Avanços no campo: A colheita do algodão mato-grossense para safra a 18/19 segue em ritmo acelerado, alcançando 78,48% da área colhida até sexta-feira (23/08), um incremento de 13,68 p.p. em relação à semana passada.

Em boa parte das regiões do estado, o trabalho a campo tem se estendido praticamente 24 horas por dia, com isso, a região oeste, a maior produtora de Mato Grosso, chegou à 74,07% da sua área total colhida, com um avanço de 9,39 p.p. em relação à semana passada.

Apesar de relatos de chuvas pontuais em algumas regiões do estado, o clima seco e a boa janela de sol têm favorecido o cotonicultor mato-grossense a desenvolver o processo a campo. No entanto, segundo dados do Imea, a produtividade dessas áreas colhidas tem se mantido abaixo do esperado e o manejo em algumas áreas está atrasado na destruição das soqueiras.

Desta forma, o produtor deve ficar atento para evitar a disseminação de pragas, como o bicudo.

Confira os principais destaques do boletim:

• Com o avanço da colheita no Mato Grosso, o preço Imea-MT aumentou 0,46% na semana, cotado ao um valor de R$ 74,87/@.

• No mercado externo, o governo chinês anunciou a inserção de tarifas retaliatórias sobre as importações norte-americanas. Com isso o dólar finalizou a semana com uma alta de 1,66% e cotada com média de R$ 4,07/US$.

• Com o alto índice de fibra disponível no mercado mato-grossense, em decorrência da colheita, o frete de pluma avançou 0,70% na semana, atingindo um percentual de 6,48%. Sobre o preço da pluma.

• Os subprodutos mato-grossenses encerraram a semana com alta de 1,01%, 0,11% e 0,55%, com um preço médio de R$ 395,45/t, R$ 509,17/t e R$ 1.999,28/t, para o caroço, torta e óleo, Respectivamente.



SAFRA AMERICANA: O USDA divulgou o acompanhamento semanal da safra 19/20 de algodão nos Estados Unidos, segundo o relatório os números apresentam condições positivas em comparação à safra 18/19.

Com isso, cerca de 28,00% da safra apresenta capulhos já abertos. Quando analisados os dados sobre as condições das lavouras atuais, observa-se que 43,00% do total das áreas estão classificadas entre boas e excelentes.

Porém, em relação a média dos últimos cinco anos, esse percentual vem caindo ao longo das semanas. Além disso, algumas regiões já apresentam o início dos trabalhos nas lavouras, como é o caso do Texas, maior produtor de algodão do país, que alcançou 9,00 % da área colhida.

Entretanto, os rendimentos da safra norte-americana estão em aberto, uma vez que o EUA passou por problemas climáticos já no início da semeadura que poderão se refletir na produtividade final.

Fonte: IMEA

Texto originalmente publicado em:
Boletim Semanal do Algodão IMEA
Autor: IMEA

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.