InícioDestaqueAvanço dos inoculantes biológicos em debate na 21ª Relare: 85% dos sojicultores...

Avanço dos inoculantes biológicos em debate na 21ª Relare: 85% dos sojicultores adotam a prática em todas as safras no Brasil

Em 2023, de acordo com dados da Associação Nacional de Produtores e Importadores de Inoculantes (ANPII), foram comercializadas cerca de 141 milhões de doses de inoculantes. A aplicação dessa categoria de produtos, que hoje já é utilizada por 85% dos produtores de soja e 22,4% dos produtores de milho, segue em pleno crescimento, sendo uma tendência na agricultura brasileira.

Frente à evolução do setor, representantes de todo o Brasil se reuniram nos dias 25 e 26 de junho, em Londrina (PR), para a 21ª Reunião da Rede de Laboratórios para Recomendação, Padronização e Difusão de Tecnologias de Inoculantes Microbianos de Interesse Agrícola (Relare), a fim de discutir, de forma aprofundada, os avanços e resultados de pesquisas em inoculantes microbiológicos, além de debater o planejamento de pesquisas futuras e a transferência de tecnologias para a indústria.

A abertura da Relare contou com uma palestra de Solon Cordeiro Araújo, Conselheiro Fundador da ANPII e presidente da primeira sessão que criou a Relare, em 1985.

A apresentação de abertura teve como tema “Inoculantes para o Brasil e para o Mundo: A Capacidade Produtiva e Competitiva da Indústria Nacional”, onde Solon destacou o crescimento contínuo do setor nos últimos quatro anos, com uma média anual de crescimento na ordem de 14,7%, sendo a soja a cultura que mais adota essa tecnologia. “A evolução do uso de inoculantes é notável.

Passamos de um uso na cultura da soja de 35% na década de 80 para 85% atualmente. Assim como avançamos de um único tipo de inoculante para diversas classes e formas de uso. Houve um avanço significativo em termos de regulamentação, fiscalização e capacitação técnica, com empresas agora contando com equipes altamente qualificadas”.

Desde 1952, quando eram utilizados apenas inoculantes de Rizóbios, o setor se expandiu para incluir, em 2009, inoculantes de Azospirillum, e em 2022, produtos para solubilização de fósforo e resiliência ao estresse hídrico. Diversos microrganismos como BacillusPseudomonas e Metylobacterium também passaram a ser utilizados.

Atualmente, de acordo com dados da ANPII, a soja lidera as vendas dos inoculantes, com 77% do valor total, seguida pelo milho, com 16%, e a cana-de-açúcar com 2,5%. Inoculantes baseados em bactérias Bradyrhizobium representam 72,7% das doses utilizadas em campo, enquanto Azospirillum e Pseudomonas correspondem a 26,7%.

“O Brasil está plenamente capacitado para atender tanto ao mercado interno quanto ao externo em termos de qualidade e capacidade técnica. O parque industrial brasileiro está preparado para responder aos aumentos de demanda, reforçando o potencial de expansão e os benefícios ambientais e econômicos para a produção agrícola. E a ANPII, com seus associados representando cerca de 65% do mercado, continua a desempenhar um papel fundamental no fomento e desenvolvimento do setor de inoculantes, impulsionando a adoção de novas tecnologias e a normatização de produtos biológicos de qualidade”, finaliza Solon.

O evento, patrocinado pela ANPII, contou com pesquisadores, professores, técnicos, produtores rurais e representantes da indústria nacional de bioinsumos. Paralelamente, ocorreu a 39ª Reunião de Pesquisa de Soja, ampliando ainda mais o escopo técnico e científico do evento.

Sobre a ANPII:

Fundada em 1990, desde o início de suas atividades a ANPII tem muito claro que a fixação biológica de nitrogênio e a promoção do crescimento vegetal são tecnologias estratégicas para a agricultura sustentável.

A história da ANPII tem sido marcada por importantes contribuições para o crescimento dos inoculantes biológicos para agricultura em vários eixos. Sua atuação como representante oficial junto ao MAPA garantiu a construção de uma legislação moderna e segura, permitindo que o setor produtivo ofereça ao mercado produtos eficientes, e cada vez mais inovadores, com biotecnologia de ponta aplicada à agricultura sustentável.

Junto à pesquisa oficial, em especial à Embrapa, a ANPII viabilizou vários estudos que hoje tornam o setor de inoculantes biológicos mais diverso, democrático e abrangente, com 80 empresas desenvolvendo e colocando no mercado bioinsumos que beneficiam os agricultores, ambiente e sociedade.

A presença marcante da ANPII em eventos científicos, feiras agrícolas e espaços de discussão dos rumos da agricultura, em conjunto com seu programa gratuito de EAD, têm proporcionado o maior entendimento e conhecimento sobre a tecnologia dos inoculantes biológicos e seus benefícios para a agronomia, agricultura e a economia do Brasil.

Muito já foi feito e há muito o que se fazer para que os inoculantes biológicos estejam ainda mais presentes na agricultura brasileira e mundial e contribuam para a sustentabilidade da produção agrícola.

Para mais informações, acesse: www.anpii.org.br

Fonte: Assessoria de imprensa



 

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares