A presença de esporos de ferrugem no ar vem sendo monitorada pela CCGL desde dezembro de 2018, por meio de um coletor de esporos instalado na área experimental do setor de Fitopatologia, no município de Cruz Alta, RS. Desde então, através de avaliações semanais,sempre foi observada a presença de esporos.

O que observa é uma flutuação no número de esporos coletados ao longo do período. Essa flutuação é decorrente das variações de temperatura e da disponibilidade hídrica. O número de esporos observados a partir do mês de setembro de 2019 – inicio da safra 19/20, é apresentado na figura abaixo.

Ações importantes:

  • A volta das chuvas favorece a ocorrência da doença, por isso é importante a utilização de reforços ou de fungicidas que contemplem em sua formulação o modo de ação curativo, principalmente porque a ferrugem já foi detectada em lavoura comercial no RS e há disponibilidade de inóculo no ar;
  • Utilização de fungicidas multissítios em associação ao fungicidas sítios específicos em todas as aplicações;
  • Manter intervalos regulares entre aplicações, mesmo se houver menor precipitação.

Fonte: CCGL – Pesquisa e Tecnologia

Texto originalmente publicado em:
CCGL - Pesquisa e Tecnologia
Autor: CCGL - Pesquisa e Tecnologia

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.