Em vídeo divulgado no canal no Youtube pelo pesquisador Marcelo Gripa Madalosso é abordado sobre um detalhe importante que infelizmente está acontecendo em diversas regiões do país atualmente que é o retorno das condições favoráveis para que ocorra o oídio nas lavouras de soja.

O pesquisador destacou que tivemos, nesta safra de 2019/20, um período de dezembro até janeiro caracterizado pelo déficit hídrico, principalmente na região sul do país, o que favorece a presença do oídio, porém, as temperaturas acima de 30°C prejudicam o patógeno causador da doença, fazendo com que a mesma não ocorresse até então.

Dentro desse parâmetro, atualmente as condições de estresse hídrico retornaram e as temperaturas estão mais baixas. De uma maneira geral, o oídio é um patógeno que exige, preferencialmente, temperaturas entre 18 a 24°C, sendo favorecido pelo déficit hídrico e baixas temperaturas.

Com isso, a soja poderá ser atacada pela doença mesmo agora no final do ciclo. Para as demais doenças, o pesquisador ressalta que a falta de umidade é um fator que acaba reduzindo bastante as chances de ocorrência de diversos outros patógenos, como a ferrugem, por exemplo.

Como o oídio consegue penetrar na estrutura da folha e se nutrir da mesma, muitas cultivares podem apresentar também cloroses ou necroses em função da presença do patógeno.

Em regiões mais altas, as condições são ainda melhores para a doença, pois tem-se temperaturas ainda mais amenas durante a noite, favorecendo ainda mais a doença. Com isso, deve-se ter um cuidado redobrado com a cultura, atentando para as aplicações e seguindo à risca o calendário de aplicações para controle e prevenção da doença mesmo no final do ciclo.

Confira o vídeo abaixo.


Inscreva-se no canal do pesquisador Marcelo Gripa Madalosso Aqui



Elaboração: Engenheira Agrônoma Andréia Procedi – Equipe Mais Soja.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.