InícioDestaqueBuva na Argentina: é possível controlá-la com uma aplicação apenas?

Buva na Argentina: é possível controlá-la com uma aplicação apenas?

A buva (Conyza spp) é sem dúvida uma das principais plantas daninhas a nível nacional, espalhando-se por quase toda a área agrícola argentina. A resistência ao Glyphosate, confirmada há mais de 5 anos, é amplamente distribuída, enquanto a resistência aos inibidores de ALS, confirmada em 2019 em um biótipo do sul de Santa Fe, está se expandindo.

Fonte: Aapresid

Esta última resistência é muito preocupante uma vez que estes ativos são amplamente utilizados para controlar pousios outonais em cereais de inverno, e em curtos pousios primaverais tanto para controlar plantas que nasceram no inverno, como também para cobrir novas ninhadas de nascimento desta época.

Além dessas resistências já confirmadas, em 2019 a EMN emitiu um alerta amarelo para um biótipo do norte de Buenos Aires com resistência múltipla a Glifosato, ALS, hormônios (2,4 D) e PPO (Saflufenacil) .

Uma das estratégias mais difundidas nos últimos anos para o controle efetivo de plantas daninhas resistentes, e principalmente para o Galho Negro, é o “ golpe duplo” . Essa técnica consiste na aplicação de um dessecante ou queimador alguns dias após um primeiro tratamento, geralmente de ação sistêmica.

Embora a estratégia seja muito útil e recomendada para garantir o controle e reduzir a possibilidade de vazamentos que podem levar à resistência, ela gera algumas incertezas. A primeira é mais eficaz do que o controle de um único golpe (podendo também combinar modos de ação), e a segunda é sobre o impacto ambiental que essa estratégia acarreta, podendo utilizar talvez outras alternativas ainda eficientes. e com menores custos ambientais.

Teste de campo

Em 2020, na cidade de Los Surgentes, o REM em conjunto com a Aapresid Regional Los Surgentes – Inriville, realizou um ensaio para avaliar o nível de controle dos principais ativos que hoje estão disponíveis para tratar Conyza em pós-emergência com ” Um golpe“. Foi executado pelo Ing. Agr. José Luis Zorzín, da Consultora More Hectares.

O estado particularmente seco da campanha permitiu chegar apenas com a aplicação de pousio prolongado no mês de abril aos tratamentos de primavera, condição não usual nas campanhas típicas. Foi aplicado nas mudas nascidas no pico das emergências durante o mês de agosto.

O ensaio foi desenhado em blocos de 3 repetições aleatórias. A avaliação do herbicida foi realizada aos 10, 21 e 28 dias após a aplicação (DDA). A Tabela 1 abaixo descreve os tratamentos realizados, modos de ação e impacto ambiental de acordo com o indicador EIQ * (* nenhum valor deste indicador foi encontrado para Halauxifen).

Tabela 1:

Níveis de controle alcançados

Nos primeiros tratamentos, onde o Glifosato era o único ingrediente ativo, os níveis de controle estão diretamente relacionados às doses utilizadas, atingindo os valores máximos aos 21 DAA (Foto 2). (Figura 1).

É necessário destacar o maior impacto ambiental que ocorre com o aumento da dose. Mesmo assim, recomenda-se a adição de Glifosato nas misturas em doses normais de uso, pois em maior ou menor medida continua contribuindo para o controle, pois ainda existem indivíduos suscetíveis em todas as populações.

Foto 2: Tratamento 3 (4Lt / Ha Glifosato 54% ) aos 21 DAA.

Figura 1: Porcentagem de controle de Black Branch em resposta a diferentes tratamentos pós-emergentes, avaliados aos 10, 21 e 28 DAA.

Foi evidenciada uma perda de sensibilidade aos herbicidas 2,4D e inibidores de ALS testados. As doses que antes davam controle total agora mostram uma diminuição no controle com as doses avaliadas. Isso é mais evidente em plantas daninhas maiores (mais de 20 cm e ramificadas). Os menores são mais afetados. quase com controle total em mudas. Ressalta-se que, historicamente, os inibidores de ALS são a ferramenta mais utilizada para o controle dessa planta daninha devido à sua alta eficácia de controle a um custo razoavelmente baixo.

A atrazina contribuiu muito para o controle dessa folha larga, sua inclusão na mistura de Glifosato e hormônios (2,4 D) fez com que o controle atingisse 87% aos 21 DAA, posicionando-se como uma alternativa válida para pousios curtos. No entanto, o nível de impacto ambiental gerado por este ativo do grupo Triazines deve ser levado em consideração.

Em relação aos PPOs avaliados (principalmente queimadores), o controle do saflufenacil se destacou, atingindo 97% do controle rapidamente (10 DAA). Conforme mencionado acima, um alerta amarelo REM ainda está em vigor para este grupo de herbicidas. Em campanhas futuras, se a resistência for confirmada e os biótipos se expandirem, poderemos ver diminuições nas porcentagens de controle.

O tratamento que combinou o Glifosato com duas auxinas sintéticas de diferentes famílias (Halauxifen e Fluroxipyr) formuladas em uma mistura, apresentou ótimo desempenho, atingindo em média 3 repetições 87% e 88%, aos 21 e 28 dias respectivamente.


Foto 3: Tratamento 15 (Glifosato + (Halauxifeno + Fluroxipir)) vs. testemunha em 21 ADD.

A combinação em uma única aplicação de glifosato, hormônios, ALS e queima de PPO foi o único tratamento que atingiu o controle total aos 28 DAA. É importante ressaltar que quando analisamos o valor alcançado pelo indicador EIQ desse mix, ele é semelhante ao de outros mixes avaliados com menos ativos.

O ensaio mostrou que para o controle desta espécie nesta situação particular na maioria dos tratamentos avaliados não é mais suficiente ir para a estratégia one-shot. Embora os tratamentos de “golpe duplo” não tenham sido avaliados, esta estratégia é quase indispensável para controles de plantas daninhas que são mais avançados em tamanho. Visto que se um único tratamento não atinge o controle total da população, os indivíduos sobreviventes serão mais difíceis de controlar posteriormente.

Pensamentos finais

Saber quando as plantas daninhas nascem é a chave para o planejamento de uma estratégia de manejo. O Ramo Negro apresenta uma emergência prolongada no tempo, com um pico acentuado no outono e outro de menor magnitude, mas também considerável, na primavera. As aplicações no outono para nascimentos em abril são muito eficazes , muito diferente é o caso se for aplicado no final da primavera. Por variar de ano para ano, de acordo com as regiões, safra predecessora, nível de cobertura, entre outras questões, o monitoramento continua sendo uma prática indiscutível para o gerenciamento lote a lote.

Um dos principais fatores a serem considerados será o tamanho da erva daninha , esperando-se melhores controles quanto menor o tamanho na hora da aplicação. As condições do solo e da umidade do ambiente também podem influenciar os resultados alcançados.

Esta espécie apresenta grande sensibilidade ao sombreamento, o que reduz sua emergência. No início, para vencer a batalha, é importante conseguir uma boa implantação das lavouras de inverno , seja para aluguel ou serviço, e entender a importância da folha perene para o manejo integrado de plantas daninhas.

qualidade da aplicação é fundamental em tratamentos pós-emergentes, principalmente quando estão incluídos queimadores e produtos de contato, que requerem boa cobertura de gotas para atingir controles satisfatórios. A situação que geralmente apresenta maior dificuldade é após a colheita do milho tardio, pois a erva daninha é protegida por restolho e é de tamanho considerável.

Como conclusão final pode-se citar que existem ferramentas químicas para o controle dessa planta daninha, mas as opções estão sendo restritas com o aparecimento de resistências. A rotação e a combinação de ativos de diferentes locais de ação são práticas convincentes para estender a vida útil dos ativos disponíveis.

Dada a perda de sensibilidade das ferramentas químicas, as demais práticas tornam-se mais relevantes. As culturas de serviço são uma delas, mas seu manejo deve ser ajustado para que se obtenha um bom controle inicial de plantas daninhas. O uso conjunto de culturas de serviço com herbicidas residuais é um bom complemento de práticas que devem ser levadas em consideração na definição de estratégias.

Tradução: Equipe Mais Soja
Fonte: Aapresid

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares