No artigo anterior, vimos que os adjuvantes são classificados de acordo com a sua função em:

  • ativadores;
  • modificadores de calda.

Hoje vamos entender um pouco mais sobre os adjuvantes classificados como modificadores de calda.

Os modificadores de calda podem ser: 

  • molhantes;
  • corantes;
  • controladores de deriva;
  • agentes espessantes;
  • agentes adesivos;
  • condicionadores de calda;
  • agentes de compatibilidade;
  • reguladores de pH;
  • umectantes;
  • antiespumantes;
  • absorventes de UV.

Fonte: Aenda

O objetivo de adicionar os modificadores de calda é para melhorar a aplicação da formulação.

Lembrando que eles não aumentam diretamente a atividade do herbicida.

Os modificadores de calda vão alterar as propriedades físicas ou químicas da calda, para facilitar a aplicação, ou ainda, reduzir efeitos indesejados.

Vamos ver agora um pouco mais de cada um dos modificadores de calda.

  • Molhantes 

Os agentes molhantes tem a capacidade de reduzir a tensão superficial da gota pulverizada, e forme uma camada fina nas folhas e caules da planta.

Alguns molhantes afetam apenas as propriedades físicas das gotas, outras afetam também as químicas, afetando a formulação.

Fonte: Croda Crop Care.

  • Corantes

O corante tem a função de facilitar a visualização de onde a gota pulverizada foi aplicada.

  • Controladores de deriva

Estes agentes modificadores auxiliam na redução da deriva.

Alteram as propriedades da calda, deixando-o mais espessa, com maiores tamanhos de gotas, reduzindo o número de gotas pequenas.

Lembre-se que gotas pequenas são mais fáceis de serem levadas pelo vento.

  • Agentes espessantes

Também auxiliam na redução da deriva, mas são voltados para as aplicações aéreas. 

São mais utilizados onde há culturas sensíveis ao redor da área a ser tratada com o herbicida. 

  • Agentes adesivos

Estes produtos são responsáveis por manter o herbicida em contato com a planta, evitando perdas por evaporação ou escorrimento. 

São muito utilizados com formulações com pó molhável seco e granulares.

  • Condicionadores de calda

São utilizados quando a água usada para a calda de pulverização é rica em sais.

Quando a água usada no tanque é rica em sais, pode haver a formação de precipitados ou sais.

Você já deve ter ouvido falar sobre “água dura”, essa é o nome dado a água que é rica em cálcio.

O cálcio por ser um cátion, reage com o herbicida, reduzindo sua absorção, o que prejudica a eficácia do produto.

  • Agentes de compatibilidade

Lembram do texto sobre “Mistura de defensivos agrícolas”? Vimos que alguns produtos, quando misturados, podem ser incompatíveis, o que leva a misturas não homogêneas, ocorrendo a formação de precipitados no tanque de pulverização.

Os agentes de compatibilidade são adicionados com a finalidade de evitar as interações físicas e químicas.

Isso acontece quando aplicamos bentazon e sethoxydim, ou ainda, 2,4-D com formulação líquida de nitrogênio.

  • Reguladores de pH

Os reguladores de pH são adicionados para ajustar o pH da calda de pulverização.

O pH influencia na eficácia dos herbicidas, pois pode afetar a meia-vida, solubilidade, eficácia, além de formar precipitados.

Ao adicionar um regulador de pH, melhoramos a dispersão do herbicida, a solubilização da mistura e podem aumentar a compatibilidade no tanque.

Fonte: Hamilton Humberto Ramos. IAC.

  • Umectantes

Os agentes umectantes são materiais solúveis em água, que não evaporam rápido depois que a parte aquosa da pulverização seca, isso porque eles retêm água do ambiente.

Assim, ao adicionar um agente umectante, estaremos aumentando o tempo disponível para a absorção do herbicida. 

  • Antiespumantes

Como o próprio nome sugere, o objetivo é reduzir a espuma no tanque de pulverização.

Os antiespumantes rompem as bolhas de ar, o que enfraquece a estrutura da espuma.

  • Absorventes de UV

Alguns herbicidas podem ser degradados pela luz natural do sol e luz ultravioleta. 

Eles atuam por meio de processos físicos ou químicos, como por exemplo, aumentando a taxa de captação do herbicida pela cutícula ou absorvendo a luz UV.

Conclusões

No texto de hoje vimos as funções de todos os agentes modificadores de caldas de pulverização.

Vimos como são classificados e quais as funções de cada um. No próximo texto vamos dar dicas de produtos para cada uma das opções listadas acima.

Referências utilizadas neste texto:

Aspectos da biologia e manejo das plantas daninhas / organizado por Patrícia Andrea Monquero – São Carlos: RiMa Editora, 2014.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre adjuvantes modificados de calda? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Giraldeli, Sou Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar) e Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ). Atualmente, estou cursando MBA em Agronegócios.

 



 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.