O capim-amargoso é uma planta daninha encontrada em diversas culturas, dentre elas o milho.É uma planta daninha da família Poaceae, que causa grandes prejuízos, principalmente em lavouras de grãos. Isso, porque, o custo com controle de capim-amargoso resistente ao glyphosate pode aumentar em até 290%O gasto é ainda maior quando há infestação mista de capim-amargoso com buva.

Fonte: Adegas et al. (2017).

A dificuldade de controle de plantas de capim-amargoso também ocorre devido algumas características desta daninha como:

  • ciclo perene, chegando a ser maior de dois anos;
  • reprodução por meio de sementes (sexual) e rizomas, que são estruturas de reserva subterrâneas (assexual);
  • uma planta é capaz de produzir mais de 100 mil sementes;
  • as sementes são facilmente disseminadas pelo vento;
  • a germinação das sementes é indiferente à luz, porém a maior % ocorre na sua presença.

E, quando o capim-amargoso está infestando a cultura do milho, este controle pode ser ainda mais difícil, pois estamos falando do controle de uma gramínea dentro de uma cultura, que também é gramínea.

Os rizomas são formados depois dos 45 dias de emergência do capim-amargoso, o que dificulta o controle mecânico e químico, pois a planta consegue recuperar a parte aérea.

Capim-amargoso infestando a cultura do abacaxi.

Controle químico de capim-amargoso

Timossi (2009) estudou o controle de rebrota de capim-amargoso na cultura do milho.

O autor conclui que o melhor tratamento foi proporcionado pelo herbicida nicosulfuron na dose de 60 g ha-1

Fonte: Timossi (2009).

Melo et al. (2017), estudaram o controle de capim-amargoso com herbicidas recomendados para milho ou algodão.

Os autores concluíram que os melhores tratamentos em pós-emergência da planta daninha, na cultura do milho foram: nicosulfuron, imazapic + imazapyr e atrazine. Já, em pré-emergência foram: atrazine, isoxaflutole e s-metolachlor.

Fonte: Melo et al. (2017).

Além do controle de plantas daninhas que é realizado durante o manejo da cultura, temos que lembrar que a entressafra é um excelente período para o manejo, pois nesse momento temos mais opções ao nosso alcance.

Uma das principais recomendações de controle para o capim-amargoso é fazer o manejo quando esta planta daninha está com até dois perfilhos.

O manejo feito na época adequada, ou seja, quando as plantas daninhas estão pequenas ou em pré-emergência, é essencial para reduzir custos e dispersão da espécie.

Lembre-se sempre de evitar a produção de sementes pelas plantas daninhas, pois a dispersão destas estará abastecendo o banco de sementes no solo, que irão aumentar os custos de controle na próxima safra.

Conclusão

No texto de hoje, você viu como manejar o capim-amargoso com herbicidas utilizados na cultura do milho. Você também aprendeu porque que esta espécie é tão difícil de ser controlada, e a importância de fazer o manejo da época adequada.

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre o controle de capim-amargoso em milho? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Giraldeli. Sou Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar), Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ) e especialista em Agronegócios. Atualmente sou professora da UNIFEOB.

1 COMMENT

  1. Esta palavra manejo explica tudo na agronomia. Tudo é manejo. Texto grande e não explicou nada. Afinal, nesse caso, também foi manejo que resolveu o problema.

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.