Foi divulgado as estimativas para o custo de produção da safra 20/21 de milho, referente ao mês de setembro. Assim, foi observado que os altos patamares alcançados pela moeda norteamericana frente ao real está sendo um dos maiores fatores na elevação dos custos para os produtores de milho mato-grossense da safra futura.

Dessa forma, ao observar os custos operacionais efetivo (COE), houve uma elevação de 7,75% se comparado a safra passada, tendo como os maiores pesos para essa valorização os insumos agrícolas como: macronutrientes, fungicidas e herbicidas.

Além disso, foi estimado um ligeiro aumento no ponto de equilíbrio ante o mês anterior, passando a balizar o produtor para que venda sua produção acima dos R$ 22,77/sc, valor inferior ao preço médio comercializado da saca de milho no mês passado.

Confira agora os principais destaques do boletim:

• O indicador Imea – MT superou os R$ 56,09/sc. Com o atraso na semeadura da soja, os produtores seguraram as ofertas de negócios e os preços subiram em todo o mercado nacional.

• Na B3, as cotações do milho subiram 5,71% em relação à semana passada e fecharam em média de R$ 73,52/sc.



• Os prêmios no porto de Santos também se elevaram na média semanal, fechando em alta de 6,67% se comparados aos da semana passada.

• Com a sustentação da alta nos preços do milho no mercado interno, a diferença de base MT – CME tem se ampliado. Na semana passada, o aumento foi de 72,25%, valor que representou diferença de R$ 3,31/sc entre as praças.

Estoques apertados em MT:

Nesta segunda-feira foi divulgado o relatório de Oferta e Demanda do milho no estado. Para a safra 2019/20, que possui a produção estimada em 35,45 milhões de toneladas, a oferta de milho totalizou 35,46 milhões de toneladas.

No que se refere à demanda, o crescimento das usinas de biocombustível a partir do milho contribuiu para o aumento do consumo interno em 25,80% em relação à safra passada. Já para a safra 2020/21, foi realizada a primeira estimativa de (O&D), e de acordo com os dados, a oferta da temporada futura poderá apresentar uma elevação de 2,39%, justificada pelas perspectivas do aumento da área de cultivo do cereal.

Do outro lado, a demanda, as exportações poderão crescer e alcançar os 21,26 milhões de toneladas escoadas ao exterior pelo estado, volume que se atingido, será capaz de superar o visto por todas as safras anteriores. Por fim, quando somadas todas as demandas, o estoque final de milho permanecerá apertado no estado.

Fonte: Imea

Texto originalmente publicado em:
Imea
Autor: IMEA

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.