As condições úmidas são as principais responsáveis ​​pelo surgimento de doenças na safra de soja de Nebraska, nos Estados Unidos.

As chuvas recordes durante agosto e as condições úmidas contínuas até setembro que ocorreram na região são as principais responsáveis ​​pelo surto de doenças que a safra de soja de Nebraska vem sofrendo. A seguir, são descritas algumas das doenças mais comuns diagnosticadas pela Clínica de Diagnóstico de Plantas e Pragas da UNL em amostras coletadas em todo o estado de Nebraska.

Síndrome da Morte Súbita

A síndrome da morte súbita (SDS), causada pelo fungo Fusarium virguliforme, se desenvolve durante as estações frias e úmidas. O fungo pode infectar as raízes no início da fase vegetativa, mas os sintomas foliares se desenvolvem durante o estádio R3 ou nos estágios seguintes. Chuvas fortes durante a floração promovem o desenvolvimento de sintomas foliares, bem como a presença de nematoide do cisto da soja. Os sintomas incluem o amarelecimento internerval e necrose nas folhas que rapidamente ficam marrons (Figura 1). As folhas podem cair alguns dias após o desenvolvimento dos sintomas. Os sintomas foliares são acompanhados por podridão radicular grave (Figura 2).

O interior das hastes inferiores pode ficar descolorido, enquanto a medula central permanece branca. Às vezes, um crescimento fúngico na coloração azul de cobalto pode ser visível nas raízes sintomáticas.

Figuras 1 e 2. Plantas com Síndrome da Morte Súbita (SDS) desenvolvem clorose entre as nervuras (esquerda) que progride para desfolhamento e podridão radicular.

Fonte: (Cortesia da extensão UNL).

As variedades de soja resistentes à SDS podem reduzir os sintomas foliares em até 80% e devem ser usadas como a melhor prática de gerenciamento da SDS. Alguns fungicidas para o tratamento de sementes também podem ser eficazes, especialmente quando usados ​​em combinação com variedades resistentes.

O controle do nematoide do cisto de soja também é recomendado porque o nematóide pode causar o desenvolvimento precoce da SDS e tornar-se mais grave nos campos em que ambos estão presentes. A rotação de culturas com milho não é eficaz para o manejo, porque o fungo pode sobreviver em grãos de milho e outros detritos.

Para mais informações, consulte:

Síndrome da Morte Súbita (CPN-1011), Rede de Proteção de Cultivos.

Seção Síndrome da Morte Súbita, Doença de Planta de Soja CW.

Identificando a Síndrome da Morte Súbita em Soja, um pequeno vídeo em CW.

Síndrome da Morte Súbita na Soja, um pequeno vídeo em CW.

Mancha foliar (olho de rã)

A mancha foliar também conhecida como manha olho de rã é causada pelo fungo Cercospora sojina. O fungo sobrevive em restos e sementes infestados de culturas. Os sintomas são lesões pequenas, irregulares e com uma coloração que varia de cinza a marrom, com bordas escuras (Figura 3). A doença é favorecida por temperaturas quentes e alta umidade relativa.

Nos campos onde há histórico de doença grave da mancha foliar, devem ser utilizadas variedades de soja resistentes a doenças e, quando possível, o campo deve ser rotacionado para uma cultura não hospedeira.

Figura 3. As lesões causadas pela mancha foliar são pequenas, de formato irregular, de cor cinza a marrom, com margens escuras.

Fonte: Morning AgClips.

Os fungicidas foliares podem ser muito eficazes no tratamento da doença, principalmente quando aplicados em R3-R5. No entanto, a resistência aos fungicidas Qol (anteriormente denominados estrobilurinas) está se tornando cada vez mais comum entre os estados nos EUA, incluindo Dakota do Sul e Iowa.

Para os produtores da região, caso observado um controle reduzido da mancha foliar após uma aplicação de fungicida foliar, a recomendação é de que o produtor notifique a Extensão de Nebraska. Produtos que contenham ingredientes ativos de várias classes podem ser necessários para alcançar o controle adequado. No momento, estão disponíveis combinações de produtos com até três modos de ação.

Para mais informações, consulte:

Frogeye Leaf Spot (CPN-1017), Rede de proteção de culturas.

Frogeye Leaf Spot, na seção CW Soybean Plant Disease.

Identificando o ponto foliar de Frogeye na soja, um pequeno vídeo CW.

Podridão parda da haste da soja

A podridão parda da haste, causada pelo fungo Phialophora gregata, infecta raízes e caules inferiores. O patógeno afeta o movimento da água e dos nutrientes na planta. Como a SDS, a infecção pode ocorrer precocemente, mas os sintomas das folhas não se desenvolvem até os estágios reprodutivos. As plantas podem desenvolver hastes marrons em direção à base.

Os sintomas foliares podem incluir clorose internerval semelhante à SDS. Uma característica diagnóstica dessa doença é a descoloração marrom com tecido “semelhante a disco” empilhado no centro (medula) das hastes rachadas (Figura 4).

Os solos úmidos no início da estação e o estresse hídrico posteriormente, contribuem para o desenvolvimento da doença. Variedades de soja resistentes ao plantio e rotação de culturas são importantes para o manejo da podridão-marrom.

Figura 4. Descoloração vascular e medular causada pela podridão parda da haste da soja.

Fonte: Fonte: Morning AgClips.

Para mais informações, consulte:

Podridão da haste marrom da soja, rede de proteção de plantas.

Podridão da haste marrom, na seção CW Soybean Plant Disease.

Mofo-branco

O mofo-branco é causado pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum. A doença é comum em muitas áreas e é agravada com umidade e temperaturas mais baixas. O espaçamento estreito entre fileiras, que propicia o fechamento precoce da copa e a umidade relativa mais alta, favorece o desenvolvimento da doença.

As plantas mortas podem aparecer isoladamente ou em manchas no campo, com crescimento de fungos brancos evidente nas hastes e no caule (Figura 5). As hastes infectadas podem ficar esbranquiçadas e pegajosas. Os caules e as vagens de sementes também podem conter estruturas fúngicas duras e pretas (escleródios) que se assemelham a fezes de ratos. Os escleródios caem no chão durante a colheita e sobrevivem por anos até que as condições do campo sejam favoráveis ​​à esporulação e infecção de culturas suscetíveis novamente.

Figura 5. O mofo-branco pode matar prematuramente as plantas. O micélio branco e com aspecto de algodão pode ser evidente nas hastes do dossel. O fungo sobrevive como pequenos escleródios, estruturas negras produzidas nas hastes e nas vagens internas.

Fonte: Morning AgClips.

Culturas como milho, sorgo e grãos pequenos, não desenvolvem mofo-branco; no entanto, a rotação de culturas não é útil para reduzir a doença devido à longevidade do fungo. Os fungicidas podem controlar efetivamente a doença quando aplicados durante a floração em campos com histórico de mofo branco e condições favoráveis. Os fungicidas são mais eficazes quando aplicados na floração e menos eficazes quando aplicados quando os sintomas são visíveis na planta.

O plantio em linhas de 30 polegadas (0,762 metros), em vez de linhas estreitas perfuradas, ajuda a promover o movimento do ar no dossel e a reduzir a umidade relativa.

Para mais informações, veja:

Mofo Branco, Rede de Proteção de Plantas.

Identificando a podridão-tronco da esclerotinia na soja, um pequeno vídeo CW.

Gerenciamento da podridão-do-tronco da esclerotínia na soja, um pequeno vídeo da CW.

Crestamento bacteriano

O crestamento bacteriano é causado por Pseudomonas savastanoi pv. glycinea. A queima bacteriana é muito comum nos campos de soja este ano devido às chuvas frequentes e à alta umidade relativa. Os sintomas das folhas geralmente começam na parte superiore e mais jovem porque são mais suscetíveis.

Pequenas lesões marrom avermelhadas, de forma irregular, são cercadas por halos amarelos (Figura 6). As lesões podem se espalhar, dando às folhas uma aparência esfarrapada. As bactérias sobrevivem em detritos e sementes da colheita. As doenças são favorecidas por tempestades, ventos fortes e granizo, além de temperaturas mais baixas.

Figura 6. Lesões marrom-avermelhadas em forma irregular de ferrugem bacteriana também são cercadas por halos amarelos e se desenvolvem primeiro nas folhas superiores.

Fonte: Fonte: Morning AgClips.

Para mais informações, veja:

Mancha bacteriana da soja, rede de proteção de plantas.

Mancha bacteriana, na seção CW Soybean Plant Disease.

Doenças bacterianas na soja, um pequeno vídeo em CW.

Identificação e Gerenciamento

O diagnóstico preciso é fundamental para o manejo eficaz das doenças das culturas. Os sintomas de algumas dessas e de outras doenças podem parecer muito semelhantes, mas as estratégias de gerenciamento variam muito.

– Tamra Jackson-Ziems, patologista da unidade de extensão da Universidade de Nebraska; Kyle Broderick, educador de extensão e coordenador da clínica de diagnóstico de plantas e pragas da UNL

Para mais notícias de Nebraska, clique aqui.

Texto traduzido de Morning AgClips. Para acessar original, clique aqui. 



Elaboração: Engenheira Agrônoma Andréia Procedi – Equipe Mais Soja.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.