InícioDestaqueApenas fungicidas multissítios são protetores?

Apenas fungicidas multissítios são protetores?

No meio agrícola, existem um falso entendimento que todo fungicida multissítio é protetor. Entretanto, dependendo da situação, essa premissa não é válida, tão pouco correta. Com base em seu espectro de ação, um fungicida pode ser multissítio ou sítio-específico.

Fungicidas sítio-específicos são ativos apenas contra um único ponto da via metabólica de um patógeno ou uma única enzima ou proteína necessária para o fungo (Godoy et al., 2020). Já fungicidas multissítios por sua vez, afetam diferentes pontos metabólicos do fungo.

Figura 1. Alguns locais de ação de fungicidas na célula do fungo.

Os fungicidas multissítios são muito empregados no manejo da resistência de doenças a fungicidas, visto que a seletividade dos fungicidas sítio-específicos, pode resultar no desenvolvimento de resistência por parte do patógeno caso o uso desses fungicidas seja frequente. Logo, gerenciar o uso de fungicidas, sejam eles multissítios ou sítio-específicos é de suma importância para o manejo da resistência de doenças em plantas, sendo um componente crítico para retardar o desenvolvimento de populações resistentes, pela pressão de seleção exercida pela aplicação de fungicidas (FRAC-BR, 2022).



Mas por que se convencionou que todo fungicidas multissítios é protetor?
De maneira geral, pode-se dizer que a ação protetora de um fungicida, seja ele multissítio ou sítio-específico está condicionada ao momento de aplicação (antes ou depois da infecção do patógeno). Logo, quando aplicado antes da infecção do patógeno, tanto fungicidas multissítios quando sítio-específicos podem atuar como protetores “protegendo a planta contra a doença”.

Normalmente se relaciona fungicidas multissítios a ação protetora em virtude do posicionamento deles na cultura, comumente empregados de forma preventiva a ocorrência das doenças, contribuindo para a “proteção das plantas”. Contudo, quando aplicado de forma preventiva, até mesmo um fungicida sítio-específico pode atuar como protetor, desde que aplicado antes da infecção. Da mesma forma, um fungicida multissítio aplicado após a infeção do patógeno na planta, não atua como protetor.

Quer saber mais sobre fungicidas multissítios? Clique aqui e confira o curso que a equipe Mais Soja preparou para você.


Veja mais: Eficiência de fungicidas multissítios e produto biológico no controle da ferrugem-asiática da soja




Referências:

FRAC-BR. CULTURAS: IMPORTANTE: NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O MANEJO DA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA. Comitê de Ação A Resistência a Fungicidas, 2022. Disponível em: < https://www.frac-br.org/soja >, acesso em: 07/12/2022.

GODOY, C. V. et al. EFICIÊNCIA DE FUNGICIDAS MULTISSÍTIOS NO CONTROLE DA FERRUGEM-ASIÁTICA DA SOJA, Phakopsora pachyrhizi, NA SAFRA 2019/2020: RESULTADOS SUMARIZADOS DOS EXPERIMENTOS COOPERATIVOS. Embrapa, Circular Técnica, n. 161, 2020. Disponível em: < https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/215604/1/CT-161-OL.pdf >, acesso em: 07/12/2022.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube)

 

 

 

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares