O controle biológico do mofo branco em soja e a metodologia usada para a realização dos ensaios dessa pesquisa serão apresentados e discutidos na primeira mesa-redonda do 42º Congresso Paulista de Fitopatologia, de 2 a 4 de junho, na Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP).

Conforme Mauricio Meyer, pesquisador da Embrapa Soja (Londrina, PR), a palestra abordará os resultados dos ensaios cooperativos de controle biológico de mofo-branco (Sclerotinia sclerotiorum) em soja, já que essa é uma das principais doenças na cultura da soja, estimando-se que cerca de 28% da área de produção brasileira esteja infestada pelo patógeno, totalizando mais de 10 milhões de hectares que necessitam da adoção de medidas integradas de manejo da doença.

O controle biológico é uma das medidas de controle da doença e sua adoção vem aumentando nos últimos anos no Brasil. Meyer explica que os ensaios cooperativos de controle biológico de mofo-branco em soja vem sendo conduzidos desde 2012 e têm como objetivo identificar a eficiência de produtos registrados e em fase de registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), na inviabilização de escleródios de Sclerotinia sclerotiorum no solo.

Para o pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Wagner Bettiol, presidente da comissão organizadora do Congresso, “os novos conhecimentos, obtidos pela ciência, nos últimos anos, permitiram que o controle biológico crescesse, em torno de 15% ao ano. Portanto, é de extrema importância ampliar as discussões sobre o tema diretamente e com os intrinsecamente envolvidos, para que a sociedade usufrua cada vez mais de tecnologias sustentáveis”.

Também serão discutidos no Congresso o microbioma do solo, a ecologia de vírus fitopatogênicos e as doenças que estão transformando os cultivos agrícolas.

Para ver a programação completa e formas de inscrição, acesse aqui.

Fonte: Embrapa

Foto de capa: Maurício Meyer – Embrapa

Texto originalmente publicado em:
Embrapa Meio Ambiente
Autor: Cristina Tordin - Embrapa Meio Ambiente

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.