Técnicos da área de Marcos Juárez afirmam que “se La Niña for confirmada e as chuvas da primavera atrasarem, pode haver ainda menos milho”. O clima será decisivo para o milho se recuperar ou recuperar a intenção de diminuir ainda mais a área de plantio na zona central.

Até agora, essa redução é estimada em 10%. Julho terminou sem chuvas e, quanto às probabilidades de precipitação no mês de agosto, Aiello alerta: “seria raro o desenvolvimento de chuvas que possa reconstruir o perfil”.

Os produtores já estão pensando nas chuvas de setembro e precisam saber qual pode ser o cenário das chuvas de verão. Em alguns dias, o Oceanic Child Index será atualizado e teme-se que o la nina se confirme. Os técnicos também querem saber como o fenômeno atlântico atuará sobre as chuvas, que são indispensáveis  pra salvar o milho na Argentina no último ciclo.

Existem técnicos próximos à área de Carlos Pellegrini que comentam que “não há movimento ou planejamento”. Nesta região, a demanda por insumos de milho mostrou pouco movimento e as decisões são ampliadas. “Nos pousios, é uma questão de usar herbicidas que permitam flexibilizar o plantio espesso e passar da soja ao milho”, explicam eles na área.

Por enquanto, “não há muito entusiasmo, mas tudo pode mudar nos primeiros dias de setembro”, comentam Pergamino. “O preço, as políticas e, em particular, as chuvas para o início da campanha são os fatores que mais influenciam a área a ser plantada”.

Reservas de água atuais contra um ano atrás 

A primeira imagem, a que indica seca em grande parte da faixa oeste, reflete as reservas em 29 de julho de 2020. A da esquerda é de um ano atrás; as reservas de água na região central eram quase ótimas e apenas escassas no sudeste de Córdoba, Chaco e Santiago del Estero. O Pacífico Equatorial Central foi alinhado a favor e os mecanismos de escala local promovidos acumularam-se um pouco acima do normal para o norte do país.



Trigos continuam a deteriorar-se

Nesta semana, os quadros em condições regulares totalizaram 280 mil ha na zona central. Eles estão concentrados principalmente no leste do Cordoba e no centro-sul de Santa Fe, as áreas com maior incidência de seca. Muitos lotes que estavam em muito boas condições há uma semana também caíram 10 pontos percentuais, representando agora apenas 20% da área total. 63% são classificados como bons. A maioria desses lotes está localizada no sudeste de Santa Fe e no nordeste de Buenos Aires. Os últimos chuviscos mantêm a condição do cereal e ajudariam a superar o perfilhamento sem perder muito potencial de rendimento. Em muitos casos, as fertilizações com nitrogênio pendentes podem ser realizadas nessa área.

O plantio de trigo cai após dois anos de aumento na área central

O plantio começou com grande entusiasmo no início, prevendo um crescimento da área de 5% em relação ao ano anterior. No entanto, a falta de umidade foi um obstáculo intransponível para muitos lotes. As tarefas de plantio de trigo são concluídas com um novo corte de 40 mil hectares. Finalmente, a semeadura de trigo cai 10% em relação ao ano passado, cobrindo uma área estimada em 1,6 M ha de trigo.

Fonte: Adaptado de Bolsa de Comércio de Rosário

Texto originalmente publicado em:
Bolsa de Comércio de Rosário - BCR
Autor: BCR

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.