 10%, em maturação.

Na de Ijuí, há aumento significativo da incidência de bacteriose e de sintomas de enfezamento devido ao ataque de cigarrinha nas lavouras semeadas entre 01 e 20/08. Os sintomas são mais evidentes nas lavouras da Região Celeiro, onde a semeadura ocorre mais precocemente. Já as lavouras semeadas no final de agosto e setembro encontram-se em fase de floração e formação dos grãos, apresentando menos sintomas de doenças.

Na de Pelotas, os plantios escalonados de milho foram conduzidos até 22/11, quando foram interrompidos em razão das chuvas generalizadas. As atividades foram retomadas em 24/11. As lavouras apresentam bom estande de plantas e desenvolvimento vegetativo em conformidade com as expectativas. Até o momento, não há informações sobre a presença de pragas e doenças significativas.

Na de Santa Rosa, 10% da área de cultivo encontra-se em desenvolvimento vegetativo; 25% está na fase de floração; 63% atingiu a fase de enchimento de grãos; e 2%, em maturação. Após um período desfavorável, marcado por condições adversas e extremamente úmidas, que poderão impactar a produtividade, os dias ensolarados foramE benéficos para as fases de desenvolvimento, floração e enchimento de grãos nas lavouras da região.

Comercialização (saca de 60 quilos)

O valor médio, conforme o levantamento semanal de preços da Emater/RS-Ascar no Estado, foi de R$ 56,63, o que significa um aumento de 2,09% em comparação com a semana anterior, quando cotado em R$ 55,47.

Fonte: Informativo Conjuntural n° 1791 – Emater/RS



Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares