Nessa sexta-feira, 7, no Tatersal do Parque de Exposições de Maracaju, foi realizada a segunda edição do Fórum Mais Milho, em Mato Grosso do Sul.  Estiveram presentes produtores rurais, técnicos, estudantes e professores da região, que prestigiaram os painéis:  “Renda em baixa: como fica o crédito?”, com o pesquisador do Cepea/Esalq, Mauro Osaki, e “Etanol: oportunidades para o produtor”, com o diretor-executivo da Abramilho, Glauber Silveira.

Osaki apresentou uma radiografia das safras de soja e milho no Estado. “É uma safra diferente! Bem diferente da safra 2022/2023 . Nós tivemos a frustração, uma reação dos preços, e você começa a perceber que a capacidade do produtor de sanar seus investimentos começa a entrar em risco.  Em 2023, começamos a entrar abaixo da linha média das últimas sete safras e isso começa a apresentar um sinal de alerta por algumas razões, em função da rentabilidade que nós estávamos vivenciando desde 2019/20 para cá,  os valores dos arrendamentos começaram a ficar mais caros, os valores das máquinas também começaram a ficar mais caros. De 2021 a gente começa a virar a chave, e essa região de vocês de Mato Grosso do Sul começa a ter uma variação climática mais presente no dia a dia do que no passado”.

Ainda de acordo com o pesquisador, o produtor rural deve finalizar o ano sem sanar as dívidas e sem fazer investimentos importantes “O produtor rural já está no negativo. Ele não conseguiu pagar a conta dele,  e ele ainda tem a safra passada pra pagar e não é de uma outra safra para a outra que eu levanto isso. Soja você tem que pagar ano a ano e isso se torna um desafio maior.

Mauro ponderou ainda que outra frustração do agricultor do Mato Grosso do Sul será com a safra de milho, que tem apresentado queda na produtividade desde 2021. “Quando a gente olha para a safra de milho, é muito fácil você ter uma frustração aqui na região, ou é geada ou é seca. Devemos fechar 23/24 no prejuízo”.

Logo após o primeiro painel, foi realizada uma mesa-redonda. O diretor financeiro da Aprosoja/MS, Fabio Caminha, participou das discussões e ponderou que “a distribuição das chuvas foi muito irregular durante todo o ano e não há o que fazer para reverter. O que a gente precisa é fazer o dever de casa, acho que o cenário mudou e então precisamos enxergar os nossos números. O crédito está escasso, os juros estão altos, então o produtor precisa entender seu sistema produtivo e se reinventar”.

O diretor-executivo da Abramilho, Glauber Silveira, expôs as oportunidades de expansão para a produção de etanol no país.  “Uma tonelada de milho produz 450 litros de etanol. É um setor em expansão e está crescendo cada vez mais.  Nos últimos 10 anos, a safra de milho saltou de 72, 9 milhões para 114 milhões de toneladas. Novas rotas de produção vão garantir mais matéria prima para a produção de etanol”.

O Fórum Mais Milho teve o apoio do Sindicato Rural de Maracaju e integrou a programação da Expomara.

A íntegra do evento pode ser conferida aqui.

Autor/Fonte: Crislaine Oliveira/Aprosoja MS



DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.