Os produtores brasileiros de soja estão focados na finalização da semeadura e no desenvolvimento inicial das lavouras, deixando a comercialização em segundo plano. As condições climáticas irregulares estão fazendo com que consultorias e entidades revisem para baixo duas estimativas.

A produção brasileira de soja em 2020/21 deverá totalizar 132,498 milhões de toneladas, com elevação de 5,5% sobre a safra da temporada anterior, que ficou em 125,619 milhões de toneladas. A estimativa foi divulgada por SAFRAS & Mercado. No dia 30 de outubro, data do relatório anterior, a projeção era de 133,52 milhões de toneladas.

Com o plantio se aproximando do final, SAFRAS indica aumento de 2,9% na área, estimada em 38,415 milhões de hectares. Em 2019/20, o plantio ocupou 37,347 milhões de hectares. O levantamento indica que a produtividade média deverá passar de 3.466 quilos por hectare para 3.501 quilos.

O analista de SAFRAS & Mercado, Luiz Fernando Roque, alerta que foram feitos ajustes negativos pontuais em produtividades médias esperadas para alguns estados produtores do Centro-Oeste, Sudeste e parte do Sul.  “Embora ainda seja cedo para definições, o clima irregular registrado desde setembro na maior parte do país trouxe alguns problemas regionalizados, principalmente nos estados da faixa central”, afirma o analista.

Segundo Roque, “ainda não podemos falar em grandes perdas produtivas em nível país, mas precisamos de regularidade climática nos próximos meses para que as condições da safra não piorem. Mesmo com os ajustes negativos atuais, ainda deveremos colher uma nova safra recorde”.

Segundo a Conab, a produção brasileira de soja deverá totalizar 134,451 milhões de toneladas na temporada 2020/21, com aumento de 7,71% na comparação com a temporada anterior, quando foram colhidas 124,845 milhões de toneladas. Em novembro, a Conab indicava produção de 134,953 milhões de toneladas. A revisão para baixo entre uma estimativa e outra ficou em 0,4%.

“O plantio está em fase final na maior parte das regiões produtoras, com as oscilações climáticas impactando negativamente o ritmo das operações. No entanto, com a expectativa das normalizações hídricas, não se espera graves comprometimentos nos níveis de produtividade”, informou a Conab.

USDA 

O relatório de dezembro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicou que a safra norte americana de soja deverá ficar em 4,17 bilhões de bushels em 2020/21, o equivalente a 113,49 milhões de toneladas, mantendo a previsão do levantamento anterior.

Os estoques finais estão estimados em 175 milhões de bushels ou 4,76 milhões de toneladas. O mercado apostava em carryover de 165 milhões ou 4,49 milhões de toneladas. No relatório anterior, os estoques estavam projetados em 190 milhões de bushels – 5,17 milhões de toneladas.

O relatório projetou safra mundial de soja em 2020/21 de 362,05 milhões de toneladas. Em novembro, o número era de 362,64 milhões de toneladas.

Os estoques finais estão estimados em 85,64 milhões de toneladas. O mercado esperava por estoques finais de 85,5 milhões de toneladas. Em novembro, a previsão era de 86,52 milhões de toneladas.

A projeção do USDA aposta em safra americana de 113,5 milhões de toneladas. Para o Brasil, a previsão é de uma produção de 133 milhões de toneladas, repetindo o número de novembro. A Argentina deverá produzir 50 milhões de toneladas. A previsão anterior era de 51 milhões de toneladas. O mercado apostava em número de 132,3 milhões para o Brasil e de 50,4 milhões para a Argentina.

Fonte: Agência SAFRAS

Texto originalmente publicado em:
Safras e Mercados
Autor: Dylan Della Pasqua - Agência SAFRAS

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.