InícioDestaqueFAO: preços mundiais dos alimentos atingem novo pico desde julho de 2011

FAO: preços mundiais dos alimentos atingem novo pico desde julho de 2011

O barômetro mundial dos preços dos alimentos atingiu um novo pico, atingindo seu nível mais alto desde julho de 2011, informou a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês).

O Índice de Preços de Alimentos da FAO, que acompanha as variações mensais nos preços internacionais de uma cesta de commodities alimentares, teve média de 133,20 pontos em outubro, com alta de 3% em relação a setembro, subindo pelo terceiro mês consecutivo.

O Índice de Preços de Cereais em outubro aumentou 3,20% em relação ao mês anterior, com os preços mundiais do trigo subindo 5% em meio ao estreitamento das disponibilidades globais, devido às colheitas reduzidas nos principais exportadores, incluindo Canadá, Federação Russa e Estados Unidos da América. Os preços internacionais de todos os outros cereais principais também aumentaram em relação ao mês anterior.

O Índice de Preços do Óleo Vegetal da FAO subiu 9,60% em outubro, atingindo um recorde histórico. O aumento foi impulsionado por cotações mais firmes para os óleos de palma, soja, girassol e colza.

Os preços do óleo de palma aumentaram pelo quarto mês consecutivo em outubro, amplamente sustentados por preocupações persistentes sobre a produção moderada na Malásia devido à contínua escassez de mão de obra migrante.

Laticínios e carnes

O Índice de Preços de Laticínios subiu 2,60% em relação a setembro, influenciado pela demanda global de importação mais firme de manteiga, leite em pó desnatado e leite em pó integral, em meio aos esforços dos compradores para garantir o abastecimento e aumentar os estoques.

Em contraste, os preços do queijo permaneceram estáveis, já que os suprimentos dos principais países produtores eram adequados para atender à demanda de importação global.

O Índice de Preços de Carnes da FAO caiu 0,70% de seu valor revisado em setembro, marcando a terceira queda mensal. As cotações internacionais das carnes suína e bovina caíram em meio à redução nas compras da China da primeira e à forte queda nas cotações de abastecimento do Brasil da segunda.

Por outro lado, os preços das carnes de aves e ovinos aumentaram, impulsionados pela alta demanda global e baixas perspectivas de expansão da produção.

Açúcar

O Índice de Preços do Açúcar caiu 1,80% em relação a setembro, marcando a primeira queda após seis aumentos mensais consecutivos.

O declínio foi principalmente o resultado da demanda de importação global limitada, das perspectivas de grandes suprimentos exportáveis da Índia e da Tailândia e do enfraquecimento do real brasileiro em relação ao dólar dos EUA.

Produção recorde de cereais

Apesar de uma produção mundial recorde esperada de cereais em 2021, os estoques globais estão caminhando para uma contração em 2021/22, de acordo com as novas previsões do Cereal Supply and Demand Brief da FAO, também divulgado hoje.

A previsão para a produção mundial de cereais em 2021 está agora em 2.793 bilhões de toneladas,  com queda de 6.7 milhões de toneladas em relação ao relatório anterior em outubro, em grande parte devido aos cortes nas estimativas de produção de trigo na República Islâmica do Irã, Turquia e Estados Unidos Estados da América.

Em contraste, a produção global de grãos grossos foi revisada para cima. Uma revisão da produção de milho foi impulsionada por rendimentos melhores do que os esperados anteriormente no Brasil e na Índia e melhores perspectivas em vários países da África Ocidental.

Em comparação com o ano passado, estima-se que a produção global de cereais aumente e atinja um novo nível recorde.

Consumo

Estimado em 2.812 bilhões de toneladas, o consumo mundial total de cereais em 2021/22 está se encaminhando para um aumento de 1,70% em relação ao volume estimado para 2020/21, liderado pelo crescimento previsto no consumo global de alimentos de trigo, registrando alta junto à população mundial.

á os aumentos previstos da alimentação e usos industriais do milho também devem contribuir para o incremento anual esperado.

Estoques e comércio

As estimativas são que os estoques mundiais de cereais no final das temporadas em 2022 caiam 0,80% abaixo de seus níveis iniciais, para 819 milhões de toneladas.

Consequentemente, a relação estoque/consumo mundial de cereais deverá diminuir ligeiramente, de 29,40% em 2020/21 para 28,50% em 2021/22, mas ainda indicando um nível confortável geral.

Após uma revisão em alta neste mês no comércio global de trigo e arroz mais forte do que o antecipado, o comércio mundial de cereais deve agora se expandir e atingir um novo recorde em 2021/22 de 478 milhões de toneladas, 0,30% acima de 2020/21.

Fonte: FAO, disponível no Portal da SNA

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares