A indução da supressão da doença do solo ao patogeno Bipolaris sorokiniana no trigo foi estudada por pesquisadores da Embrapa e os resultados mostraram que o processo de defesa está correlacionado com o recrutamento e a atividade de grupos bacterianos associados à rizosfera, o qual é determinado pelo genótipo de trigo na presença do patógeno.

Conforme Rodrigo Mendes, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente, “entender as interações entre microrganismos e plantas na rizosfera é essencial para desenvolver estratégias sustentáveis para melhorar a aquisição de nutrientes das plantas, a tolerância ao estresse abiótico e a resistência a doenças”.

“Investigamos a montagem do microbioma da rizosfera em diferentes genótipos de trigo durante os ciclos de monocultura desafiados com um patógeno no solo, para identificar o recrutamento de bactérias protetoras benéficas”, explica o pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Wagner Bettiol.

Os ciclos sucessivos de cultivo de trigo enriquecem as famílias bacterianas associadas à proteção das plantas, como Chitinophagacea e Rhodospirillaceae, e ativam diferentes funções metabólicas durante a indução da supressão do solo. Os dados mostraram que quando a rizosfera é invadida pelo patógeno em ciclos sucessivos de cultivo, a planta hospedeira é capaz de recrutar grupos microbianos específicos na rizosfera ativando o sistema de defesa natural.

O estudo foi apresentado no XIX International Symposium on Plant Disease Management, na sessão de poster e recebeu menção honrosa.

Fonte: Embrapa

Texto originalmente publicado em:
Embrapa Meio Ambiente
Autor: Cristina Tordin - Embrapa Meio Ambiente

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.