InícioDestaqueVocê conhece o nematóide do cisto da soja?

Você conhece o nematóide do cisto da soja?

Foto de capa: S. Markell, NDSU

Considerada por alguns uma praga, por outros uma doença, os nematoides fitopatogênicos são frequentemente observados na cultura da soja, causando danos que podem prejudicar o crescimento e desenvolvimento vegetal, afetando a produtividade da cultura. Dentre as principais espécies que infestam a soja, destaca-se o nematoide de cisto da soja (Heterodera glycines), nematoide, cuja soja, é a principal hospedeira de importância econômica.

Com danos silenciosos, o nematoide do cisto da soja penetra nas raízes da planta e dificulta a absorção de água e nutrientes, resultando em porte reduzido das plantas e clorose na parte aérea, daí a doença ser conhecida como nanismo amarelo da soja. Os sintomas aparecem em reboleiras, geralmente, próximo de estradas ou carreadores (Grigolli & Grigolli, 2018).
Em casos mais extremos, em ambientes mais áridos e inférteis, os danos em decorrência do nematoide do cisto da soja podem inclusive causar a morte das plantas.

Figura 1. Sintomas típicos da parte aérea da soja afetada pelo nematoide do cisto da soja (Heterodera glycines).

Foto: S. Markell, NDSU

Em ambientes de alta fertilidade, e com boa disponibilidade hídrica no solo, nem sempre os sintomas visuais na parte aérea da soja são expressos, sendo assim, para uma diagnose mais assertiva, é necessário analisar o sistema radicular das plantas. Nas plantas afetadas, o sistema radicular fica reduzido e apresenta, a partir dos 30 – 40 dias após a semeadura da soja, minúsculas fêmeas do nematoide, com formato de limão ligeiramente alongado e coloração branca (Figura 2). Com o passar do tempo, a coloração vai mudando para amarelo, marrom claro e, finalmente, a fêmea morre e seu corpo se transforma em uma estrutura dura de coloração marrom escura, denominada cisto (Figura 3), que se desprende da raiz e vai para o solo (Figura 4) (Dias et al., 2010).

Figura 2. Nematoide do cisto da soja nas raízes de soja.

Fonte: Fontanelle Hybrids (2023)


Figura 3. Cistos maduros do nematoide do cisto da soja.

Foto: S. Markell, NDSU

Figura 4. Da esquerda para a direita: cistos, ovo e juvenis de Heterodera glycines.

Fotos: Arquivo Embrapa Soja

Portanto, o diagnóstico definitivo deve ser realizado com base nos sinais, ou seja, presença de fêmeas de cor branca ou amarela presas às raízes, cerca de cinco semanas após a semeadura da soja (Favareto et al., 2019). Vale destacar uma das características desse fitonematoide, é que sua reprodução ocorre por anfimixia (cruzamento entre macho e fêmea), o que garante alta variabilidade genética. Conforme destacado por Favareto et al. (2019), essa alta variabilidade genética dificulta a denominação as populações desse nematoide como raças nas áreas afetadas, sendo comum encontrar a mistura entre as raças. Isso dificulta o manejo da praga e os programas de melhoramento genético da soja visando a resistência ao nematoide.

Embora seja possível utilizar cultivares com maior resistência e/ou tolerância à praga, vale destacar que o uso frequente de uma mesma cultivar resistente, e/ou das mesmas fontes de resistência, exerce pressão de seleção sobre a população desse nematoide, o que resulta na alteração da frequência gênica de sua população, favorecendo o aumento dessas raças (Favareto et al., 2019). Logo, deve-se adotar estratégias que permitam reduzir a comunidade dos nematoides, sem aumentar a pressão de seleção sobre os indivíduos, tais como a rotação de culturas com plantas não hospedeiras e o controle biológico da praga.


Veja mais: Uso de crotalária como alternativa no controle de nematoides



Referências:

DIAS, W. P. et al. NEMATOIDES EM SOJA: IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE. Embrapa, Circular Técnica, n. 76, 2010. Disponível em: < https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CNPSO-2010/30766/1/CT76-eletronica.pdf >, acesso em: 18/01/2024.

FAVARETO, L. et al. DIAGNOSE E MANEJO DE FITONEMATOIDES NA CULTURA DA SOJA. Informe Agropecuário, 2019. Disponível em: < https://www.researchgate.net/profile/Mauricio-Meyer/publication/344755488_Diagnose_e_manejo_de_fitonematoides_na_cultura_da_soja/links/5f8e38c7a6fdccfd7b6e844e/Diagnose-e-manejo-de-fitonematoides-na-cultura-da-soja.pdf >, acesso em: 18/01/2024.

FONTANELLE HYBRIDS. IDENTIFYING COMMON SOYBEAN DISEASE DURING VEGETATIVE GROWTH (NORTHERN REGIONS). Fontanelle Hybrids, 2023. Disponível em: < https://www.fontanelle.com/en-us/agronomy-library/identifying-common-soybean-diseases-during-vegetative-growth.html >, acesso em: 18/01/2024.

GRIGOLLI, J. F. J.; GRIGOLLI, M. M. K. MANEJO DE NEMATOIDES NA CULTURA DA SOJA. Fundação MS, Tecnologia e produção: Soja 2017/2018, cap. 7, 2018. Disponível em: < https://www.fundacaoms.org.br/wp-content/uploads/2021/02/httpswww.fundacaoms.org_.brpublicacoestecnologia-e-producao-safratecnologia-producao-soja-2017-2018.pdf >, acesso em: 18/01/2024.

NDSU. SOYBEAN DISEASE DIAGNOSTIC SERIES. Norte Dakota State University, 2021. Disponível em: < https://www.ndsu.edu/agriculture/ag-hub/publications/soybean-disease-diagnostic-series >, acesso em: 18/01/2024.

Foto de capa: Cristiano Bellé

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares