InícioDestaqueTecnologia de aplicação: adjuvantes ativadores

Tecnologia de aplicação: adjuvantes ativadores

No texto anterior vimos sobre os adjuvantes modificados de calda, agora vamos ver a classificação dos adjuvantes ativadores. Os adjuvantes ativadores, são aqueles que quando adicionados ao tanque de pulverização, tem a capacidade de aumentar a atividade do herbicida. Nesta classificação estão incluídos os:

  • surfactantes;
  • óleos vegetais;
  • óleos minerais;
  • derivados de silicone;
  • fertilizantes azotados

Vale lembrar que, no mercado, existem produtos que já possuem adjuvante na própria formulação, assim não é preciso adicionar no tanque. Os surfactantes são os mais utilizados, estas moléculas têm caráter anfifílico. As moléculas de caráter anfifílico tem uma parte hidrofílica e outra lipofílica, ou seja, uma parte “amiga” da água e outra parte “amiga” do óleo, respectivamente. 

Os surfactantes reduzem a tensão superficial da gota que é pulverizada. Essa redução da tensão superficial, facilita a absorção do produto pela planta, pois altera a estrutura da cera das folhas e caules, fazendo com que o herbicida penetre mais facilmente.

Observe pela figura abaixo que, o herbicida precisa atravessar a cutícula da folha, porém a cutícula tem caráter hidrofóbico, ou seja, repele a água, dificultando a absorção de partículas líquidas, no nosso caso, das gotas pulverizadas.

Com isso, é preciso adicionar o surfactante, com objetivo de facilitar o molhamento em superfícies, facilitando o contato da calda com a cutícula. Os surfactantes são divididos de acordo com sua ionização ou dissociação em água em 4 classes:

  • aniônicos: utilizados em formulações com herbicidas, sozinhos ou em mistura com não iônicos. Se dissociam em água, formando um ânion anfifílico e um cátion (metal alcalino – K+, Na+);
  • catiônicos: em água se dissociam em um cátion e um ânion anfifílico. O cátion possui nitrogênio quaternário, por isso são chamados de sais de quaternário de amônio. São menos utilizados, pois são mais caros, podem precipitar na presença de sais, além da possibilidade de serem fitotóxicos.
  • não iônicos: não se ionizam, nem se dissociam em água. São os mais usados, pois não reagem com sais ou com as moléculas de herbicidas. Assim, não são influenciados pela “água dura”.
  • anfotéricos: tem dissociação aniônica e catiônica. 

Agora que já vimos os adjuvantes ativadores classificados como surfactantes, vamos ver os óleos.

Óleos

Os óleos são adjuvantes ativadores pois, aumentam a penetração dos herbicidas lipossolúveis, ou seja, “amigos do óleo. São utilizados quando, as condições ambientais estão acima da temperatura ideal e a umidade relativa do ar é baixa, ou ainda, quando a cutícula da folha é espessa (grossa).

Quando usamos um adjuvante de óleo, precisamos adicionar um emulsionante tensoativo. Isso, faz com que as gotículas de óleo, fiquem uniformemente distribuídas na mistura.  Os óleos podem ser de origem mineral ou vegetal. Os de origem mineral, são derivados do refino do petróleo. Os de origem vegetal, de plantas e suas sementes.

Os óleos minerais são muito utilizados com herbicidas lipossolúveis. As doses são baixas e tem como objetivo reduzir a tensão superficial, aumentar o espalhamento, molhagem, absorção, reduzir o escorrimento. Podem ser:

  • óleos parafínicos: fazem trincas nas cutículas, isso faz com que aumente a penetração do produto;
  • naftalênicos.

Os óleos vegetais são de dois tipos:

  • triglicerídeos: são óleos surfactantes híbridos, são conhecidos por “óleos de sementes”, são extraídos de plantas. Estes, contêm 5 a 7% de tensoativo emulsionante;
  • óleos metilados: conhecidos por óleos de sementes metilados (MSO), possuem 10 a 20% de surfactante.

Agora que já vimos os surfactantes e os óleos, vamos ver os fertilizantes nitrogenados.

Fertilizantes nitrogenados (amônio)

São adicionados à calda para melhorar o efeito do herbicida e servir como adubo. Também podem servir como modificadores de calda, pois ajudam a prevenir a formação de precipitados. Os fertilizantes nitrogenados incluem:

  • nitrato de amônio;
  • sulfato de amônio;
  • uréia;
  • polifosfato de amônio.

São muito usados para aumentar a atividade de herbicidas ácidos fracos em pós-emergência, para aumentar a absorção.

Conclusão

Os adjuvantes são classificados em ativadores e modificadores de calda. No texto de hoje vimos os adjuvantes ativadores. Os adjuvantes ativadores são classificados em surfactantes, óleos e fertilizantes nitrogenados.  São utilizados para facilitar a penetração dos herbicidas pelas folhas das plantas daninhas.

Referências utilizadas neste texto:

Aspectos da biologia e manejo das plantas daninhas / organizado por Patrícia Andrea Monquero – São Carlos: RiMa Editora, 2014.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre os adjuvantes ativadores? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Girardeli, Sou Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar) e Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ). Atualmente, estou cursando MBA em Agronegócios.

 



Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares