Autores: Belmiro Saburo Shimada¹; Marcos Vinícius Simon²; Jéssica da Silva Schmidt³

Introdução 

O sistema de produção agrícola é afetado por diversos fatores ambientais e pelo manejo da cultura, assim, utiliza-se de técnicas e práticas, que vão contribuir na produção vegetal no ciclo da cultura, durante seu cultivo e nos diferentes órgãos das plantas, favorecendo o incremento na produtividade final (Santos et al., 2015; Silva & Silva, 2020).

No manejo da cultura é necessário intensificar a produção agrícola e buscar soluções no combate de doenças, pragas e as plantas daninhas que acometem as culturas (Rufino et al., 2018; Bernardo et al., 2019).

Na parte de doenças, elas podem causar perdas significativas no rendimento de diversas culturas, até mesmo causar a perda total da cultura, tornando-se necessário o conhecimento da doença, e principalmente os meios de controle, para obter um manejo adequado de doenças (Bellé & Fontana, 2018; Ueno & Costa, 2016).

Para o controle de doenças na agricultura diversos métodos de controle de doenças foram adotados, como o controle físico, controle biológico, controle químico, controle cultural, sendo esse último um dos métodos menos oneroso ao manejo de doenças (Rufino et al., 2018; Bellé & Fontana, 2018).

O objetivo deste trabalho é realizar uma breve revisão de literatura sobre o controle cultural no manejo de doenças agrícolas, caracterizando e descrevendo sobre sua importância em um sistema de produção agrícola.

Material e Métodos 

O presente estudo foi realizado com base na revisão de literatura e pesquisas relevantes sobre o controle cultural no manejo de doenças agrícolas, apresentando sobre o controle cultural, caracterizando e demonstrando a necessidade de seu uso no manejo das doenças agrícolas, destacando a importância da área fitopatológica na agricultura.

Resultados e Discussão 

Uma diversidade de doenças acomete as culturas e causam danos a produção agrícola, como no trabalho de Bernardo et al. (2019) demonstra o ataque de fungos na cana-de-açúcar (Tabela 1), assim, de modo a garantir a manutenção do potencial produtivo das plantas cultivadas, realiza-se o manejo das doenças (Fischer et al., 2018).

Segundo Silva et al. (2020) para o controle de doenças de plantas na agricultura, o MID (Manejo Integrado de Doenças) é uma das técnicas recomendadas para o controle de fitopatógenos e utiliza-se de diversos métodos combinados que são capazes de evitar a disseminação dos agentes fitopatológicos, ajudar a amenizar a possibilidade de seleção de indivíduos resistentes, e um dos métodos utilizados é o controle cultural.

O controle cultural consiste no uso de boas práticas agrícolas, manipulando as condições de pré-plantio e do desenvolvimento da planta, buscando favorecer o crescimento e desenvolvimento da cultura, em relação ao patógeno e a praga agrícola (Marvulli et al., 2019; Peruch et al., 2018).

No controle cultural uma prática recomendada e muito importante é a rotação de culturas, que é a alternância planejada e ordenada de diferentes culturas em um determinado período de tempo e na mesma área, de modo que não se repete a espécie vegetal no mesmo local no período de tempo menor que um ano (Barbieri et al., 2019).

O controle com a rotação de culturas ocorre devido à quebra de ciclos de culturas, proporcionando a diversificação do ambiente, reduzindo a seleção das espécies e diminuindo a ocorrência das mais problemáticas, ou de mais difícil controle, ajudando no controle de muitas doenças (Rosa et al., 2017; Andrade et al., 2018).

Esse controle de doenças deve ser realizado principalmente devido ao aumento de sua presença nas culturas, aos solos, variedades com maior produção e menos resistentes, doenças importadas e patógenos resistentes aos agroquímicos (Dias, 2018; Bellé & Fontana, 2018; Ueno & Costa, 2016).

Dessa forma, nota-se a importância do controle cultural no manejo de doenças agrícolas, demonstrando que é essencial o controle das doenças, visando diminuir danos e possibilitar que a cultura possa alcançar maiores produtividades.

Conclusão 

As doenças são um dos fatores que afetam a produção das culturas, sendo essencial o seu manejo para aumentar a produtividade, um dos modelos de controle é o controle cultural, que tem destaque a rotação de culturas, impedindo que muitas doenças se desenvolvam e causem danos a produção agrícola, demonstrando o quão importante é o controle cultural no manejo de doenças.

Informações sobre os autores:

  • ¹ Acadêmico do Curso de Pós-graduação em Agronomia, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon/PR. E-mail: shimada.belmiro@gmail.com
  • ² Acadêmico do Curso de Agronomia, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon/PR. E-mail: mvsimon@outlook.com
  • ³ Acadêmica do Curso de Pós-graduação em Agronomia, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon/PR. E-mail: schmidtjessica03@gmail.com

Referências 

ANDRADE, A. T.; TORRES, J. L. R.; PAES, J. M. V.; TEIXEIRA, C. M.; CONDE, A. B. T. Desafios do sistema plantio direto no Cerrado. Informe Agropecuário, 39:18-26, 2018.

BARBIERI, M.; DOSSIN, M. F.; NORA, D. D.; SANTOS, W. B. dos.; BEVILACQUA, C. B.; ANDRADE, N. de.; BOENI, M.; DEUSCHLE, D.; JACQUES, R. J. S.; ANTONIOLLI, Z. I. Ensaio sobre a bioatividade do solo sob plantio direto em sucessão e rotação de culturas de inverno e verão. Revista de Ciências Agrárias, 42:122-134, 2019.

BELLÉ, R. B.; FONTANA, D. C. Patógenos de solo: principais doenças vasculares e radiculares e formas de controle. Enciclopédia Biosfera,15:779-803, 2018.

BERNARDO, J. T.; AGUILERA, J. G.; SILVA, R. B. da.; MEDEIROS, Í. R. E.; VIAN, R.; NIELLA, G. R.; ULHOA, C. J. Isolamento on farm de Trichoderma: uma ferramenta no controle de doenças de solo para os agricultores no Brasil. Revista Eletrônica Científica da UERGS, 5:263-270, 2019.

DIAS, J. Controle alternativo de pragas e doenças. Revista Revise, 3:1-2, 2018.

FISCHER, I. H.; MORAES, M. F. de.; PALHARINI, M. C. de A.; FILETI, M. de S.; CRUZ, J. C. S.; FIRMINO, A. C. Effect of conventional and alternative products on postharvest disease control in avocados. Revista Brasileira de Fruticultura, 40:1-10, 2018.

MARVULLI, M. V. N.; COSTA, G. S. da.; GARCIA, É. A. Métodos de controle alternativos para defesa fitossanitária em propriedades rurais orgânicas. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO, 11., 2019, Ourinhos. Anais [….]. Ourinhos: Faculdade de Tecnologia de Ourinhos, 2019, p. 305-311.

PERUCH, L. A. M.; COLARICCIO, A.; BATISTA, D. da C. Controle de doenças do maracujazeiro: situação atual e perspectivas. Agropecuária Catarinense, 31:37-40, 2018.

ROSA, D. M.; NÓBREGA, L. H. P.; MAULI, M. M.; LIMA, G. P. de.; PACHECO, F. P. Substâncias húmicas do solo cultivado com plantas de cobertura em rotação com milho e soja. Revista Ciência Agronômica, 48:221-230, 2017.

RUFINO, C. P. B.; ARAÚJO, C. da S.; NOGUEIRA, S. R. Desafios na utilização do controle biológico de doenças de plantas na Amazônia. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological, 5:248-262, 2018.

SANTOS, L. A. dos.; SORATTO, R. P.; FERNANDES, A. M.; GONSALES, J. R. Crescimento, índices fisiológicos e produtividade de cultivares de feijoeiro sob diferentes níveis de adubação. Revista Ceres, 62:107-116, 2015.

SILVA, C. L. da.; SILVA, C. O.; MARQUES, F. S.; FINOTTI, C. G. D. Controle químico da ferrugem asiática da soja em diferentes sistemas de aplicações. Enciclopédia Biosfera, 17:239-248, 2020.

SILVA, N. G.; SILVA, C. V. Percepção dos produtores rurais sobre os sistemas integrados na produção agropecuária (SIPAs). Brazilian Journal of Biosystems Engineering,14:172-186, 2020.

UENO, B.; COSTA, H. Doenças causadas por fungos e bactérias. In: ANTUNES, L. E. C.; REISSER JUNIOR, C.; SCHWENGBER, J. E. (Org.). Cultivo do morangueiro. Brasília: Embrapa, 2016. p. 413-480.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.