O capim-pé-de-galinha (Eleusine indica) é uma problemática planta daninha, pertencente à família Poaceae e considerada uma planta anual ou perene, propagada por sementes, e capaz de produzir touceiras (Correia & Resende, 2016). Essa daninha é comumente encontrada em lavouras agrícolas, infestando culturas de interesse econômico como soja, milho e trigo.

Avaliando o crescimento, desenvolvimento e produção de sementes do capim-pé-de-galinha, Takano et al. (2016) observaram que uma planta de capim-pé-de-galinha é capaz de produzir até 120 mil sementes durante seu ciclo de desenvolvimento, que é de aproximadamente 120 dias após e emergência (DAE). Os autores ainda destacam que conforme avaliado, entre 38 e 43 DAE, a planta apresenta rápida emissão de novos perfilhos, acúmulo exponencial de massa seca total e aumento substancial da taxa de crescimento absoluto.

Figura 1. Capim-pé-de-galinha (Eleusine indica).

O capim-pé-de-galinha apresenta uma grande habilidade competitiva, matocompetindo com culturas agrícolas por água, radiação solar e nutrientes, causando significativas perdas produtivas. Conforme observado por Calegarim et al. (2019), dependendo da densidade populacional do capim-pé-de-galinha que infesta a cultura da soja, perdas de produtividade superiores a 80% podem ser observadas.

Visando reduzir as perdas produtivas que ocorrem em função da matocompetição com essa planta daninha, o manejo e controle eficiente do capim-amargoso é indispensável. Avaliando o período anterior a interferência (PAI) de plantas daninhas em soja, Benedetti et al. (2009) observaram que se tratando de uma comunidade de plantas daninhas, com a presença do capim-pé-de-galinha entre outras plantas, o PAI é de aproximadamente 25 dias após a emergência da soja.

Corroborando essa informação, Takano et al. (2016) destacam que visando um controle satisfatório do capim-pé-de-galinha, deve-se realizar o controle dessa planta daninha preferencialmente antes dos 38 DAE.



Entretanto, o manejo e controle eficiente do capim-pé-de-galinha pode não ser uma tarefa fácil. Além da grande produção de sementes, rápido crescimento e desenvolvimento vegetal, o capim-pé-de-galinha apresenta resistência conhecida a determinados herbicidas e mecanismos de ação, fato que dificulta ainda mais o controle eficaz de populações dessa planta daninha.

Conforma informações do banco de dados internacional de ervas daninhas resistentes a herbicidas, atualmente existem no Brasil relatos de populações do capim-pé-de-galinha com resistência simples aos herbicidas inibidores da ACCase e EPSPs, além da resistência múltipla a ambos os mecanismos de ação.

Quadro 1. Casos de resistência de capim-pé-de-galinha (Eleusine indica) no Brasil.

Fonte: Heap (2022)

Os casos mais recentes de resistência do capim-pé-de-galinha a herbicidas foram relatados nos estados do Paraná e Mato Grosso, sendo respectivamente relatadas resistências simples e múltiplas a herbicidas. Visando não só o controle dessa planta daninha, mas também o manejo da resistência a herbicidas, o programa de controle deve variar os mecanismos de ação de herbicidas, utilizando quando possível herbicidas pré-emergentes.

Além disso, em pós emergência, deve-se priorizar o controle do capim-pé-de-galinha ainda nos estádios iniciais do desenvolvimento dessa planta daninha, preferencialmente plantas até 1 (um) perfilho.


Veja mais: Você sabe qual o período anterior a interferência de plantas daninhas na cultura da soja?



Referências:

BENEDETTI, J. G. R. et al. PERÍODO ANTERIOR A INTERFERÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM SOJA TRANSGÊNICA. Scientia Agraria, Curitiba, v.10, n.4, p.289-295, 2009. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/agraria/article/download/14801/10003 >, acesso em: 03/05/2022.

CALEGARIM, J. A. et al. INTERFERÊNCIA DO CAPIM PÉ-DE-GALINHA NA CULTURA DA SOJA. Congresso Brasileiro de Fitossanidade, 2019. Disponível em: < http://fitossanidade.fcav.unesp.br/seer/index.php/anaisconbraf/article/view/432/346 >, acesso em: 03/05/2022.

CORREIA, N. M.; RESENDE, I. RESISTÊNCIA DE Eleusine indica (CAPIM-PÉ-DE-GALINHA) A HERBICIDAS INIBIDORES DA ACCASE NO MUNICÍPIO DE BURITIS, MG. Embrapa, Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, n. 139, 2016. Disponível em: < https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1060309/1/BPD139.pdf >, acesso em: 03/05/2022.

HEAP, I. O BANCO DE DADOS INTERNACIONAL DE ERVAS DANINHAS RESISTENTES A HERBICIDAS, 2022. Disponível em: < https://www.weedscience.org/Pages/Species.aspx >, acesso em: 03/05/2022.

TAKANO, H.K. et al. GROWTH, DEVELOPMENT AND SEED PRODUCTION OF GOOSEGRASS. Planta Daninha, Viçosa-MG, v. 34, n. 2, p. 249-257, 2016. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/pd/a/ghDFZ8G4XGG5wF8rjWYvcsm/?format=pdf&lang=en >, acesso em: 03/05/2022.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube)

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.