Segundo a base de dados da Secretaria de Energia, a produção de etanol à base de milho caiu de 50.443 metros cúbicos em janeiro de 2018 para 39.815 m³ este ano. Este é o menor volume desde outubro de 2016, quando a indústria produziu 35.583 metros cúbicos.

Até agora, o etanol de milho mantinha um padrão estável de crescimento da produção. Ao longo de 2018, as cinco usinas instaladas no país produziram 585.619 m³, 6% acima de 2017. Mas o começo do ano trouxe más notícias para esse setor. Enquanto a produção de etanol de cana-de-açúcar caiu 8%, o etanol de milho caiu 21%.

O pior desempenho foi liderado pelo Promaiz, uma joint venture entre a Bunge e a Aceitera General Deheza, com sede em Alejandro (Província de Córdoba), que passou de elaborados 14.373 m³ em janeiro de 2018 para 7.587 m³ este ano. Na tabela a seguir, da RIA Consultores para eFarmNewsAr, é possível ver o desempenho inter-anual das cinco fábricas.



“Com a queda da demanda de gasolina em janeiro, as empresas de petróleo reduziram suas compras de etanol para a mistura obrigatória; e fevereiro foi o mesmo ”, disse o consultor Claudio Molina 

“Mas a questão chave no negócio de bioetanol na Argentina é o conflito entre algumas fábricas e o governo, alimentado pela decisão da Secretaria de Energia de dar novas cotas para a mistura obrigatória para algumas empresas, não para todas”, acrescentou Molina.

Há poucos dias, a Secretaria de Energia publicou seu pedido 57/2019 dando 58.000 m³ de nova cota para a Maíz Energía SA, e outros 30.000 m³ para a Bioenergías Agropecuarias SA, e aumentando em 63% a cota para Bio4 e 66% para Vicentin.

Fonte: eFarmNewsAr

Texto originalmente publicado em:
eFarmNewsAr 
Autor: eFarmNewsAr 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.