A cultura do algodão em 2020 foi a mais impactada entre as commodities agrícolas, principalmente referente à demanda pela pluma – devido à Covid-19, que forçou os países consumidores da fibra a fecharem suas economias. Embora o cenário pouco favorável, MT se destacou durante o ano ao exibir mais um recorde de produção de algodão em caroço na safra 19/20, consolidado em 5,21 milhões de t.

O crescimento foi reflexo da significativa ampliação da área, além das boas condições climáticas que favoreceram a produtividade a campo. Apesar da fase crítica da Covid-19 no primeiro semestre, o segundo foi marcado pelos níveis recordes do preço da pluma, alcançando uma média anual de R$ 95,68/@, alta de 14,78% quando comparado com 2019. Tal avanço nos preços está atrelado a valorização do dólar e a menor disponibilidade da pluma – visto que os produtores deram prioridade à entrega dos contratos já firmados.

Além disso, com a retomada da demanda gradualmente nos últimos meses, o preço da pluma disponível tem ficado acima dos R$ 120/@. Por fim, com a pluma mato-grossense em alta no mercado externo, as exportações durante o ano alcançaram a marca de 1,15 milhão de t (jan/20 a nov/20), sinalizando mais um recorde na série histórica do estado.

Confira agora os principais destaques do boletim:

• Com a Covid-19 e os altos estoques mundiais da pluma, as cotações na bolsa de NY em 2020 recuaram 6,11% e 5,31% no comparativo anual, para os contratos de jul. e dez., respectivamente.

• Com a redução na demanda pela pluma em 2020, o basis chegou a operar em campo negativo no ano. Assim, apresentou desvalorização de 57,57% em relação a 2019.

• O dólar em 2020 foi um dos principais suportes no preço da fibra durante quase todo o ano. Assim, na média anual a moeda avançou 30,79% ante a 2019.

• Em razão da menor disponibilidade no mercado, os subprodutos de algodão em MT valorizaram no ano de 2020, com variações de 74,40%, 50,94% e 46,40%, para o caroço, a torta e o óleo, que ficaram cotados a um preço médio de R$ 721,39/t, R$ 745,54/t e 3.103,64/t, respectivamente.

Perspectivas:

As expectativas para 2021 para o algodão mato-grossense ainda são de recuo nas estimativas de área (-10,60%) e de produção (-16,88%) para a safra 2020/21. As incertezas quanto à demanda externa têm refletido em atraso na comercialização da safra em 14,84 p.p. em relação ao mesmo período da 19/20 – influenciando produtores a deixarem de cultivar algodão na temporada e investirem em outras culturas.

Além disso, o atraso na semeadura da soja preocupa os produtores que fazem a cultura em segunda safra e os que já venderam boa parte da produção terão que produzir mesmo com os riscos com a cultura – janela ideal menor, custos elevados e clima em aberto. Embora as dificuldades apontadas até aqui, o preço da pluma futura nos últimos meses em Mato Grosso tem reagido no mercado.

Para se ter uma ideia, o preço médio das paridades de exportação para os contratos de jul/21 e dez/21 ultrapassou o valor de R$ 100/@ em ambos os contratos – devido à alta na cotação da pluma na bolsa de NY e do dólar, além do basis positivo.

De modo geral, o cenário para 2021 poderá se inverter com o desenrolar da vacina para a Covid-19, contribuindo para o avanço da economia nos principais consumidores da pluma e consequentemente refletindo na demanda pela matéria-prima.

Fonte: IMEA

Texto originalmente publicado em:
Imea
Autor: IMEA

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.